Corações em greve

0
0
0
s2sdefault

 

 

Neta de médico, cansei de ver meu avô ser chamado no meio da noite e sair com maletinha e estetoscópio para atender doentes, às vezes em lugares afastados e considerados não muito seguros. Paraibano de temperamento impetuoso, seu rosto e sua voz se transformavam quando em contato com os pacientes. Brincava, sorria, animava. Mais: seus sentidos entravam em contato direto com a corporeidade adoecida do outro.

 

Examinava com as mãos, os ouvidos, os olhos. Não havia para ele outra prioridade naquele momento do que a necessidade daquele doente específico que apelava à sua ciência.

A vida passou, meu avô morreu quando eu ainda era jovem e a vida me fez cruzar com vários médicos em meu caminho. Em quase todos encontrei a mesma disponibilidade, a mesma entrega, o mesmo amor pela profissão e pelos pacientes daquele paraibano que viera estudar medicina no Rio e se casara com uma carioca. E eu acreditei e dei fé que o juramento de Hipócrates que os médicos fazem quando se formam é mesmo para valer.

 

Ou melhor, acreditava nisso até tomar ciência, no último domingo, da morte de Elizangela Ferraz, jovem paraibana cardíaca, que necessitava de uma cirurgia urgente para ter esperança de viver. Acontece que os corações dos médicos paraibanos, todos conterrâneos de meu querido avô, não se encontravam disponíveis naquele momento. A categoria estava em greve, à espera de uma revisão da tabela do SUS.

 

A mãe e a irmã de Elizangela, desesperadas, tentavam de tudo e mais um pouco. Ofereceram-se, inclusive, para pagar o anestesista. A resposta era sempre implacável. “Estamos em greve. Há que ter paciência”. O coração combalido de Elizangela fazia esforços sobre-humanos para continuar batendo. E a greve seguia.

 

Domingo, o coração de Elizangela parou. Era uma morte anunciada. A lucidez dessa moça de 28 anos, que pressentia o que estava para lhe acontecer, a fez comentar poucos dias antes de morrer, em entrevista: “Não sei se estarei aqui amanhã. Estou dependendo dessa greve”. Com uma arritmia cardíaca, Elizangela morreu antes de chegar ao hospital.

Caros doutores, onde estamos? Que preço tem a vida humana? Onde está o juramento que fizeram ao terminar a faculdade? Como pode não haver um único cirurgião que se disponha a operar uma moça que tem problema cardíaco grave e cuja única chance de viver é a cirurgia que lhe negam em nome de uma greve?

Não digo que a greve não seja justa. A tabela do SUS está defasada há dez anos. A categoria tem razão em protestar e usar o único instrumento de que dispõe para pressionar o governo. Tomara que a greve ajude a reflexão sobre o que sucede no Brasil com as profissões mais nobres e importantes: a de professor e a de médico. Com seus salários aviltados a um ponto insuportável, esses profissionais acabam deixando a profissão ou acumulando um sem número de empregos e prejudicando a qualidade de sua inestimável contribuição para o bem comum.

 

No entanto, para tudo há limites. Não há reivindicação justa que valha mais do que uma vida humana. Um doente não tem paciência. Tem urgência. E o coração de Elizangela tinha urgência de ser reconstruído e reparado por uma cirurgia que a medicina podia lhe dar. Se assim tivesse sido, ainda bateria até agora. Desatendido, extinguiu-se.

Diante da dor dos familiares de Elizangela, além do silêncio respeitoso e compassivo, urgem atitudes claras e eficazes. Por onde anda a ética profissional e os princípios que defende? Por onde anda aquilo que me faz humano, que é principal e primeiramente a obrigação para com cada ser que comigo partilha a condição humana?

Que a fragilidade do coração de Elizangela, vencido pela arritmia, possa comover os corações dos médicos do serviço público e ajudá-los a nunca mais fazer greve quando se trata de salvar uma vida.


Maria Clara Lucchetti Bingemer, teóloga, professora e decana do Centro de Teologia e Ciências Humanas da PUC-Rio.

Para comentar este artigo, clique {ln:comente 'aqui}.

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados