topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Ressuscitação de morto e criação de nascituro monstrengo Imprimir E-mail
Escrito por Osiris Lopes Filho   
Quarta, 12 de Setembro de 2007
Recomendar

 

 

A proposta orçamentária para o exercício financeiro de 2008 prevê como fonte de receita tributária a CPMF. Presente à comissão especial que cuida do exame da proposta de emenda constitucional de prorrogação da CPMF, o ministro da Fazenda afirmou que se não for aprovada a continuidade da CPMF, vários programas sociais, nas áreas estratégicas da saúde, assistência social e previdência, ficariam prejudicados pela perda de recursos, cuja arrecadação estava prevista como receita para suportar gastos considerados essenciais, para atender ao interesse da comunidade.

 

A questão básica é a de que a Constituição vigente prevê explicitamente a extinção da CPMF para o dia 31 de dezembro deste ano. Morte marcada, com rito e publicação solenes, posto que anunciada no texto jurídico maior, a Constituição do país.

 

Como até o gramado da Esplanada dos Ministérios em Brasília sabe, é verdade que nestes tempos de secura não anda tão verdejante e viçoso, mas queimado e seco. Amarelado. Mas como ia dizendo, até o sofrido gramado sabe que os tributos, neste país, estão presididos pelo princípio da legalidade. Só se pode cobrar tributo previsto em lei. A lei maior, fonte de todas as leis, condena à morte a CPMF no dia 31 de dezembro de 2007. Óbvio que morto esse tributo, não pode servir de base para previsão de receita tributária, no exercício de 2008, por sua inexistência. Mas a criatividade da tecnocracia é inesgotável. Dispõe o art. 100 da Lei nº 11.514, de 14/08/07, denominada de Lei de Diretrizes Orçamentárias que “na estimativa das receitas do Projeto de Lei Orçamentária de 2008 e da respectiva lei poderão ser considerados os efeitos de propostas de alterações da legislação tributária e das contribuições, inclusive quando se tratar de desvinculação de receitas, que sejam objeto de proposta de emenda constitucional ou de medida provisória que esteja em tramitação no Congresso Nacional”.

 

Conseguiu-se gerar um prodígio no processo legislativo pátrio. Ressuscita-se um morto, a CPMF, transforma-a em nascituro para proteção de seus direitos, e se lhe dá eficácia para justificar gastos de salvação nacional na esfera da saúde, da assistência e da previdência social. É pura magia. O orçamento nacional agasalhará em 2008 fonte de recursos inexistente – a CPMF –, de potencial duvidoso, posto que necessita de aprovação, em dupla votação em cada casa do Congresso Nacional e com quorum qualificado. O Executivo federal considera que tudo vai  bem, no melhor dos mundos, sob a proteção de panacéia legislativa.

 

Atribuiu-se a um estadista europeu, o general De Gaulle, em visita ao país, a afirmativa de que “o Brasil não é um país sério”. Frase ofensiva e injusta. Mas a verdade é a de que os nossos dirigentes atuais estão a fazer força, e que força, para dar-lhe eficácia. E fazem-na constar, qual zelosos burocratas, na nossa estória legislativa, com registros em Diário Oficial. Só falta a outorga de diploma de leguleio fornecido pelo Congresso, que aliás já foi impresso pelo Diário Oficial, aos que bolaram essa milagrosa solução. Magia negra legislativa.

 

 

Osiris de Azevedo Lopes Filho, advogado, professor de Direito na Universidade de Brasília – UnB – e ex-secretário da Receita Federal.

E-mail: osirisfilho(0)azevedolopes.adv.br

 

Para comentar este artigo, clique comente.

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates