topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Dirceu e o Supremo Jiló Imprimir E-mail
Escrito por Roberto Malvezzi (Gogó)   
Terça, 18 de Setembro de 2012
Recomendar

 

O ministro Ayres Britto é um nordestino de Propriá, Sergipe. Na sua região de origem é considerado um homem íntegro, ligado às causas justas, inclusive por pessoas ligadas aos movimentos sociais de Igreja.

 

Não foi sempre assim. Seu pai foi um coronel sergipano, mas ele percorreu outros caminhos. Por isso, ao condenar alguns réus do mensalão, afirmou em outras palavras que ficava com um “um gosto de jiló na garganta”. Mas, o ministro acha que cumpriu seu dever e condenou os réus por ver nos autos provas reais contra os acusados.

 

O PT não pode reclamar. Pensou que poderia se apossar das práticas da direita sem nenhum ônus, depois de condená-las por décadas, elegendo-se como o defensor da ética republicana brasileira. Ao se apossar das práticas incrustadas em qualquer lugar desse país, entrou na seara alheia, no território das elites, por isso foi execrado. O recado é claro: corrupção pública só para as elites. Que o PT fique no seu lugar.

 

O supremo jiló no qual o PT se meteu não poderia dar outro resultado. Traiu suas bases, dirigiu críticas aos igrejeiros, puristas, ingênuos e meteu a mão na cumbuca. Macaco novo, caiu na cilada onde não caem os macacos velhos. Essa é a dimensão política do mensalão, isto é, o julgamento é seletivo ao bloco partidário aliado ao PT.

 

Dirceu recebe um ódio específico de grande parte da mídia brasileira. Ele é considerado o mentor da guinada, da necessidade de andar mais pelo centro, de lidar com os métodos da direita, desde que o poder fosse conquistado. Eles o querem na cadeia, senão, no lixo da desmoralização. Por isso, toda pressão midiática para que seja efetivamente condenado.

 

Nem no auge da crise do mensalão esse tipo de denúncia mexeu nos resultados eleitorais. O povo aqui pelo sertão fazia um discernimento pragmático: “todos roubam. Ao menos o Lula pensou em nós”.

 

Até agora o PT não perdeu eleição por razões éticas. As razões pragmáticas do povo, como comida, água e energia, são mais decisivas. Mas, como um equilibrista, o PT parece dançar na boca do abismo.

 

Obs.: No falecimento de D. José Rodrigues, bispo de Juazeiro que acolhia Lula em sua casa nos tempos duros do início petista, o PT não mandou sequer uma nota. Lula entrou no semiárido pelas portas de Juazeiro, pelas portas de D. José Rodrigues. Ele deve se lembrar da camisa que D. José lhe emprestou quando não tinha outra para fazer um comício pelo sertão. Portanto, a ética do PT mudou muito mais que simples adesão às práticas históricas do poder brasileiro.

 

Roberto Malvezzi (Gogó) possui formação em Filosofia, Teologia e Estudos Sociais. Atua na Equipe CPP/CPT do São Francisco.

Recomendar
Última atualização em Qui, 20 de Setembro de 2012
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates