A massa rompeu o silêncio

 

 

A maioria silenciosa está falando. E o seu grito ecoa pelo país inteiro. Mas, em princípio, deixa muitos atônitos sem entender o que está acontecendo. Até os grandes jornais, veículos de comunicação e os seus respectivos articulistas não conseguem explicar o que está acontecendo nas ruas. A luta pela redução das tarifas de ônibus encabeçada pelo movimento do Passe Livre desencadeou uma lista de reivindicações difusas.

 

Nem mesmo a Copa das Confederações, talvez o único grande espetáculo capaz de atenuar o desejo de mudança expresso pela massa, segundo estudo “À Sombra das Maiorias Silenciosas” do sociólogo francês Jean Baudrillard, consegue calar a voz rouca das ruas. Aliás, a sonora vaia que a presidente Dilma Roussef levou durante a solenidade de abertura do evento no dia 15 de junho em Brasília talvez tenha sido o prenúncio de uma insatisfação generalizada que até então estava entalada na garganta do povo brasileiro.

 

As manifestações foram catalisadas pelo vigor dos jovens estudantes e ganharam corpo nas ruas do país. Sem partido, sem representantes e com um forte desejo de mudança, o movimento só foi surpreendido ora pela violência desmedida da polícia ou pela atuação de vândalos que não se contêm e nem tampouco entendem o que o país está protagonizando.

 

A passividade e a indiferença da massa deram lugar à espontaneidade quase selvagem e implosiva por meio de um grito incontido por mudanças. Agora, ela deixou de ser a “maioria silenciosa” para se tornar sujeito da história política do país.

 

Revestida de certa imunidade à manipulação pelo poder e também à mistificação pelo futebol e ao espetáculo, a massa “silenciosa” tem muito a nos dizer e a nos ensinar. Mas a sua grande vingança é saber que ninguém pode dizer que a representa. E as suas reivindicações são mesmo difusas.

 

Depois da eclosão desses movimentos resta agora as autoridades e a classe política brasileira recorrerem ao exame das suas próprias consciências para saber o que está errado e o que precisa ser mudado. E olha que a lista é grande: de corrupção à violência, saúde, educação, transporte público, transparência, ética, e por aí vai...

 

Uma lição todos já tiveram: a massa está mais viva do que nunca e pode a qualquer momento voltar a romper o silêncio para dizer em alto e bom som que as coisas não vão bem, como um vulcão que saiu do seu estado de dormência para projetar lavas quentes ao seu derredor e chamuscar principalmente os que teriam o papel de representá-las na esfera política, com uma atuação exemplar, buscando satisfazer as necessidades mais básicas da população em geral.

 

Esperamos, sinceramente, que esse comportamento crítico e de certa forma revolucionário possa se refletir nas urnas nas futuras eleições. De qualquer maneira, o grande recado está dado, pois o que uniu essa massa de insatisfeitos foi o desejo de mudança aliado a um recurso moderno que superou a capacidade de mobilização dos veículos de comunicação tradicionais: as mídias sociais.

 

Vandique Magalhães é jornalista. E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Comentários   

0 #2 ERRO DE PORTUGUÊSChauke Stephan Filho 23-06-2013 14:30
Vandique Magalhães, li com deleite o seu artigo sobre as manifestações no Brasil (A massa rompeu o silêncio), neste histórico junho de 2013. Você escreve bem, seu texto é claro, a linguagem é fluente, e o tema, interessantíssimo. Parabéns!

Porém, na antepenúltima linha do penúltimo parágrafo você diz que um vulcão saiu de seu estado de dormência para "projetar larvas quentes".

Ora, a matéria magmática em estado de fusão, produzida pela erupção vulcânica, não se compõe de "larvas quentes". Larvas são as formas embrionárias de alguns animais, como peixes, anfíbios, artrópodes etc. Aquilo que um vulcão projeta chama-se "lava".

Não se preocupe, meu Amigo! Você não pode ser culpado de tamanha diferença entre duas palavras por causa de um só erre. Isso acontece com os melhores redatores.
Citar
0 #1 SABIAS PALAVRASROBSON PEÇANHA 22-06-2013 13:14
SABIAS PALAVRAS MESTRE !!!!
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados