topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
A conta da água Imprimir E-mail
Escrito por Danilo Pretti Di Giorgi   
Sexta, 31 de Agosto de 2007
Recomendar

 

 

Se você digitar "economizar água" no Google, vai encontrar muitas dicas do tipo lavar o carro com um balde ao invés da mangueira, fechar a torneira enquanto escova os dentes ou usar a água da máquina de lavar roupas para lavar o quintal. A conta do problema de água que o mundo já enfrenta e certamente irá enfrentar cada vez mais parece recair exclusivamente sobre os consumidores residenciais. Mas o que as pessoas parecem não se dar conta é que o uso doméstico representa apenas 18% do consumo de água no Brasil, segundo dados da ONU. É claro que há desperdícios a serem corrigidos, mas as pessoas não questionam e nem discutem o uso dos 82% restantes, que são empregados na agricultura, na pecuária e na indústria. A maior parte (63% do total) vai para a irrigação – quase sempre subsidiada pelo governo -, mas é curioso observar que menos de 5% da área plantada no país é irrigada.

 

Dia desses, vi na TV um programa que mostrava uma sertaneja sem acesso a água encanada. Os dados apresentados mostravam que toda a sua família consumia, em nove dias, 500 litros do precioso líquido, a mesma quantidade que algumas pessoas mais esbanjadoras nos centros urbanos usam em apenas um dia. Assim, aquela senhora era descrita na reportagem como uma vanguardista, um exemplo para o futuro do mundo, por saber como sobreviver com tão pouca água. O repórter dizia que devíamos aprender com ela. Isso me pareceu uma perigosa distorção.

 

A questão que se coloca é: será que a saída é trabalhar para que as famílias aprendam a viver com 50 litros de água por dia? Ou devemos racionalizar e cobrar por seu uso nas atividades comerciais que trazem pouco retorno social, como o plantio de soja e produção de alumínio, exemplo?

 

Entendo que a solução para o problema da escassez de água deve passar necessariamente pela taxação diferencial da água usada para atividades que não se revertem em benefícios à sociedade como um todo. Imagino, por exemplo, a cobrança de atividades produtivas, aí incluído o uso da água, que levasse em conta aspectos como geração de empregos e de renda (para os funcionários e para a cadeia produtiva daquela atividade) por real de faturamento; impacto ecológico por real de faturamento etc. Impostos deveriam pesar o custo social e ambiental das atividades. Assim, aquelas pouco poluidoras e com grande retorno social seriam menos taxadas que as suas contrapartes.

 

Se permitirmos que o aumento no preço da conta de água, devido à escassez e ao encarecimento dos processos de purificação, seja ditado por leis de mercado, a conta vai recair com mais força sobre os pobres, exatamente quem menos consome individualmente os recursos naturais em termos relativos e as maiores vítimas da nossa sociedade desigual.

 

Danilo Pretti Di Giorgi é jornalista. - Email: digiorgi(0)gmail.com

 

Para comentar este artigo, clique aqui.

Recomendar
Última atualização em Segunda, 03 de Setembro de 2007
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates