topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
As organizações hegemonizadas pelo governismo: cada vez mais governistas? Imprimir E-mail
Escrito por Michel Navarro   
Sexta, 09 de Agosto de 2013
Recomendar

 

As manifestações massivas em junho último, impulsionadas pela luta contra o aumento da tarifa de transporte público em diversas cidades, fenômeno que não víamos há décadas, trouxeram à luz como a grande maioria dos setores da esquerda – partidos, sindicatos e movimentos sociais – continua avessa à realização de qualquer autocrítica em relação às suas estratégias de luta. Sob o fantasma do avanço das forças conservadoras, a maioria das organizações com histórico inegável de mobilização e luta optou claramente por fincar os pés onde já está há uma década: articuladas em torno do governo, dando sustentação e perpetuando as mesmas práticas de luta institucional, por dentro do Estado, em detrimento da autonomia e independência de classe.

 

E são justamente essas práticas que escancararam, nessa conjuntura de levante popular, em que a população se dispôs a ir para a rua em torno de demandas concretas e que dizem respeito aos interesses dos setores populares, o quão distanciadas essas organizações estão da população. A opção de, a partir da eleição de 2002, não enxergar o Estado mais como antagonista, mas de fazer a “luta” na institucionalidade, inclusive co-gerindo com o governo políticas públicas, tornando-se, em grande medida, parceiras na administração do Estado neoliberal, foi, sem dúvida, o que tirou as organizações das ruas, do confronto, da preocupação com a mobilização de setores desorganizados.

 

Esse recuo, que na boca de muitos dirigentes se justificava por uma análise conjuntural estruturalista de que estaríamos em uma conjuntura de descenso da luta de massas, muito enfraquecida para a articulação de qualquer ofensiva, mostra agora o seu rosto político. Um instrumento de justificação da apatia intencional das organizações e de sua aliança com o governo.

 

Lula se reuniu em 22 de junho, no Instituto Lula, com representantes da União da Juventude Socialista (juventude do PCdoB), MST, UNE, Levante Popular da Juventude (juventude da Consulta Popular), Juventude da CUT, Marcha Mundial das Mulheres, Fora do Eixo e com o presidente do Conselho Nacional da Juventude (CNJ), Alessandro Melchior, o secretário municipal de Direitos Humanos, Rogério Sottili, e Rodrigo Savazonni, chefe de gabinete da Secretaria Municipal de Cultura.

 

Com a tentativa dos setores da direita, via seu partido político – a grande mídia – de disputar o sentido das manifestações, e conseguindo colocar pautas nas manifestações, em especial em torno do nacionalismo e do discurso anticorrupção, as organizações recorreram às suas engessadas categorias para explicar as razões dessa suposta “guinada à direita”. Isso teria ocorrido porque faltou uma direção forte nas ruas, que pudesse colocar para a população as pautas de interesse histórico da classe trabalhadora e que conseguisse dirigir o processo, evitando, assim, que a direita se apropriasse dos corações e mentes de quem estava nas ruas.

 

Essa justificativa para mim é de longe a principal evidência da total falta de autocrítica da esquerda próxima ao governo. A incapacidade ou falta de vontade de reconhecer que a tirada de pé da maioria das organizações de esquerda nesses últimos 10 anos contribuiu em muito para a falta de referência da população nas ruas e para a dificuldade dos movimentos conseguirem dialogar com a população e propor pautas.

 

A maioria da população não reconhece movimentos e partidos como representantes das suas demandas e aspirações. E isso se deve muito mais a uma burocratização e institucionalização dos instrumentos de luta da classe do que a uma suposta manipulação midiática somada à ausência de uma organização forte dirigindo a luta das massas. Esse distanciamento atual das organizações em relação à população gera muitas consequências negativas. E, sem dúvida, a mais danosa nas jornadas de junho foi a facilidade com que a mídia burguesa conseguiu influir nas manifestações com o discurso anticorrupção.

 

Em vez da autocrítica, sempre fundamental em momentos em que a população se mostra bem mais radicalizada do que as organizações que dizem representá-las, as organizações ficaram quase que circunscritas a um ataque, algumas por ignorância, mas outras por má-fé, à estrutura organizativa horizontal do Movimento Passe Livre (MPL). Como se bastasse, em junho, uma organização altamente centralizada chamando os atos para impulsionar as massas à esquerda.

 

A conjuntura atual derruba a leitura do descenso, e as próprias organizações que a sustentavam reconhecem isso. Mas nem mesmo esse novo horizonte, propício, embora ainda com muitas indefinições, para a construção de uma ofensiva dos setores populares organizados, fez com que até organizações que em teoria se afirmavam independentes saíssem das asas do governo.

 

Agora seria o momento, visto que novamente a população está disposta a lutar, de as organizações romperem definitivamente com o PT e darem um pontapé inicial, junto com outros movimentos que saíram da órbita governista ou que nela nunca estiveram, para a reconstrução de uma alternativa de autonomia e independência de classe, fora da institucionalidade. Falo aqui de começar a construir poder popular.

 

Contudo, o que vem ocorrendo é o inverso. Tem havido uma articulação ainda mais forte entre as organizações cooptadas e pouca vontade de construção de uma alternativa à esquerda e por fora do governo. Tais organizações têm inclusive saído às ruas com o PT e continuam entendendo que devem se articular com tendências do partido, não dando sinais de questionamento desta estratégia.

 

O setor governista vem concentrando sua atenção em sustentar publicamente a defesa de pautas postas pelo governo, como o caso da reforma política. Pauta colocada com força depois da reunião que essas organizações tiveram com Dilma. Embora saibamos que ela já foi bloqueada e praticamente arquivada pelo setor de sustentação do governo no Congresso e que, ainda que seja uma pauta importante e justa, tira a atenção das questões cruciais que levaram a população para a rua, e que são muito mais de fundo e vinculadas cotidianamente com a realidade da população, como precarização e encarecimento do transporte público, reforma urbana e rural, sucateamentos da saúde e educação públicas. Ou seja, as organizações optaram por defender o que o governo entende que devem ser as reivindicações da população. O foco na reforma política não está em sintonia com as aspirações vindas das ruas. E tamanha é a aposta de dirigentes nessa pauta sugerida pelo governo, que já há quem defenda que qualquer reforma estrutural no Brasil só será possível após a efetivação de uma reforma política.

 

Como quem diz, com ironia: “por ora, vamos mais uma vez adiar a luta por reforma agrária, reforma urbana etc., e concentremos nossas forças na reforma política, conseguindo assinaturas, e depois vamos para Brasília apresentar nossa concordância com a sugestão vinda do governo. Aí sim, só então pensemos em retomar as pautas históricas que são as bandeiras de muitos movimentos, inclusive dos nossos”.

 

Outro fator que mostra a indisposição dessas organizações em construir ação direta, se distanciar da institucionalidade, organizar o povo nas ruas, é o coro que muitas delas vêm fazendo com a direita, no sentido de criminalizar qualquer ação mais radicalizada nas ruas, encampando o discurso moralizador do “sem violência” e “sem vandalismo”. Para além do fato confirmado historicamente de que avanços sociais são impulsionados pela ação das massas e força das revoltas, não esqueçamos que essas conquistas decorreram na sua esmagadora maioria de ações diretas resultantes de uma ampla organização, estimulada por sindicatos, movimentos e partidos inseridos na luta e dispostos a exercer pressões pela ação direta.

 

Mas o problema crucial no Brasil agora é justamente a sistemática renúncia da maioria das organizações de esquerda a adotarem práticas mais radicalizadas, assumirem o ônus e organizarem o povo para as pressões das ruas. Dispostas a assumirem riscos, é disso que estou falando. E o que acaba restando são os Black Blocks, cuja radicalidade é criminalizada tanto pela imprensa burguesa quanto pelos partidos de esquerda e sindicatos.

 

alt
José Dirceu e Pablo Capilé, gestor do Fora do Eixo

 

E aí, fica-se nessa, setores da esquerda e direita dando as mãos em discurso uníssono e moralizante contra “a violência”, sem que se abram espaços de discussões e críticas no campo da estratégia e tática a determinadas ações dos Black Blocks ou a ações de enfrentamento tocadas por outros grupos e organizações. Já que essa esquerda que “moraliza” não propõe nem quer fazer ação direta.

 

Em tempos de ação direta e protagonismo popular, tais organizações continuam sustentando os passeios em avenidas e praças públicas, reproduzindo a lógica de suas práticas do “tempo do descenso” e criminalizando a população que, em explosão de revolta, responde com coragem e enfrentamento à violência estrutural da polícia e do Estado; essa mesma população que, com a sua radicalidade, forçou governos de diversas cidades a baixarem o exorbitante preço das tarifas de transporte público.

 

Em vista da indisposição dessas organizações em romper com o governo e contribuir para impulsionar as lutas nas ruas, fica a pergunta que não quer calar: ainda é possível esperar delas uma participação na construção de uma nova estratégia para a esquerda brasileira, quando mesmo numa conjuntura a favor elas se eximem de acertar ou errar com o povo?

 

Michel Navarro é militante da Organização Anarquista Socialista Libertária (OASL).

Retirado de Passa Palavra.

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates