topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

200 mil cisternas Imprimir E-mail
Escrito por Roberto Malvezzi   
Qui, 30 de Agosto de 2007
Recomendar

 

 

Nosso programa “Um Milhão de Cisternas” atingiu a cifra de 206.182 cisternas, segundo o comunicado dos companheiros da ASA. Os beneficiados totalizam 979.600 pessoas.

Quando atingimos a marca de cem mil, sempre há uma alegria extra. Afinal, só nós que estamos envolvidos com esses projetos do semi-árido desde sua raiz sabemos das dificuldades e das alegrias que eles proporcionam.

Estamos longe da nossa meta simbólica de um milhão de cisternas. Mesmo assim, já damos os primeiros passos concretos para implantar o projeto “Uma Terra e Duas Águas”, que implica no acesso à terra e a uma segunda tecnologia de captação de água de chuva para produção. Sonhamos, é verdade, mas com os pés no chão.

Sempre soubemos que os governos torceriam o nariz para nossos projetos de convivência com o semi-árido. Eles preferem grandes obras, de empoderamento do capital, nunca o empoderamento popular. Por isso o trabalho é lento. Embora apoiados economicamente pelo governo federal, o avanço seria outro se esse mesmo governo mostrasse o mesmo empenho pelas tecnologias sociais e a reforma agrária que mostra pela transposição do São Francisco.

 

Aqui está a grande contradição entre nossa proposta e a do governo: nossa opção é pela infra-estrutura descentralizada, na linha de Amartya Sem, com mais retorno social. A opção do governo é na linha do regime militar, de Dilma e Delfim, das grandes obras que empoderam o capital, não o povo. Então, o governo joga sua força e grandes volumes de recursos nesses projetos do PAC, mas investe pouco em infra-estrutura descentralizada. Essa opção política do governo é fatal para a lentidão do processo.

Quando somos criticados pela morosidade do projeto, sempre respondemos que não queremos apenas fazer cisternas, mas mudar o modo de se viver nessa região brasileira. Além do mais, não temos a infra-estrutura, os recursos e nem o pessoal que o Estado tem para levar à frente um projeto dessa magnitude. Se houvesse interesse do Estado em todos seus níveis – federal, estadual e municipal -, avançaríamos com muito mais velocidade. Só agora os governos da Bahia e Ceará sinalizam na direção de assumir esse tipo de política hídrica.

Ultimamente, quando se fala em seca no sertão, já não se fala mais numa tragédia como era apenas alguns anos atrás. Essa infra-estrutura básica vai realmente mudando o poder de conviver com o clima. Seria fácil para o governo – os governos - levar à frente os nossos projetos da ASA e a proposta do Atlas do Nordeste para o meio urbano, elaborado pela Agência Nacional de Águas. Realmente prepararíamos essa região para as mudanças climáticas drásticas que virão, venceríamos a dívida histórica dos governos para com a população nordestina que não tem acesso à água de cada dia e mudaríamos a correlação de forças entre o povo daqui e as elites que o oprimem. Por hora, permanecemos no sonho.

Fala-se muito na CPI das ONGs que aí virá. Muitas são acusadas de corruptas, chapa branca, abocanhadoras do dinheiro público. É provável que isso também aconteça. Entretanto, as quase 800 entidades articuladas na ASA – ONGs, Sindicatos, Movimentos Sociais, Igrejas etc. – têm dado mostra que o trabalho honesto e eficiente também é possível. Apesar de nossas deficiências e contradições, já fizemos mais de 200 mil cisternas. Quem passou a ter água no pé de sua casa sabe o que elas significam.

 

 

Roberto Malvezzi, o Gogó, é coordenador nacional da CPT.

 

Para comentar este artigo, clique comente.

Recomendar
Última atualização em Qui, 13 de Setembro de 2007
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates