topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
PT gaiato Imprimir E-mail
Escrito por Gilvan Rocha   
Sexta, 28 de Setembro de 2012
Recomendar

 

O Partido dos Trabalhadores, antes motivo de esperanças, mudou profundamente. Hoje ele não pode ser levado a sério. Perdeu qualquer conotação ideológica para se tornar uma agremiação política de perfil claramente fisiológico. Antes, eles buscavam se locupletar das máquinas sindicais e municipais, para depois conseguir se inserir nas máquinas estaduais e, por fim, no governo federal.

 

A direção petista, que outrora se negara a qualquer entendimento com o PMDB ideológico de Ulisses Guimarães, Franco Montoro, Mario Covas, Tancredo Neves, não teve o menor escrúpulo em cair nos braços do PMDB fisiológico, extremamente corruptor e corrompido, representado por figuras dessa pútrida república brasileira, como são: José Sarney, Jader Barbalho, Renan Calheiros, Romero Jucá, Michel Temer e alguns outros.

 

Depois de se envolverem em episódios bastante comprometedores, como nos casos de Santo André, que culminou na morte do ex-prefeito Celso Daniel, e na misteriosa morte de Toninho, na cidade de Campinas - os petistas mergulharam no chamado “maior escândalo da nossa história política”, quando arquitetaram e operaram o famoso mensalão.

 

Quando o escândalo veio a público e foi aberto um processo contra os mensaleiros, eles apostaram na impunidade dos envolvidos. Por quê? Ora, o governo petista, representado por Lula e Dilma, havia nomeado oito dos onze ministros do Supremo Tribunal Federal, contando que esses ministros, em troca do ato de nomeação, haveriam de inviabilizar qualquer punição aos delinquentes desse processo.

 

Mas a previsão não tem se confirmado, tudo indica que a grande maioria dos ministros do STF, ao invés de enveredar pelo descalabro da impunidade, optou por trilhar o caminho da justiça, embora essa conduta não seja frequente nos tribunais da burguesia, quando os réus são ricos e bem situados.

 

À exceção do ministro Dias Toffoli e do seu parceiro Ricardo Lewandowski, que têm se portado como verdadeiros advogados dos acusados, parece que o citado tribunal, por sua maioria, preferiu ouvir os clamores do povo e da justiça, mesmo que esta seja capenga.

 

Diante da iminência da condenação dos mensaleiros, hoje, o PT se sai com o discurso gaiato, dizendo que as atitudes do STF são gestos golpistas, como golpista é a imprensa democrática burguesa, quando denuncia, baseada em fatos e documentos, os inúmeros atos de corrupção.

 

O petismo desfigurado, fisiológico, bem merece um lugar na História, e não existe lugar mais apropriado para eles do que as penitenciárias superlotadas pelos delinquentes pobres.

 

Leia também:

As bravatas de Dirceu

 

 

Gilvan Rocha é militante socialista e membro do Centro de Atividades e Estudos Políticos.

Blog: www.gilvanrocha.blogspot.com

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates