A eleição de Obama

0
0
0
s2sdefault

O capitalismo, apesar de exaurido, exerce uma hegemonia política quase absoluta em escala mundial. Não existem movimentos anticapitalistas que mereçam ser citados. No dia 06/11/2012, tivemos uma renhida disputa eleitoral nos EUA. Disputavam duas grandes correntes políticas: uma de extrema-direita, representada pelo Partido Republicano, e outra de direita moderada, representada pelo Partido Democrata.

 

O extremo direitismo dos republicanos vai tão longe que eles, em campanha, não se cansavam de acusar Barack Obama de socialista e até mesmo de bolchevique. Assim faziam porque as massas populares norte-americanas foram ganhas, política e ideologicamente, para o mais ferrenho e obstinado anticomunismo. Para esse trabalho de lavagem cerebral, foi de grande importância a contribuição que deu o stalinismo-trotskismo, quando de forma equivocada negou-se a reconhecer em tempo hábil a derrota da revolução socialista em escala mundial e, especificamente, na própria Rússia.

 

Usando, indevidamente, o carimbo de “marxismo-leninismo”, ou mesmo de “marxismo-leninismo- trotskismo”, esses senhores se negaram a ver que, ao invés de socialismo, o que se construía na URSS era o capitalismo de Estado, com todas as suas desastrosas consequências.

 

Diante desse quadro, sumamente trágico, a burguesia internacional, após criar um cordão de segurança anticomunista, através da implantação dos chamados Estados de Bem Estar Social, levou avante um eficaz trabalho de propaganda, expondo o totalitarismo praticado naqueles países que compunham um pretenso mundo socialista. Fieis às resoluções tomadas no X Congresso do Partido Comunista Russo em 1921, os marxistas-leninistas-trotskistas levaram até as últimas consequências a completa supressão do livre debate, a imposição do partido único, enfim, o Estado policial.

 

Assim, espertamente, as forças políticas do capitalismo exibiam aquele quadro como decorrência natural e imperativa do movimento socialista, e contra aqueles absurdos exibiam a democracia burguesa, amplamente exercitada nos países capitalistas avançados, como os da Europa Ocidental, o Japão e os Estados Unidos – isso após a Segunda Grande Guerra.

 

Ninguém fez tanto pelo “anticomunismo” como esses longos anos de stalinismo, e aí está: o mais avançado país capitalista acerbamente dividido entre uma direita fascista e outra moderada, como bem retrata a eleição de Barack Obama.

 

Gilvan Rocha é militante socialista e membro do Centro de Atividades e Estudos Políticos.

Blog: www.gilvanrocha.blogspot.com

Comentários   

0 #3 Social Democrata, isso sim!!!TONHÃO 22-11-2012 19:38
Bom, em poucas palavras acho o seguinte: o Camarada Stalin enfrentou a maior besta fera da humanidade e a derrotou!!! Com ajuda ou não de trotski, o cara salvou o mundo de uma disgraceira. Se depois de sua morte um bando de traidores da classe foi cooptado e o regime degringolou, são outros 500. Porra! Foi a experiencia socialista mais duradoura da história e os intelectus ficam por ai dizendo que o cara é do mal. Fala sério meu! Vá lá pra ver o que Stalin passou na guerra!!!
Citar
0 #2 RE: A eleição de ObamaMatheus 20-11-2012 11:15
O artigo é muito confuso. O tal termo "marxismo-leninismo-trotskysmo " saiu de onde? E por que o autor o aplica ao regime stalinista de 1924-1953, e mesmo à suas auto-reformas "desistalinizadora" dos anos 1960 e 1980?

E qual era a natureza do sistema soviético? Seja lá qual for o rótulo (socialismo autoritário, capitalismo de Estado, etc.), é óbvio apontar que ele se caracteriza pelo predomínio da propriedade estatal dos meios de produção, planificação econômica, parlamentarismo monopartidário, predomínio de elites burocráticas e bem-estar social. Chamemo-lo de "modelo soviético", simplesmente.

Além disso, o autor parece pressupor que as afirmações da propaganda política anticomunista sobre o "modelo soviético" são todas verdadeiras. Ele sugere que a ofensiva anticomunista resumiu-se a "expor o totalitarismo" e "implantação do Estado de bem-estar social".

Ora, o termo "totalitário" tráz em si a comparação, e possível equivalência, entre o nazifascismo e o stalinismo. A comparação histórica pode verificar que haviam semelhanças superficiais e diferenças profundas e gritantes. Só para ficar num exemplo, dá para dizer que o supremacismo germano-cristão do III Reich era a mesma coisa que a república plurinacional da URSS? Que o capitalismo militarista dos nazistas era a mesma coisa que o sistema planificado dos stalinistas? Já os instrumentos ditatoriais (estado de exceção, censura+propaganda, polícia política), eram meios utilizados por praticamente todas as ditaduras desde Napoleão Bonaparte. Além disso, o anticomunismo têm mais a ver com uma visão paranóica e conspiratória que com uma crítica racional do modelo soviético e de todas as mazelas e sofrimentos que ele provocou. Não se tratava de "expor o totalitarismo", e sim de reprimir os dissidentes.

Segundo, a Guerra Fria não se relacionava a políticas sociais avançadas, pois estas são conquistas dos trabalhadores assalariados, mas sim à propaganda e à violência política. O autor parece esquecer que a Guerra Fria na América Latina, continente onde vivemos, foi conduzida por meio do apoio a golpes e terrorismos de Estado. A Guerra Fria, na América Latina, foi a Operação Condor, e a acusação de "agente dos russos e chineses" era um pretexto para torturar militantes de sindicatos, direitos humanos, camponeses, partidos de esquerda e centro-esquerda, professores, escritores, sacerdotes humanistas e jornalistas independentes. Isso era a Guerra Fria por aqui. Nada fria, por sinal, como está demonstrando a Comissão da Verdade. Por que o autor se prende a um contexto europeu ocidental idealizado (esquecendo que a Europa também tinha Franco, Salazar e Operação Gládio)?
Citar
0 #1 RE: A eleição de ObamaDilon do Amaral 15-11-2012 20:49
Certamente, o estalinismo constitui um dos elementos fundamentais em várias conjunturas históricas a jogar água no moinho da Contra-Revolução. Porém, o estalinismo não se reduz a uma simples ideologia. É o resultado concreto da burocratização do primeiro estado operário da história mundial. Da apropriação despótica do poder político pela burocracia, processo histórico analisado por Trotsky em seu A Revolução Traida, em que resgata as categorias marxistas de análise do materialismo histórico. Nessa análise não há lugar para uma visão linear da história, pra nenhum fatalismo histórico. O destino da URSS, previu corretamente Trotsky, estava balizado pela luta - ou a classe trabalhadora restabelecia o poder dos sovietes e a democracia socialista ou a restauração capitalista seria inevitável! Nessa análise a história é resultado da luta de classes e frações de classes. Luta, cujo resultado não está garantido de antemão por nenhuma Razão Histórica. Nessa análise não existem Seres Providenciais Iluminados a "corrigir o curso da História"! Seres dotados de Clarividência Instantânea dos fatos. Ao contrário, trata-se da análise de homens e suas circunstâncias, e da luta de classes!

O autor do artigo, com sua obsessão anti-trotskysta cai no ridículo em sua absurda pretensão de incluir o "trotskysmo" no estalinismo. Diga-se de passagem que o termo "trotskysmo" foi criado pelos estalinistas na luta contra Trotsky. Mas essa obsessão, que bem mereceria também uma análise psicanalítica, o leva, talvez inconscientemente, a reproduzir antiga prática estalinista de calúnias, dando as costas à análise histórica dos fatos, caindo na mais arbitrária invenção pessoal da história, visão da qual, talvez só compartilhem os coveiros burocratas da URSS e, certamente, a interessada burguesia mundial
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados