topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Alguns comentários críticos ao artigo “Prostitutas felizes”, na Folha de S. Paulo Imprimir E-mail
Escrito por Duarte Pereira   
Qui, 13 de Junho de 2013
Recomendar

 

 

A respeito de mais uma polêmica provocada e vencida pela bancada evangélica, sobre campanha de prevenção sexual que envolvia a aparição de prostitutas nos anúncios oficiais, já suspensa pelo Ministério da Saúde, teço breves comentários a respeito do artigo do jornalista Helio Schwartsmann, intitulado “Prostitutas felizes”.

 

O artigo publicado pela Folha critica o conservadorismo da bancada religiosa, que, de acordo com seu autor, deveria respeitar o direito de escolha das profissionais do sexo. Em tal sentido, parto do que considero uma tese neoliberal, que defende a prostituição como qualquer outra profissão. Desse modo, creio serem cabíveis algumas indagações e reflexões.

 

Será que elas ou eles escolheram livremente a alegada “profissão”? Não existem condições sociais que empurram mulheres e homens – em geral pobres e lascados – a esse tipo de comércio forçado do próprio corpo? Não existem os organizadores e aproveitadores desse comércio? Não existem as comissões extorquidas por policiais desonestos para tolerá-lo?

 

Os que se beneficiam dessa venda compulsória do corpo alheio não se prevalecem de sua superioridade econômica e social para impô-la? Pode-se afirmar que é uma atividade legal? Que lei autoriza esse tipo de comércio e o protege? E deveria existir tal lei?

 

Uma das atividades essenciais do ser humano – o relacionamento erótico-afetivo – pode ser convertida num comércio pago e numa suposta “profissão” como qualquer outra? Não estamos idealizando a mercantilização extrema do ser humano, que leva até os limites em nossa sociedade a exploração capitalista de certos seres humanos por outros?

 

A solução correta não seria garantir a todos os homens e mulheres as condições econômicas para escolherem livremente seus parceiros ou parceiras e livremente exercerem o ato nobre e extremo de entrega mútua, por um momento ou para toda uma vida? Que algumas prostitutas ou prostitutos possam sentir-se subjetivamente felizes – apesar das condições impostas, restritivas e em geral degradantes da “profissão” que exercem – não pode ser o critério principal para avaliá-la.

 

É inegável, infelizmente, que a prostituição feminina e masculina ainda persistirá por muito tempo, favorecendo inclusive a propagação de doenças sexualmente transmissíveis, algumas graves e potencialmente mortais.

 

Justifica-se, portanto, numa atividade tão arriscada e vulnerável, a luta para reduzir as extorsões dos gigolôs, os abusos de policiais, as violências e o desrespeito de clientes, as faltas de cuidados para limitar as transmissões de doenças. Mas desde que essas medidas parciais sejam combinadas com a proposta e o empenho pela conquista de uma nova organização social, democrática e socialista avançada, que viabilize a abolição da prostituição feminina e masculina e garanta uma efetiva e responsável liberdade amorosa e sexual para todos.

 

O artigo de Hélio Schwartsmann pode ser lido aqui.

 

Duarte Pereira é jornalista.

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates