topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Insatisfação latente Imprimir E-mail
Escrito por Roberto Malvezzi (Gogó)   
Quarta, 19 de Junho de 2013
Recomendar

 

 

 

Havia surpresa e perplexidade quando a juventude das periferias francesas explodiu em revoltas e protestos “nada pacíficos” alguns anos atrás. Afinal, tudo parecia normal no mundo europeu e particularmente na França.

 

Entretanto, aos poucos se revelava que ali havia uma insatisfação latente, que explodiu de forma espontânea, aparentemente anárquica, desconexa, desvinculada de partidos políticos e organizações tradicionais das esquerdas.

 

Porém, o que motivava a revolta da juventude francesa, aquela das periferias, muitas vezes dos filhos de imigrantes, era a condenação perpétua à sub-cidadania. Embora protegidos por algumas políticas sociais, sabiam que seu destino era vegetar o resto da vida às margens da sociedade, vivendo do mínimo, enquanto a sociedade opulenta à sua volta podia viver o que o consumo entende por cidadania plena. Era a revolta contra a situação de gueto, de marginalização, de exclusão do mundo pertencente aos senhores da França.

 

Em uma reunião da Semana Social Brasileira conversamos sobre esse fenômeno, achando que um dia ele chegaria ao Brasil. Não estávamos errados. Num primeiro momento há certo contentamento com políticas de compensação social, mas ele não dura eternamente. Depois de satisfeitas certas necessidades básicas, a população sai em busca da cidadania plena. E ela tem se revelado nos acontecimentos de rua do país.

 

Primeiro, a insatisfação com o gasto do dinheiro público em obras faraônicas, inúteis, que satisfazem o apetite das empreiteiras e políticos, mas não as necessidades da população. A juventude protesta contra os estádios da Copa, assim como protestamos contra a Transposição do São Francisco, assim como o movimento indígena protesta contra Belo Monte. Um país carente de transportes públicos – os vinte centavos são o pretexto -, com as ruas ocupadas em 80% por carros individuais, enquanto o transporte público leva 80% da população ocupando apenas 20% do espaço público, a roubalheira nas grandes obras, a falta de estradas decentes, o salário minimizado dos professores públicos, a saúde precária do SUS, o avanço do agronegócio sobre as águas e territórios tradicionais, tantos outros elementos que poderíamos agregar a esses, fazem um caldo de revolta latente que em algum momento virá à tona, mesmo que para muitos pareça irracional.

 

A revolta da população com essas políticas – e a falta delas para o povo – deve se agudizar daqui para a realização da Copa do Mundo. As injustiças sofridas pelos afetados pelas obras da Copa são tão claras, tão visíveis, que as redes sociais se tornam instrumentos de convocação para qualquer ato. Mas as pessoas saem às ruas porque não estão satisfeitas, não porque “é típico da juventude” como desdenhou a presidente Dilma. O protesto só não é maior porque os atingidos pela Transposição, Belo Monte, indígenas, quilombolas etc., estão longe dos centros urbanos.

 

Enfim, esgotamos o período de satisfação do Bolsa Família e outras formas de transferência de renda. Não que o povo que dele necessita vá desistir do que conquistou. Basta recordar o que aconteceu com o boato de sua extinção dias atrás. Mas, se as autoridades pensam que o povo vai assistir calado a tantas injustiças só porque já tem esses programas de compensação social, é bom olhar para o que aconteceu nas periferias francesas.

 

Roberto Malvezzi (Gogó) possui formação em Filosofia, Teologia e Estudos Sociais. Atua na Equipe CPP/CPT do São Francisco.

Recomendar
Última atualização em Quarta, 26 de Junho de 2013
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates