Proibido defender-se

0
0
0
s2sdefault

 

 

Aviões de Israel bombardearam a Síria três vezes nos últimos meses. Netanyahu falou que os sírios não deveriam levar a mal. Não era contra eles.

 

O alvo seriam armamentos que estavam de passagem por Damasco, a caminho dos quartéis do Hizbollah, inimigo jurado de Israel.

 

O problema é que os ataques violaram a soberania síria, destruíram edifícios e instalações públicas e mataram dezenas de soldados e funcionários do país.

 

A defesa antiaérea síria viu-se impotente para evitar a ação dos super-modernos aviões israelenses, fornecidos pelos EUA.

 

Diante deste legítimo ato de guerra, o governo de Damasco limitou-se a ameaçar reagir da “próxima vez”.

 

Ninguém acreditou. Assad não teria condições de enfrentar ao mesmo tempo Israel e os rebeldes.

 

Contratou então com os russos a compra do sistema antimíssil S-300, capaz de atingir aviões e mísseis a uma distância de 200 km. Furiosa indignação em Tel-aviv.

 

‘Como esses audaciosos sírios se atrevem a se armarem para se defenderem de nossos bombardeiros? E os russos já pensaram como o S-300 poderia dificultar futuros ataques nossos?’.

 

Lembrou a fábula do Lobo Mau e os três porquinhos, quando o lobo ficou furioso por ter o porquinho Prático construído uma casa de pedra, resistente a seus assoprões...

 

Israel mandou logo emissários a Moscou para impedir essa venda “inadmissível”. E os EUA se juntaram a seus protestos.

 

Nessa curiosa inversão dos fatos, em que a bombardeada Síria torna-se uma ameaça para o bombardeador Israel, a hipocrisia se disfarçou com roupas de justiça.

 

A hipótese do S-300 em Damasco foi tratada como um verdadeiro crime contra a civilização ocidental.

 

Os russos explicaram que o S-300 tem uso apenas defensivo. Só atuaria para prevenir bombardeios de Damasco por aviões estrangeiros. Como os rebeldes não têm aviões, nunca seria usado contra eles.

 

Aí, Israel resolveu apelar.

 

Em reunião com embaixadores da Europa Unida, o assessor nacional de Segurança Yaakov Admidror declarou que a aquisição do Sistema S-300 pela Síria obrigaria Israel a uma ação militar para impedir que entrasse em operação.

 

Por sua vez, Moshe Ya´alon, ministro da Defesa, sugeriu em entrevista que Israel bombardearia os navios russos que transportassem o S-300 para a Síria.

 

Dois ultimatos, portanto.

 

Se os russos e sírios não se intimidarem, forem em frente com a instalação do S-300 e Israel cumprir suas ameaças, será uma infração grave do Direito Internacional.

 

Lembro as palavras do Tribunal de Nuremberg, que julgou os criminosos nazistas da 2ª. Grande Guerra: “Iniciar uma guerra de agressão é não apenas um crime internacional; é o supremo crime internacional”.

 

Desta vez, a Rússia poderia ser envolvida, o que daria coragem a Assad para retaliar, conforme suas promessas.

 

Correríamos então sérios riscos de uma guerra que incluiria todo o Oriente Médio. Dificilmente, os EUA poderiam vir em defesa de Israel, argumentando com violências do governo Assad.

 

Nos últimos meses, a auréola angelical dos rebeldes veio se desvanecendo. ONGs relataram crimes deles contra os direitos humanos semelhantes aos de que já se acusara Assad.

 

Recente relatório da ONU dizia que a maioria dos rebeldes não favorece a democracia, o que enfraquece a pecha de ditador lançada contra o presidente sírio.

 

O eventual uso de armas químicas pelo governo, trombeteado pela França, Reino Unido e EUA, parece ser compartilhado pelas duas partes.

 

Recentemente, o conceituado Le Monde relatou um episódio dessa ordem, no qual as forças do governo estariam implicadas.

 

No entanto, ainda nesta semana, agentes de segurança da Turquia (país contra Assad) prenderam 12 membros do Nussra, destacado grupo rebelde, com gás sarin, pronto par ser instalado em armas.

 

Enquanto a divisão maniqueísta em good guys e bad guys tende a desaparecer, o mundo inteiro mostra-se contra a intervenção militar do Ocidente no conflito.

 

Pesquisa Pew revela que o fornecimento de armas aos rebeldes pelos EUA ou Europa é contestado por 68% das pessoas na Turquia; 80% no Líbano; 60% na Tunísia; 59% no Egito; e 63% na Palestina.

 

Na Europa, os resultados são semelhantes: 82% na Alemanha; 69% na França; e 59% no Reino Unido.

 

É significativa a posição de Angela Merkel, firme aliada de Barack Obama: “em nenhuma circunstância a Alemanha fornecerá armas para os sírios”. Até nos EUA a maioria do público é contra: 64%.

 

Num cenário assim, Barack Obama e seus aliados na Europa e no Oriente Médio não poderão defender Israel, caso Netanyahu decida mesmo atacar a Síria ou os navios russos.

 

Como também é impensável que fiquem contra ele, o caminho possível será uma trégua, através da ONU.

 

Mesmo porque, num conflito iniciado pelos israelenses contra a Síria, os países árabes e a Turquia, que hoje apoiam os rebeldes, terão de se opor a Tel-aviv.

 

Dessa maneira, os rebeldes acabarão ficando isolados. Só lhes restará participar das reuniões de paz, que hoje recusam, sem exigir a renúncia prévia de Assad.

 

Toda esta análise baseia-se na certeza da instalação do S-300 em Damasco e dos desdobramentos prometidos.

 

Claro, ainda há uma esperança de que o presidente Obama convença Bibi a tirar o dedo do gatilho. Aí as coisas seguirão outro rumo.

 

Nos próximos dias ficaremos sabendo o que acontecerá. Seja o que for, a imagem de Israel já ficou suja pela incrível ameaça de atacar um país por pretender se defender.

 

Luiz Eça é jornalista.

Website: Olhar o Mundo.

Comentários   

0 #1 RE: Proibido defender-seraul milan 09-06-2013 17:38
Leio sempre seus artigos e recomendo,mas,
pô Luis Eça, parece que você esquece neste artigo, o que significa bombardear navios russos por Israel? Israel continua sendo o valentão bem armado, mas que só bate em gente onde ele tem certeza que pode bater sem ter o devido revide. Pouca gente sabe que as guerras empreendidas contra os árabes nas décadas de 60, foram ganhas com apoio pesado dos EUA e Grã-Bretanha. Ou vamos acreditar na velha história da incompetência militar dos árabes.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados