topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Papa João e papa Francisco Imprimir E-mail
Escrito por Dom Demétrio Valentini   
Qui, 13 de Junho de 2013
Recomendar

 

Nestes dias transcorreu o aniversário da morte do papa João 23. Veio a falecer no intervalo entre a primeira e a segunda sessão anual do Concílio Vaticano II, no dia 3 de junho de 1963.

 

Como Moisés, que chegou às portas, mas não conseguiu entrar na terra prometida, assim o papa João não pôde ver concluído seu acalentado sonho de um concílio para a renovação da Igreja.

 

Mas, ao falecer, o processo conciliar tinha envolvido de tal modo a Igreja que ninguém duvidava de sua continuidade. Tanto que o seu sucessor, o papa Paulo VI, fez da garantia de levar em frente o concílio o seu primeiro compromisso.

 

Pois bem, neste ano não é só o calendário que nos traz à memória o papa João 23. São tantas as semelhanças que somos levados espontaneamente a comparar o papa João com o papa Francisco.

 

Ambos se constituíram em inesperada surpresa, já pela sua eleição.

 

Em 1958 ninguém apostava no desconhecido Cardeal Ângelo Roncalli. Em 2013 houve todo tipo de especulação sobre os nomes mais prováveis, mas ninguém se deu conta de pensar no discreto Cardeal Jorge Mário Bergoglio.

 

Porém, a surpresa da eleição, em ambos os casos, serviu para ressaltar ainda mais o acerto do conclave. Parecia que tivessem tirado um tesouro escondido a sete chaves, presenteando a Igreja com um papa que vinha sob encomenda, ao encontro de suas melhores expectativas.

 

Ambos foram rapidamente conquistando simpatia, que vai se acumulando como reserva preciosa de apoio para suas iniciativas pastorais.

 

Quando faltavam poucos dias para completar três meses de seu ministério, o papa João 23, a 25 de janeiro de 1959, surpreendeu o mundo com o anúncio do Concílio Ecumênico.

 

Agora, por estes dias, também o papa Francisco vai completar três meses do seu ministério. Ele já conquistou o mesmo grau de simpatia de João 23. Ele poderia contar, certamente, com o mesmo apoio dado a João 23 para levar em frente o concílio.

 

Mas aí mora a grande diferença de contexto eclesial. João 23 veio antes de um concílio. O papa Francisco chega depois de um concílio.

 

João 23 pôde desencadear um grande mutirão eclesial, onde todos se sentiam animados a participar. Não havia ainda resistências articuladas. Todos podiam partilhar os mesmos generosos sonhos de renovação da Igreja, pelo caminho amplo e seguro de um concílio ecumênico.

 

Agora, o papa Francisco não dispõe de um símbolo tão eficaz e abrangente, como era o concílio. Ele precisará fazer opções pontuais e concretas, que poderão ter, sem dúvida, o grande aval emprestado pelas propostas do Concílio Vaticano II, ainda não implementadas.

 

No tempo do papa João, a adesão era global e genérica. Agora, o papa Francisco precisará optar por questões pontuais, que tenham a possibilidade de retomar a amplitude do Vaticano II.

 

A primeira providência para desencadear o processo do Vaticano II foi a nomeação da ‘Comissão ante-preparatória’, instalada no Pentecostes de 1959. Ela tinha a incumbência de identificar os temas a serem abordados pelo Concílio. Ela teve a boa idéia de ampliar a consulta às bases da Igreja, que responderam de maneira pronta e generosa.

 

Agora, o papa Francisco também instituiu uma ‘comissão’ de consultores, para ajudá-lo a tomar as iniciativas mais apropriadas. O melhor que podemos desejar a esta Comissão é que ela se faça portadora dos anseios profundos de renovação eclesial, que o processo conciliar ainda não conseguiu efetivar.

 

De qualquer forma, o papa Francisco pode contar com o mesmo apoio dado ao papa João. Ele pode convocar. A Igreja estará pronta para acatar suas iniciativas.

 

D. Demetrio Valentini é bispo da diocese de Jales (SP).

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates