Francisco e a Papalatria

0
0
0
s2sdefault

 

 

Francisco é bem-vindo. O Papa que deu um rosto humano ao papado surpreende e deve surpreender novamente. É difícil imaginá-lo cumprindo o ritual dos anteriores sem tentar algum gesto, alguma palavra que confirme a grife de seu papado.

 

Essas Semanas Mundiais da Juventude têm origem nos papados anteriores e vinham na lógica de reforçar a autoridade central do Papa. Era a época da volta da grande disciplina, hierarquizada ao extremo, com o Papa mandando nos bispos, os bispos nos padres, os padres nos leigos e os leigos – como dizia o Orbe Católico de Brecht – rodeados pelos cachorros, galinhas e porcos. Claro que a metáfora era referenciada num mundo ainda rural, não esse agora da internet, das redes sociais, das multidões nas ruas. Mas João Paulo II era tipo popstar e assim desejava encontrar-se com a juventude mundial.

 

O resultado dessa “igreja referenciada em si mesma” – na verdade, a hierarquia referenciada em si mesma -, como já dizia o próprio Francisco, deu no que deu, isto é, “uma igreja doentia”. Por isso, não há dúvida que ele quer uma igreja mais dos pobres para os pobres e vai envidar todos os esforços para que seus gestos pessoais e as estruturas eclesiais sejam mais adequadas ao seu projeto de Igreja.

 

Francisco não gosta de cultos à personalidade e já mandou remover uma estátua que lhe fizeram em Buenos Aires. Está mais interessado em chamar a atenção para uma espiritualidade seguidora de Jesus, por seus caminhos, pelos pobres, que chamar a atenção sobre si mesmo. Ele não é adepto da papalatria.  Esperamos que assim continue, porque a mosca azul do poder não poupa ninguém, nem mesmo os papas.

 

O que ninguém pode negar, entretanto, é que Francisco é um sinal dos tempos.

 

Roberto Malvezzi (Gogó) possui formação em Filosofia, Teologia e Estudos Sociais. Atua na Equipe CPP/CPT do São Francisco.

Comentários   

0 #1 O quê!?Rosa 22-07-2013 19:46
Enquanto finge ser muito humilde, trama com a sua CNBB caçar direitos das mulheres, impedir que a presidenta sancione projeto de assistência á mulheres vítimas de violência, prejudicar reivindicações das pessoas lgbt's.
O papa não me representa.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados