topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Estudo desnuda a exploração ocultada dos trabalhadores do petróleo em alto-mar Imprimir E-mail
Escrito por Oswaldo Sevá Filho   
Qui, 31 de Janeiro de 2013
Recomendar

 

Os homens levantam muito cedo, em cidades tão distantes quanto Londrina (PR), Salvador (BA), Lajes (SC), Juiz de Fora e Uberlândia (MG), Campinas e Sorocaba (SP), e várias outras nos estados do Rio de Janeiro, da Bahia, do Espírito Santo. Vão quase todos para a cidade do Rio de Janeiro, alguns por via aérea, muitos em ônibus de linha. Têm que passar pela rodoviária Novo Rio, onde fazem a baldeação para o norte fluminense; ainda viajam mais três horas e tanto pela BR 101, num dos trechos mais mortíferos do país, após o término da pista dupla em Rio Bonito.

 

Na estação rodoviária de destino, Macaé ou Campos, pegam mais ônibus e vans até os heliportos mais movimentados do país, no litoral de Macaé e de Atafona – de onde vão finalmente “subir”. Ou seja: embarcar em helicópteros e voar ainda por meia hora, uma hora ou mais, até pousar em cada uma das dezenas de plataformas petrolíferas cravadas ou ancoradas no meio do alto-mar, de oitenta a quase duzentos quilômetros da costa. O quase desconhecido, e muito propagandeado, mundo do “off-shore”.

 

Ali passam duas ou três semanas embarcados. Cada vez mais os estrangeiros também embarcam nas plataformas e tripulam os navios de apoio, lançadores de tubos, de mergulho, rebocadores. São brigadas de noruegueses, alemães, italianos e outros europeus, de norte-americanos, árabes, orientais, que ficam no mar por mais tempo que os nacionais.

 

O tipo da alternância embarque/desembarque depende de quem os contratou, e do quanto topam ganhar em troca do trabalho e dessa aventura. Os regimes são de 14 dias no mar por 21 em terra para a maioria do pessoal mais estável, da própria Petrobrás. Para os outros, 14 por 14 dias; também depende de como fazem com o direito às férias, se “vendem” ou não. Os tempos de percurso de casa até o alto-mar e de volta pra casa, de muitas horas, dias, são descontados, naturalmente, do período “em terra”. No mar, trabalham todos feito doidos em grandes e apertadas fábricas químicas flutuantes; quando não fazem plantão, nos turnos de revezamento, ficam de vigília, em “stand by”, de sobreaviso a qualquer hora do seu sono ou do seu banho.

 

Sono? Dormem dentro das fábricas e navios, nas cabines, celas melhoradas; se forem subcontratados, das “empreiteiras”, pode ser que durmam em containeres no convés, celas pioradas. O dormir e o estar desperto são para eles noções totalmente distintas do que são para muitos de nós; viram noites seguidas, conforme as escalas de turnos, e às vezes emendam as noites com os dias, as tais “dobras” de turno, porque faltou gente ou sobrou muito serviço. Repouso verdadeiro, algo raríssimo.

 

As refeições são fartas e variadas, mas uma boa sesta é quase sempre um sonho distante. Tudo, inclusive o lazer, é feito ali dentro mesmo: caminhadas por entre tanques e guindastes, algum esporte de salão numa quadra fechada, que pode estar balançando ao sabor das ondas e ventos, salas de vídeos onde projetam “blockbusters” e pornôs. Todos pensando na vida lá fora, em terra, os telefonemas repetidos e ansiosos, muitos, para os familiares e amigos que ficaram em terra, naquelas cidades distantes.

 

Suas companhias no mar, com certeza, além da maresia e do balanço, são a pressão das chefias e das metas e os vários medos: o de errar, de provocar prejuízo, de ser punido; o medo de machucar a si próprio ou aos outros, sem ter ao menos garantido o registro formal do acidente ou da doença. O medo de não poder mais trabalhar e o de morrer queimado, esmagado, afogado.

 

O perigo começa na estrada, as longas idas e voltas, aumenta no vôo de helicóptero, tantos já caíram. Está em todo canto, nas passarelas e escadas oleosas e apertadas, nos corredores quentes e barulhentos, nos movimentos dos guindastes e gruas, nas vibrações e faíscas dos grandes motores elétricos e das turbinas, nas onipresentes emanações de hidrocarbonetos, de gases às vezes letais como o sulfídrico. Mais o risco de incêndio e de explosão, os “kicks” e “blow-outs”, trancos ou verdadeiros coices que a tubulação e a plataforma levam quando bolhas de gás pressurizado sobem das profundezas das rochas sendo perfuradas ou já produzindo.

 

Mesmo que consigam enganar a estatística, convivem com a memória dos acidentes já ocorridos, a correria, as perdas. Daí vem a probabilidade da descompensação, da “piração” das drogas – ou sem elas – e se soma à angústia de não estar “em casa”, ou pior, ao estranho sentimento de não ter de fato uma casa como a maioria tem. Depois, no final do seu tempo de embarque, “descem”.

 

Na volta, o mesmo itinerário da vinda, que pode durar um, dois dias ou mais para chegar lá onde moram seus familiares. Sua “casa” – para eles um conceito totalmente distinto do que é para cada um de nós, trabalhadores, digamos, normais. E lá ficam, se readaptando a cada vez, durante duas ou três semanas. Ou mais, dependendo de quem os contratou, de como sejam contabilizadas as férias e os demais “bônus”.

 

Esses são os extraordinários sujeitos da minuciosa pesquisa feita durante quinze anos por Marcelo Figueiredo, que conhecemos como “Parada”, engenheiro civil, doutor em Engenharia de Produção e professor de Engenharia de Produção na Universidade Federal Fluminense.

 

Talvez a mais memorável e rigorosa pesquisa já feita no país sobre aqueles que tocam o dia-a-dia da importantíssima indústria petrolífera, de onde ela tira seus lucros fabulosos. Pode ser considerado um esforço épico sobre a tecnologia e as relações de trabalho, como foi o livro dos professores britânicos Charles Woolfson, John Foster e Mathias Beck, um estudo monumental sobre a grande tragédia – anunciada e que podia ser evitada, mas não foi – do incêndio e destruição da plataforma Piper Alpha no Mar do Norte, em 1988, que resultou em 167 mortes (ver na bibliografia indicada).

 

O amigo “Parada” não escolheu seus assuntos por mero diletantismo – como tantos outros que abordam as maravilhas tecnológicas da empresa X ou Y, as promessas do “off-shore” e do “pré-sal” etc. Nem foi por conveniência acadêmica ou do inefável apoio empresarial, pelo contrário, seus temas não estão nas chamadas áreas prioritárias daqueles editais novidadeiros e doutrinários feitos pelas agências oficiais de fomento à pesquisa e pelas próprias empresas. Estas, aliás, não gostam nada de ver “gente de fora” enquadrando e esmiuçando os seus problemas graves, menos ainda se estiverem ligados aos trabalhadores e aos seus sindicatos. Temas relevantes e oportunos que o público pode agora ler, reler, estudar e recomendar, graças à persistência do autor e de seus colaboradores, e graças à ousadia da Editora daquela universidade pública.

“A face oculta do ouro negro” é um título curioso e chamativo, que me incentiva a fazer alguns comentários, uma desconstrução e uma releitura. O ouro é um metal praticamente indestrutível e, uma vez retirado da terra por mãos pobres, vai passando para mãos cada vez mais ricas. Mesmo quando enterrado ou perdido num naufrágio, não desaparece.

 

O petróleo é um chorume, similar àquele caldo escuro que brota em todos os lixões e aterros sanitários, com alta carga orgânica e contaminante. Um chorume das eras geológicas passadas, quatrilhões de toneladas de biomassa – algas, plânctons, crustáceos, peixes, plantas – sepultados sob as rochas sedimentares. Mesmo asfixiada e em meio à água salobra, a maçaroca morta vai lentamente fermentando, formando um coquetel oleoso, pegajoso, produzindo gases (metano, hidrogênio e alguns outros), acumulando traços ou proporções importantes de enxofre, de nitrogênio e seus compostos, de metais pesados.

 

Um chorume venenoso e valioso, que se tornou essencial, por causa dos seus “derivados” (dos mais viscosos, asfalto, piche, óleo combustível, óleo diesel, aos mais ralos e voláteis, gasolina, querosene, gás liquefeito). Essencial para o sistema capitalista, que fez crescer incrivelmente as demandas de combustíveis para transportes, para geração de eletricidade, para fabricar metais, cimento, vidro, compostos químicos, para a vida doméstica e a indústria da guerra.

 

No mesmo início do século XX, quando o patriarca dos magnatas Rockefeller disse que o petróleo era o melhor negócio do mundo, o político inglês Churchill, comandando a Marinha britânica, decidiu que os seus navios deveriam ser equipados com caldeiras queimando óleo de petróleo – ao invés do incômodo e ineficiente carvão mineral. Assim, ficariam mais rápidos, poderiam carregar canhões mais mortíferos e serem mais facilmente abastecidos nos sete mares.

 

Desde então, as guerras em sua maioria foram por causa da posse das reservas e do controle das rotas do petróleo; mesmo quando não tiveram essa motivação, todos os lados combatendo precisaram gastar muito petróleo, para ganhar ou para perder.

 

É assim: o ouro negro é o mais valioso dos chorumes, mas só vale quando é coletado, vendido, processado, amplamente distribuído e novamente vendido para ser enfim queimado.

 

O chorume essencial do capitalismo alimenta então um lucro fabuloso e garantido por muitos anos aos seus conquistadores – nem sempre seus donos legítimos, quase sempre tentando escapar do Estado onde fica o subsolo rico, ou subjugá-lo.

 

O alto lucro e a vitória na guerra econômica e territorial têm dois sinônimos obrigatórios, em todo o mundo: poder e impunidade. Que se manifestam em cada pormenor cotidiano nas maiores empresas dessa indústria, e em todas as suas relações com o restante da sociedade: com os seus próprios trabalhadores, com as numerosas empresas contratadas e subcontratadas, com seus vizinhos, quase sempre incomodados, enganados, prejudicados, ameaçados, atingidos.

 

Aproveito para registrar que, nas regiões petrolíferas sul-americanas, a ação das poderosas e impunes “petroleiras” está muito bem registrada nos informes da agência argentina “Observatório Petrolero Sur”, no livro de Suzana Sawyer sobre as corporações norte-americanas Arco e a italiana Agip, tecendo a sua “anti-política” na Amazônia equatoriana, e nos informes compilados por Jean-Pierre Leroy e Julianna Malerba sobre a atuação da Petrobrás nos países vizinhos (ver bibliografia).

 

Os aspectos mais negativos do poder, sua arrogância, seu maniqueísmo primário, sua crueldade e as sequelas mais absurdas e injustas da impunidade eclodem e ficam visíveis nas ocasiões dos acidentes – que não são fatalidades e que sempre poderiam ser evitados ou minimizados. Que sempre deveriam ser apurados e responsabilizados.

 

É o que se pode deduzir, sem errar, da investigação pormenorizada que o professor Figueiredo fez dos maiores acidentes no “off-shore” do litoral norte fluminense, todos com vítimas fatais, ocorridos nas plataformas de Enchova e de Namorado-1, na P-07, na P-34 e especialmente, a explosão, adernamento e naufrágio da P-36 no início de 2001.

 

O seu trabalho de reconstituição, utilizando-se de documentos empresariais e de governo, de depoimentos de sobreviventes, de plantas e desenhos técnicos, apoiados em importantes autores da Engenharia, da Ergonomia, da Psicologia, é comparável à investigação jornalística feita por Greg Palast sobre os grandes acidentes na indústria petrolífera norte-americana: a colisão do super-navio tanque Exxon Valdez com um recife e o vazamento de metade de sua carga no litoral do Alaska e a explosão e incêndio da Deepwater Horizon, da empresa suíça Transocean a serviço da British Petroleum, com vazamento durante muitas semanas atingindo o litoral do Golfo do México. Não é sem motivos que Palast descreve esses e alguns outros dramas como resultantes do “piquenique dos abutres” (ver na bibliografia).

 

Enfim, a única “face oculta” que existe mesmo nesse mundo é a da Lua, como resultado de uma particularidade geométrica e dinâmica do Sistema Solar. Ninguém decidiu ocultá-la. Mesmo assim, para se conseguir ver essa face oculta, teve que se aguardar os satélites artificiais e as viagens espaciais, e ainda há quem duvide...

 

Na indústria petrolífera e em especial no “off-shore” do norte fluminense, há muita coisa deliberadamente elidida, escondida, dissimulada, como se fosse possível apagar da história humana o trabalhador como sujeito, como portador e agente de direitos políticos e humanos.

 

Sim, o trabalhador como detentor de conhecimento objetivo, sensível e acumulado sobre a produção, como personagem central da produção e como vítima principal dos riscos inerentes, que estatisticamente levam à doença, à mutilação, à loucura, à morte.

 

Como se fosse possível apagar os rastros da coerção, do assédio e do arbítrio que caracterizam a extração de mais valor, a superexploração do trabalho pelo capital.

 

Não duvide: essa é a face ocultada do chorume essencial do capitalismo. Os livros aqui indicados prestam o enorme serviço de ajudar a desocultar.

 

Referências bibliográficas mencionadas:

 

 

LEROY, Jean-Pierre e MALERBA, Julianna (eds). “Petrobrás: integración o explotación?” Rio de Janeiro: FASE- Projeto Brasil Sustentável e Democrático, 2005.

 

Observatorio Petrolero Sur: http://www.opsur.org.ar/blog

 

PALAST, Greg “Vultures’ picnic : in pursuit of petroleum pigs, power pirates and high-finance carnivores” New York: Dutton, 2011

 

SAWYER, Suzana  “Crude Chronicles. Indigenous politics, Multinational Oil and Neoliberalism in Ecuador” Duke University Press , Durham &London, 2004

 

WOOLFSON, Charles., FOSTER, John., BECK, Mathias “Paying for the Piper . Capital and Labour in Britain’s Offshore Oil Industry”, Mansell Publishing Ltd. London, 1997.

 

Nota:

 

1. SEVÁ Fo. A.O. “A face ocultada e o chorume essencial” Prefácio, pp.13 - 17 de FIGUEIREDO, M. G. "A face oculta do ouro negro: trabalho, saúde e segurança na indústria petrolífera offshore da Bacia de Campos", Editora da UFF, Niterói: 2012, ISBN 978-85-228-0777-2.

 

Oswaldo Sevá Filho é professor aposentado da Unicamp, onde trabalhou por 20 anos na área de Energia e atualmente colabora no Doutorado em Ciências Sociais; entre 1992 e 2001 atuou como assessor de sindicatos de petroleiros em SP e no RJ, nas questões de segurança do trabalho e meio ambiente.

Recomendar
Última atualização em Sábado, 02 de Fevereiro de 2013
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates