Fé cristã e cultura ocidental

0
0
0
s2sdefault

 

Estamos chegando ao Natal deste ano de 2012. Foi um ano que nos apontou com insistência o Concílio Vaticano II.

 

A lembrança deste Concílio trouxe para a ordem do dia a história dos outros concílios já realizados pela Igreja. Sobretudo os primeiros quatro, de Nicéia, de Constantinopla, de Éfeso e de Calcedônia.

 

Não é o caso aqui de tecer considerações sobre o conteúdo destes quatro primeiros concílios, que definiram o credo cristão e formataram a configuração histórica da Igreja.

 

O que mais desperta a atenção é a brusca mudança de atitude do Império Romano diante da nova religião, que estava surgindo sem quase nenhuma estrutura social de apoio.

 

Até o ano de 313, quando foi publicado o “Edito de Milão” , garantindo liberdade de culto para todas as religiões, a religião cristã era considerada como uma seita, e como tal, ilegal, coibida e perseguida pelo poder público.

 

Poucos anos depois, em 325, a fé cristã já não era mais perseguida. Ao contrário, tinha caído na benevolência do Imperador Constantino, que por conta própria teve a iniciativa de convocar o Concílio de Nicéia, e de presidi-lo na frente de todos os bispos.

 

Olhada sob o ângulo político, a repentina mudança de postura diante da nova religião configurava uma estratégia por parte do Império. A nova religião já não era vista como inimiga da ordem imperial, mas como aliada. Melhor ainda, serviria de instrumento para a unificação do Império Romano, que já começava a mostrar suas primeiras fraturas, sobretudo em sua parte ocidental, longe da nova capital, Constantinopla.

 

A partir daí verificou-se um fenômeno surpreendente. Em poucos séculos, a frágil “seita” cristã tinha se tornado a religião assumida na prática pelos habitantes do antigo Império Romano. Isto permitiu que ela fosse se estruturando, com seu aparato oficial de Igreja, ocupando o espaço que o poder civil lhe assegurava, e inclusive lhe confiava.

 

Este fato, amplo e complexo em suas circunstâncias históricas, permite, em todo o caso, entender um longo trajeto da história do Ocidente, onde a religião cristã passou a ser a única existente.

 

Este período histórico já se esgotou. A cultura ocidental já há muito tempo vem reivindicando sua plena autonomia diante da religião, em especial a cristã.

 

Neste contexto se entendem algumas reações extremadas, que demonstram insegurança diante de um fenômeno que ainda não esgotou seu dinamismo.

 

As circunstâncias histórias proporcionaram para a fé cristã tempos de perseguição e tempos de bonança. Podem mudar as circunstâncias. Mas a vitalidade cristã é endógena, não depende de circunstâncias externas. Com ventos favoráveis ou contrários, a fé cristã é portadora de uma mensagem eficaz, que não se impõe pela força externa, mas por sua própria consistência interna.

 

Se a cultura predominante quiser, por exemplo, esvaziar o Natal do seu significado religioso, e reduzi-lo à mera festividade civil, a fé cristã continuará seu dinamismo.

 

Mesmo que o homem de hoje queira rejeitar a religião, ele não se exclui dos destinatários da mensagem cristã, que propõe amar toda pessoa humana, independente do seu posicionamento religioso.

 

Esta a originalidade de Jesus de Nazaré, nascido em Belém, em pleno Império Romano, conforme relatam os Evangelhos.

 

D. Demetrio Valentini é bispo da diocese de Jales-SP.

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados