topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
De novo o trabalho Imprimir E-mail
Escrito por D. Demétrio Valentini   
Terça, 30 de Abril de 2013
Recomendar

 

 

No meio da próxima semana, estaremos celebrando o Primeiro de Maio.

 

Por mais que tenha perdido sua fisionomia de luta social, o trabalho permanece na ordem do dia. Continuam válidas as palavras da encíclica Laborem Exercens, afirmando que o trabalho é “uma chave, provavelmente a chave essencial, de toda a questão social”

 

A recente onda de “desregulamentação social” atingiu o trabalho de maneira frontal. Algumas conquistas conseguidas a duras penas, durante décadas de lutas sindicais, se diluem e perdem força social.

 

O descanso semanal ficou seriamente comprometido. É crescente o número de empresas que nem interrompem suas atividades nos finais de semana. Ou até fazem dos finais de semana a oportunidade para suas promoções especiais. Desta maneira, é relegado a segundo plano o direito dos trabalhadores ao descanso coletivo.

 

Até a programação pastoral ficou comprometida. É difícil encontrar um horário que seja propício à comunidade, pois a necessidade da sobrevivência pelo trabalho inviabiliza a participação de muitas pessoas nos encontros de pastoral.

 

A exploração do trabalho é uma tendência que emerge, sob formas novas, de diversas maneiras. Já acabou o tempo da escravidão. Mas ainda encontramos situações de trabalho escravo, que o poder público procura combater com severidade.

 

A provável etimologia da palavra “trabalho” projeta uma luz sobre a complexa realidade que tal vocábulo procura transmitir. A palavra viria do latim, do vocábulo “tripalium”, que era instrumento de tortura. O trabalho forçado era meio de tortura dos escravos.

 

Pode ser que o subconsciente coletivo da sociedade ainda esteja condicionado à etimologia da palavra “trabalho”.

 

O conceito de trabalho passou por uma metamorfose muito grande. De sua idéia negativa, como instrumento de tortura para escravos, chegou-se ao valor do trabalho humano, impregnado de direitos, que precisam ser consignados em legislação adequada.

 

Esta visão positiva do trabalho fica confirmada pela teologia, que vê no trabalho a vocação do ser humano de cuidar da criação e de ativar suas potencialidades.

 

Entre estes dois extremos, encontramos critérios de discernimento, para conferir, por exemplo, se existe, ou não, “trabalho escravo”.

 

Não podemos partir do preconceito de que todo trabalho é uma tortura imposta ao trabalhador, como no tempo do império romano. Não podemos continuar com a mentalidade equivocada de achar que o trabalho é sempre uma escravidão, da qual devemos nos livrar a qualquer custo.

 

Ao mesmo tempo, o trabalho não pode se tornar instrumento de exploração, privando os trabalhadores e trabalhadoras de sua liberdade e de sua dignidade humana. O trabalho, mesmo o assalariado, precisa resguardar todos os direitos que a legislação social já lhe garantiu.

 

O direito à sobrevivência precede ao direito de trabalhar. Por isto pode ser justificada uma política voltada a garantir os direitos à vida digna também para as pessoas que não têm, ou não podem ter, trabalho. Mas isto não deve se constituir em motivo para cair na dependência e menosprezar o valor do trabalho humano.

 

Um povo que perde o sentido do trabalho está destinado a perder sua identidade e frustrar seu futuro, fazendo da dependência o caminho de sua verdadeira escravidão.

 

D. Demetrio Valentini é bispo da diocese de Jales (SP).

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates