topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Risco de um novo racionamento de energia elétrica? Imprimir E-mail
Escrito por Heitor Scalambrini Costa   
Qui, 17 de Janeiro de 2013
Recomendar

 

2001/2002 ficará marcado como o período em que o Brasil mergulhou no racionamento de energia devido ao desabastecimento. Regiões do país não puderam ser atendidas nas suas necessidades de energia elétrica pela “barbeiragem” do governo federal da época, que não planejou bem, não fez os investimentos necessários, além de implantar um modelo mercantil no setor elétrico, que contribuiu de maneira decisiva ao colapso energético. Quem, afinal, “pagou o pato”, digo a conta de energia mais cara, foi o consumidor final.

 

2011/2012 ficará marcado com os anos das tarifas astronômicas (mesmo a geração sendo mais de 70% de hidrelétricas), e dos “apagões”, denominação das interrupções temporárias no fornecimento de energia elétrica, resultando na baixa qualidade do serviço oferecido. Responsabilidade do governo federal, cujos gestores do setor elétrico aprofundaram o modelo mercantil e cometeram erros crassos na política energética, optando por ofertar energia com a construção de usinas termelétricas a combustíveis fósseis, usinas nucleares e mega-hidrelétricas na região amazônica. E não priorizaram a diversificação da matriz energética com as novas fontes renováveis, tampouco a eficientização no uso da energia.

 

2013 inicia-se diante de declarações e ameaças sobre a possibilidade de um risco iminente de um novo desabastecimento de energia elétrica, principalmente pela situação de estiagem prolongada, resultando no baixo nível dos reservatórios e com chuvas previstas insuficientes para recompor os estoques.

 

É necessário que se diga, em alto e bom som, que a curto prazo não existe possibilidade de risco de faltar energia para atender a demanda atual. O pífio desempenho da economia nacional, medido pelo Produto Interno Bruto (PIB), favoreceu a que o país não sofresse uma nova crise energética nos moldes da ocorrida em 2001/2002. Se o PIB tivesse sido de 4,5%, como previsto inicialmente para o ano de 2012, o consumo da indústria estaria bem maior, e aí sim haveria risco iminente de faltar energia. Em 2013, as previsões do crescimento econômico já estão abaixo das previsões sempre otimistas e superdimensionadas do governo federal. E são nestas previsões governamentais que se baseia o planejamento energético na oferta de energia.

 

O que ocorrerá, sem dúvida, será um aumento nas tarifas devido ao repasse dos custos da energia elétrica, bem mais cara, das usinas termelétricas, que estão funcionando desde o final do ano passado a todo vapor (literalmente). Logo, os aumentos que ocorrerão nos próximos anos vão absorver toda a redução da tarifa obtida com a Medida Provisória (MP) 579. Dá-se ao consumidor com uma mão, retira-se com a outra.

 

Já a médio prazo, a situação não é tranquila para o setor elétrico, desde que continuem os erros sendo cometidos. E a situação somente mudará se houver uma guinada de 180º na política energética em nosso país.

 

O que se pode extrair da conjuntura atual, com declarações e ameaças de um novo racionamento de energia, é que a sucessão presidencial começou. Não se deve politizar uma coisa tão séria para o país, como a questão da energia. Com risco de criar o descrédito da população em um setor estratégico, que vai além dos governos de plantão, e mesmo levar o pânico com a possibilidade de faltar energia.

 

A irresponsabilidade é tanta que pouco importa o país. O principal é a desconstrução de quem está no poder. Vale tudo. Já vimos esta estória em anos recentes.

 

Por sua vez, o “deus mercado” começa a responder ao jogo político. As bolsas de valores começam a impor o sobe e desce dos papeis das companhias elétricas. Onde vai parar esta histeria provocada?

 

É hora de a sociedade civil se apropriar deste setor até então “monocraticamente” dominado por alguns “especialistas” iluminados e apadrinhados políticos ungidos a cargos decisórios, e fazer valer sua força quando organizada. Já que tanto o governo como setores da oposição não têm mais credibilidade junto à sociedade, vale o que disse o poeta “Quem sabe faz a hora. Não espera acontecer”.

 

Heitor Scalambrini Costa é professor da Universidade Federal de Pernambuco.

Recomendar
Última atualização em Sábado, 19 de Janeiro de 2013
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates