topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Direita norte-americana Imprimir E-mail
Escrito por Gilvan Rocha   
Terça, 29 de Janeiro de 2013
Recomendar

É muito triste constatar que as massas trabalhadoras dos EUA estão presas à hegemonia única e exclusiva da direita estadunidense. Por culpa da Terceira Internacional Comunista, chefiada pelos burocratas de Moscou e por culpa também dos seus posteriores seguidores, as massas trabalhadoras norte-americanas foram relegadas ao abandono, ficando à mercê da burguesia imperialista.

 

A população daquele país, hoje, está dividida, quase meio a meio, entre duas correntes de direita. De um lado a direita moderada do Partido Democrata, hoje liderado pela figura do presidente eleito Barack Obama e, por outro lado pela extrema-direita, dotada de extremos traços nazi-fascistas, representada pelo Partido Republicano, em cujo seio trafega impunemente o Partido do Chá, facção partidária do mais extremado direitismo raivoso.

 

Esse quadro desolador tem, como já fizemos alusão, como maior responsável a esquerda de matriz stalinista. Vemos, como exemplo, a Revolução Cubana, levada a cabo pelo movimento 26 de julho, formado essencialmente por membros da pequena burguesia politizada que se opunha à ditadura sanguinária de Fulgêncio Baptista e que se opunha também à presença tão direta dos norte-americanos na vida política e social de Cuba.

 

Sob o lema, nada socialista, de “Pátria ou morte, venceremos!” os militantes do 26 de julho se insurgiram em armas, com o propósito de instalar o famoso Estado Democrático de Direito e tomar algumas medidas de caráter nacionalista. Apesar dos limites dos seus propósitos ao âmbito do capitalismo, a intervenção das massas populares levou a que o processo revolucionário cubano ultrapassasse os seus limites e desembocasse na expropriação generalizada da propriedade burguesa. À revelia da direção insurrecional, as massas, empiricamente, promoveram uma radical transformação do quadro político e social daquela ilha.

 

O senhor Fidel nunca ultrapassou os limites do antiamericanismo. Sequer ele entendeu a real natureza do imperialismo. Nunca atentou para o fato de que o imperialismo é um produto natural do desenvolvimento do capitalismo e tem os seus interesses encampados pelos EUA, como policiais desse sistema, cabendo ressaltar, entretanto, que também a Alemanha, a França, a Inglaterra, o Canadá, a Itália, são expressões desse mesmo imperialismo.

 

Não há uma só palavra do senhor Fidel Castro dirigida às massas trabalhadoras dos EUA. Por sua vez, dele não parte nenhuma ofensa ou acusação ao imperialismo na sua forma alemã, inglesa, francesa ou japonesa. Isso apenas expressa o grau de atraso e de indigência política do chamado, indevidamente, marxismo-leninismo ou mesmo marxismo-leninismo-trotskismo.

 

Gilvan Rocha é militante socialista e membro do Centro de Atividades e Estudos Políticos. Blog: www.gilvanrocha.blogspot.com

 

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates