topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
A soberba elétrica Imprimir E-mail
Escrito por Heitor Scalambrini Costa   
Sábado, 19 de Janeiro de 2013
Recomendar

 

Já é de conhecimento notório a relação (in)existente entre os gestores públicos do setor elétrico e a patuléia (como diria o respeitado jornalista Elio Gaspari quando se refere ao povo). A arrogância, a prepotência, a falta de ética destes servidores públicos são evidentes quando têm de dar explicações sobre os erros na condução deste setor, de vital importância para os destinos do país, e principalmente de sua população.

 

A perda de reputação e de credibilidade só aumenta quando lemos, escutamos e vemos estes senhores(as) tentarem explicar o inexplicável. Que mais uma vez, depois de 12 anos do inesquecível desabastecimento ocorrido em 2001/2002, os mesmos erros se repetiram e a luz amarela acendeu. Estamos novamente discutindo se haverá ou não falta de energia. Se será para “amanhã” ou em 2014/2015.

 

A semelhança da situação que chegamos em 2013 com relação a 2001 é que em ambos os casos houve falta de planejamento e gerenciamento, falta de investimentos no setor e período de estiagem prolongada, comprometendo assim os níveis dos reservatórios de água. Vale aqui o ditado popular, memória de maus dias, “tudo como dantes no quartel de abrantes”, no que se refere a negação, por parte das autoridades, da existência de risco de ocorrer o desabastecimento de energia elétrica. Parece validar o ditado siciliano de que “o pior nunca tem fim”.

 

Há também diferenças que permitem afirmar que a falta de energia não é para agora, mas que existe risco a partir dos próximos anos, caso não haja uma mudança radical no que concerne à diversificação da matriz elétrica, incorporando substancialmente as novas fontes renováveis, geração solar (o uso em larga escala do aquecimento solar e a microgeração fotovoltaica) e eólica. Chega de retórica. A contribuição destas fontes tem que ser rapidamente elevada para níveis de 15% a 20% da capacidade total instalada. Além de tudo ser levado mais a sério, ou seja, priorizando investimentos no uso eficiente de energia. Evitando assim desperdícios em processos industriais obsoletos; sistemas de refrigeração, aquecimento e iluminação inadequados; utilizando sistemas de automação, por exemplo, que permitem o desligamento automático quando não há pessoas presentes no local.

 

Mas voltando à soberba dos dirigentes do setor elétrico, duas entrevistas recentes corroboram esta afirmativa. A primeira (6/1) foi com o diretor de engenharia da Companhia Hidroelétrica do Rio São Francisco, que em um programa nacional de grande audiência declarou, diante da pergunta da repórter, em tom de deboche, que era correta a estratégia da empresa em participar de vários leilões para a construção de linhas de transmissão, e depois não poder atender os prazos de construção (desculpando com a demora em obter licenças ambientais etc. etc.). Sistemas de geração eólica (mais de 600 MW) estão prontos para funcionar no Nordeste, há mais de seis meses, mesmo antes das linhas de transmissão. Portanto, não podem ser interligados ao sistema nacional. O que acarreta prejuízos ao consumidor que tem de pagar a conta. Além de outras respostas que só assistindo a entrevista para se ter uma idéia do desprezo com a rafaméia.

 

Outra “pérola” que merece destaque foi a entrevista coletiva (9/1), após reunião do Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE) em Brasília, com o ministro de Minas e Energia, e principais dirigentes do setor. Estas autoridades, com ênfase o ministro de Estado, responderam o que quiseram. Muitas vezes desdenhando as perguntas dos jornalistas presentes. Afirmativas vazias sem comprovação técnica foram comuns nos pouco mais de 40 minutos de entrevista. Sem que em nenhum momento admitissem que muita coisa poderia ter sido feita entre 2001 e 2012, e que a situação atual é de risco. Só vendo e ouvindo para crer.

 

Bem, enquanto isto, para a população que infelizmente ainda é mera espectadora, resta rezar aos deuses e, se possível, praticar a dança da chuva. O carnaval esta aí.

Leia também:

Risco de um novo racionamento de energia elétrica?

 

Heitor Scalambrini Costa é professor da Universidade Federal de Pernambuco.

Recomendar
Última atualização em Quarta, 23 de Janeiro de 2013
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates