topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Celpe: exemplo de desrespeito à população Imprimir E-mail
Escrito por Heitor Scalambrini Costa   
Quarta, 27 de Março de 2013
Recomendar

 

O resultado do modelo mercantil/privatista adotado no setor elétrico foi catastrófico para a sociedade brasileira. Além da explosão tarifária, herdamos, em períodos mais recentes, além do racionamento em 2001/2002, uma deterioração da qualidade dos serviços com as interrupções temporárias de energia cada vez mais constantes, conhecidas popularmente por “apagões” e “apaguinhos. E “batemos na trave” nos dois últimos anos, com a possibilidade concreta de novos desabastecimentos/racionamentos de energia elétrica.

 

Em Pernambuco, a situação com relação à distribuição de energia não é diferente do que acontece em outros estados. Com a agravante falta de compromisso, de transparência e o total desrespeito com a população por parte da Companhia Energética de Pernambuco, a Celpe.

 

Não podemos nos esquecer que as justificativas e promessas realizadas para a venda da companhia, feitas pelos gestores do estado na época, eram de que as tarifas diminuiriam e que os serviços oferecidos à população iriam melhorar através da gestão privada.

 

Ao completar 13 anos da privatização da empresa, mais uma vez as promessas dos políticos que se revezam no comando do estado (ora oposição, ora situação) não foram cumpridas. E a população enganada sofre as consequências de pagar uma das tarifas mais caras do Brasil e ter um serviço de péssima qualidade.

 

O episódio mais recente, e que muito repercutiu na mídia, aconteceu na madrugada do dia 18 de fevereiro último. O centro do Recife, e alguns bairros, como Santo Amaro, Encruzilhada, Parnamirim, Casa Amarela e Casa Forte, foram atingidos pela queda de energia. Moradores e comerciantes da área apontam para mais de 7 horas de interrupção. E pelas redes sociais, internautas de diversos bairros do Recife denunciaram que a falta de energia elétrica se estendeu a outros bairros, como Torreão, Madalena, Ilha do Leite, Boa Viagem e até no Janga, em Paulista. Neste dia, a Câmara Municipal do Recife, por falta de energia, cancelou a sessão. Haveria a instalação da Comissão de Direitos Humanos.

 

No dia 4 de março novamente faltou energia em vários bairros do Grande Recife, por volta das 3h da madrugada, atingindo principalmente a zona norte, como Graças, Casa Forte, Ilha do Leite, Boa Vista, Beberibe, Encruzilhada, Santo Amaro e Casa Amarela. Mas houve registros também na zona sul, como em Imbiribeira e Boa Viagem, e na zona oeste, como no Jiquiá e em Jardim São Paulo.

 

No dia 19, um importante corredor viário do Recife, a avenida Norte, teve queda de energia em mais da metade de sua iluminação pública e casas circunvizinhas foram atingidas. No dia 21, a imprensa anunciou que moradores desta região se manifestaram contra as frequentes e duradouras interrupções de energia, bloqueando o trânsito com queima de pneus.

 

No interior a situação não é muito diferente. Somente neste mês de março as reclamações se avolumam muito. No dia 4, quedas de energia ocorreram na região do sertão do Pajeú, nos municípios de São José do Egito, Itapetim, Tabira, Brejinho e Santa Terezinha. No dia 5, em várias cidades do Agreste, Zona da Mata e até na região metropolitana, ocorreram interrupções no fornecimento de energia. Depois do Pajeú, no dia 11/3, foi a vez do município de Floresta sofrer uma interrupção de aproximadamente duas horas.

 

Estes episódios de interrupção de energia têm se tornado recorrentes não somente no Recife, mas em todo o estado.

 

Quando há algum tipo de explicação, a Celpe se resume a afirmar, em nota oficial, que “são descargas atmosféricas, queda de arvores etc. etc. que causam as interrupções”.

 

Com certeza não é por falta de caixa, de recursos financeiros, que os serviços de modernização e manutenção não estão sendo realizados. Basta ver os extraordinários lucros desta empresa nos últimos anos, através dos balancetes contábeis. O que se verifica é que as tarifas foram reajustadas exorbitantemente, ao longo dos anos, e mesmo assim os serviços pioraram.

 

Segundo a Aneel, as tarifas devem garantir o fornecimento de energia com qualidade e assegurar aos prestadores receitas suficientes para cobrir custos operacionais eficientes e remunerar investimentos necessários para expandir a capacidade e garantir o atendimento. O que não tem ocorrido

 

E lamentavelmente, apesar das denúncias, reclamações, manifestações constantes, NADA tem sido feito, nem mesmo para garantir o que está nos contratos de prestação de serviços. Há uma evidente quebra de contrato da empresa com o consumidor e com o Estado. O poder público age como avestruz, se eximindo de uma responsabilidade que é sua.

 

Neste descaso todo, não devemos esquecer a lei de Murphy que diz: “nada está tão ruim que não possa piorar”.

 

 

Leia também:

“Apagão” elétrico: a população merece respeito

O modo socialista de governar: caso de Pernambuco (1)

O modo socialista de governar: caso de Pernambuco (2)

Heitor Scalambrini Costa é professor da Universidade Federal de Pernambuco.

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates