Todos sob controle

 

 

O novo herói da transparência democrática se chama Edward Snowden, tem 29 anos, e nasceu em Maryland, vizinho do Fort Meade, sede da poderosa NSA (sigla em inglês para designar a Agência de Segurança Nacional dos EUA). Ele nunca completou o ensino médio e foi dispensado do serviço militar, em 2003, devido a um ferimento. Como demonstrava grande talento para a informática, a CIA o recrutou.

 

Agora ele se encontra refugiado em Hong Kong por denunciar, com provas, que o governo dos EUA, através da NSA, controla a vida privada de milhões de cidadãos. Os jornais The Guardian, britânico, e Washington Post, estadunidense, publicaram os documentos sobre o projeto Prisma, vazados por Snowden em maio deste ano. Ele trabalhava para empresas contratadas pela NSA, como a Dell e, nos últimos meses, para a Booz Allen Hamilton.

 

Os documentos comprovam que a NSA tornou-se o verdadeiro Big Brother, descrito no célebre romance 1984, de George Orwell. Ela pode entrar em seu email, gravar todos os seus telefonemas, apropriar-se de todos os dados de seu cartão de crédito, como já vem monitorando a vida privada de quase 5 milhões de cidadãos. Segundo Snowden, basta conhecer o email de uma pessoa para se ter acesso a todo conteúdo do computador dela.

 

Com a invenção do Facebook já não é preciso recrutar espiões. Muitos usuários descrevem ali sua rotina diária, preferências e até intimidades amorosas. Mark Zuckerberg, seu inventor, admite que “utilizamos as informações (divulgadas pelos internautas) para prevenir atividades potencialmente ilegais”. Todo adepto do Facebook, ao clicar seu acordo às normas, aceita que todos os seus dados sejam “transferidos e estocados nos EUA”.

 

“Não quero viver num mundo em que tudo que faço e digo fica registrado”, justificou-se Snowden. Acrescentou que agiu assim porque “progressivamente tomei consciência de que os presidentes podem mentir para se manter no poder e ignorar suas promessas públicas sem consequências”.

 

O governo Obama não sabe onde enfiar a cara. Os documentos comprovam que a NSA burla inúmeras leis dos EUA, além de ser protegida por “leis secretas”, recurso que, ao arrepio dos princípios do Direito, é adotado pelas ditaduras. A esperança de Snowden é que a Justiça de seu país venha a contestar a vigilância eletrônica praticada em larga escala pela NSA.

 

Edward Snowden ingressa, agora, na seleta lista dos whistleblowers (acionadores de alertas). Um dos mais famosos deles é Daniel Ellsberg, funcionário do Departamento de Estado que, em 1971, vazou os papéis do Pentágono denunciando o verdadeiro caráter da guerra do Vietnã. Na época, ele trabalhava para a Rand Corporation, um instituto de pesquisa estreitamente vinculado aos serviços secretos estadunidenses.

 

Ellsberg fez vazar 43 volumes ultra confidenciais, com 7 mil páginas, provando que, de Eisenhower a Nixon, todos os presidentes mentiram sobre o envolvimento dos EUA no Vietnã. Isso fez mudar a opinião pública que, a partir de então, passou a exigir o fim da guerra, que terminou com a derrota de Tio Sam.

 

Nixon ficou tão furioso que, após ofender a progenitora do denunciante, mandou invadir o consultório do psiquiatra dele, em busca de informações que pudessem desacreditá-lo, e tentou colocar LSD em sua sopa. O processo se encerrou em 1973, quando a defesa de Ellsberg comprovou que houve escutas ilegais e “provas” fabricadas. Hoje, aos 82 anos, ele defende os jovens acionadores de alertas.

 

Outro é Bradley Manning, analista militar no Iraque que, aos 22 anos, repassou ao WikiLeaks de Julian Assange 700 mil documentos.

 

Como Snowden e Manning, funcionários subalternos, puderam ter acesso a documentos ultrassecretos? A resposta, segundo analistas, é o pânico que tomou conta dos EUA após a queda das Torres Gêmeas, em 2001. A pressa em recrutar agentes para os serviços de espionagem impede uma seleção mais criteriosa.

 

“Uma de nossas obrigações é garantir que os EUA permaneçam seguros”, declarou a senadora democrata Dianne Feinstein após a denúncia de Snowden. Obama não foi menos enfático: “É preciso admitir que não se pode ter 100% de segurança e, ao mesmo tempo, 100% de privacidade e nenhum inconveniente”.

 

Eis a consagração do Estado Policial, capaz de controlar todos os seus cidadãos. O medo do terrorismo doméstico faz com que, hoje, 56% dos estadunidenses apoiem a vigilância telefônica e eletrônica da população.

 

Temos, então, um arremedo de democracia. Uma democracia sem liberdade e privacidade. Comprovar que democracia e liberdade individual não são compatíveis é, sem dúvida, uma vitória de Osama Bin Laden.

Frei Betto é escritor, autor de “O que a vida me ensinou” (Saraiva), entre outros livros.

Website: http://www.freibetto.org/

Twitter:@freibetto.

 

Copyright 2013 – FREI BETTO – Não é permitida a reprodução deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do autor. Se desejar, faça uma assinatura de todos os artigos do escritor. Contato – MHPAL – Agência Literária (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Comentários   

0 #2 Democracia e liberdadeElvélcio Frigério 23-06-2013 22:41
Em vês de comentar sobre o momento que o Brasil atravessa e os riscos da implementação do regime cubano, venezuelano, etc., vem falar sobre o regime de país que o sr.detesta.
Mas entendo o sr., é um grande amigo da revolução cubana,portanto um socialista da extrema esquerda, por isso o sr foi um tremendo colaborador de tudo isso que estamos vivendo e pelo que esta por vir para nosso Brasil, ou seja, um regime cubano, chavista, etc.
Parece que a CNBB irá ou já delegou a revitalização das CEBs e esta ou já esteve no nordeste como participante oficial de simpósios a exemplo dos organizados pelas arquidioceses de Maceió e Natal.
Ora, as CEBs atuaram como verdadeiros sovietes, são péssimos frutos da teologia da libertação. As CEBs das quais muito se fala e pouco se conhece. Com a revitalização das cebs as esquerdas religiosas e políticas na qual é um ativo membro nós nos encontramos diante de uma tentativa desesperada de um assalto final das esquerdas religiosas e políticas com a finalidade de conquistar o Brasil e a América Latina para o comunismo.
Citar
0 #1 A farsa da democracia nos EUANelson 21-06-2013 18:02
Excelente texto do Frei Betto.

Na verdade, a farsa da democracia "made in USA" vem sendo desmascarada aos poucos. A maior parte do aparato midiático e de propaganda se encontra nas mãos do grande capital estadunidense e sionista e outra parte significativa pertence ao grande capital de outros países capitalistas, sobrando muito pouco para os meios alternativos.

Este, talvez seja o fator mais importante a impedir que as verdades divulgadas pelos "acionadores de alertas" sejam conhecidas pela maior parte da população do planeta.

Por isso, ainda temos "uma pá" de gente em todo o mundo que acredita que os EUA são a terra da democracia, o país a ser imitado.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados