topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Um país chamado Brasil Imprimir E-mail
Escrito por D. Demétrio Valentini   
Segunda, 10 de Setembro de 2007
Recomendar

 

Em tempos de Semana da Pátria, convém atentar para o nome do nosso país. Chama-se Brasil. Este nome foi cunhado a partir da primeira riqueza natural, encontrada nestas terras pelos descobridores. O “pau brasil”, como sabemos.

O país começou a ser chamado de “Terra de Santa Cruz”. Este nome indicava uma missão a cumprir. Também neste caso, o nome tem a força de motivar para a realização da própria identidade, no caso das pessoas, da própria personalidade.

 

Quando chamaram o país de “Santa Cruz”, estavam apontando uma meta a atingir. Quando o chamaram de Brasil, começaram a identificar as riquezas que ele já detinha, e que precisavam ser valorizadas e colocadas também a serviço de uma realização mais plena de suas potencialidades.

 

Pois bem, esta história do nome de nosso país nos faz pensar nos motivos do plebiscito promovido neste ano em torno da privatização da Vale do Rio Doce, a companhia que explora as riquezas naturais do nosso subsolo.

 

Mais que o “pau Brasil”, são elas que agora se constituem na primeira referência para fundar a identidade de nosso país. Daí os amplos questionamentos que são feitos a respeito da natureza, da finalidade e do estatuto jurídico de uma empresa que lida com aquilo que serve de primeiro fundamento da identidade de nossa pátria.

 

Em nosso caso, até o nome do país ajuda a perceber o nexo indispensável que existe entre pátria e as riquezas naturais que constituem o seu primeiro patrimônio. A Constituição Brasileira tomou o cuidado de explicar este nexo, declarando o subsolo brasileiro propriedade da nação, e não passível de alienação.

 

O singelo “pau Brasil” foi precursor de outras riquezas, que serviram de motivação para a exploração predatória dos tempos de colônia, mas serviram também de motivação para o país atingir sua maioridade e se tornar independente e autônomo. O caminho da soberania nacional passa pelo adequado equacionamento da exploração dos seus recursos naturais.

 

Por isto, hoje, a adequada solução política, jurídica, econômica, social, ambiental da questão do nosso subsolo tem tudo a ver com nossa nacionalidade, com nossa soberania, com nossa independência como pátria brasileira, como nação que serve de contexto vital para seus habitantes, e para se situarem no contexto mais amplo do relacionamento com outros países, fator hoje indispensável para uma autêntica soberania nacional.

 

Se por natureza os recursos naturais do subsolo constituem patrimônio da nação, sua preservação e sua utilização para o bem comum da nação brasileira se constituem num imperativo que precisa ser garantido pela consciência nacional e por adequada legislação que assegure esta destinação, tornando-a também economicamente viável e ecologicamente sustentável.

 

Todas estas questões estão embutidas no debate que o plebiscito levanta, a respeito da maneira como foi feita a privatização da Vale do Rio Doce, e da política que a presidiu.

 

A questão da Vale vale muito mais do que à primeira vista possa parecer. Vale a pena pensar nela, e assumir nosso posicionamento responsável.

 

O plebiscito nos oferece a oportunidade de dar mais consistência a este debate, que precisa ser aprofundado

 

 

D. Demétrio Valentini é bispo de Jales.

Web Site: www.diocesedejales.org.br

 

Para comentar este artigo, clique comente.

Recomendar
Última atualização em Sexta, 28 de Setembro de 2007
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates