Francisco, o papa tardio

 

Quando Francisco decidiu ir a Lampedusa – a ilha italiana para onde migram os africanos que querem viver na Europa – apenas para celebrar um réquiem pelos mortos das travessias da África para a Europa, sem status de chefe de Estado, sem nenhuma autoridade europeia ou italiana por perto, estava comprovado que ele não veio para a mesmice. Ele vai a um lugar emblemático da crise humana contemporânea.

 

Todos os gestos e palavras desse papa, entretanto, parecem ter chegado tarde demais, sobretudo para nós latino-americanos. O melhor de nossa Igreja, aquela intensa diáspora para as periferias, acontecida nas décadas de 70 e 80 do século passado, sofreu uma perseguição insana, numa articulação até hoje não muito clara entre os impérios do mundo e o Vaticano.

 

Quando certos escritores escreviam sobre as mundaneidades do Vaticano, ou no Vaticano, parecia mais fantasia que realidade. Mas o enterro do mafioso Renatino no cemitério dedicado aos cardeais a troco de um milhão de euros, o suicídio de Roberto Calvi – presidente do banco Ambrosiano -, os escândalos no IOR, a recente prisão do Nunzio Scarano, nos colocam diante de fatos, não de imaginações. Portanto, é claro que o Vaticano ainda é considerado um espaço de influência global e que os poderes do mundo – inclusive o crime organizado – o disputam com toda ferocidade.

 

Claro que não deveríamos nos escandalizar, afinal, onde está o ser humano, está sua grandeza e miséria. Acontece que até pouco tempo atrás a Igreja era a “sociedade perfeita”, mesmo Agostinho já tendo declarado que ela era “santa e pecadora”, portanto, cheia de defeitos como qualquer instituição humana. Francisco tem rosto humano, nele o reconhecimento dos próprios limites é uma força para os mais fracos. Ele não teme admitir os problemas graves do Vaticano.

 

A Igreja dos pobres e para os pobres, como quer Francisco, aquele que vai a Lampedusa, parecia ter ficado no passado, ainda que restasse sempre “uma semente nalgum canto de jardim”. Ele parece extemporâneo. A América Latina parece ter chegado tarde demais a Roma. Mas o que é justo tem sua própria força e os injustiçados existem aos bilhões. Além do mais, Deus tem seu próprio “time”.

 

Roberto Malvezzi (Gogó) possui formação em Filosofia, Teologia e Estudos Sociais. Atua na Equipe CPP/CPT do São Francisco.

Comentários   

0 #2 Francisco, o papaEdmílson Martins de 12-07-2013 21:32
A Igreja dos pobres e para os pobres, como quer Francisco, aquele que vai a Lampedusa, parecia ter ficado no passado, ainda que restasse sempre “uma semente nalgum canto de jardim”. Em vista disso, apresento esse cordel abaixo:
O PAPA FRANCISCO NO BRASIL

Por Edmílson Martins
Rio, 11/07/2013

O papa vem ao Brasil
Nosso país tropical
Terra de bom futebol
E também de carnaval
De favelas e quadrilhas
E político imoral.

Francisco encontrará
Sociedade partida
Com muitos reivindicando
Dignas condições de vida
E alguns privilegiados
Com vida bem protegida.

Francisco vem ladeado
Por juventude mundial
Encontrará no Brasil
Juventude marginal
Bem explorada e excluída
Por perverso capital.

Verá jovens virtuais
Vendo o mundo por janelas
Verá jovens bem tratados
Outros morando em favelas
Em condições bem precárias
Vivendo pelas tabelas.

E verá jovens de ruas
Sem paz, sem sonhos sem vida
Todos marginalizados
Numa vida desvalida
Tratados como coitados
Sem cura para as feridas.

Francisco, o papa, nos lembra
Nosso Francisco de Assis
Que disse a um papa: essa Igreja
Com nosso Deus não condiz
Jesus Cristo é dos pobres
Vê o que o Evangelho diz.

O São Francisco de Assis
Desprezou pompa e riqueza
Preferiu ter vida livre
Fez opção pela pobreza
Resolveu viver em paz
Consigo e com natureza.

Que essa jornada dos jovens
Que vêm ao nosso país
Para lembrar Jesus Cristo
E o que o Evangelho diz
Seja fiel às ideias
Daquele jovem de Assis.

Que os jovens dessa jornada
Sejam caminho de luz
Mostrando a todos os jovens
O Projeto de Jesus:
Ter a vida verdadeira
Mesmo morrendo na cruz.

Terminando este cordel
Peço aos jovens da Jornada:
Olhem com muita atenção
Os anseios da meninada
Que só quer justiça e paz
E vida consolidada.
Citar
0 #1 Francisco, o papa tardio ...tiago 12-07-2013 13:25
Igreja dos pobres, para os pobres ....
Que tal: Igreja dos injustiçados, com os injustiçados?
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados