topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

Nelson Rodrigues: contraditório centenário Imprimir E-mail
Escrito por Maria Clara Lucchetti Bingemer   
Qui, 30 de Agosto de 2012
Recomendar

 

Não, não celebro aqui o feroz crítico da teologia da libertação, de todo o esforço da Igreja que despertou minha vocação de teóloga ao aproximar-se dos pobres. Não desejo reconhecer e louvar o cronista que cunhou expressões como “padres de passeata” e “freiras de minissaia” para referir-se a homens e mulheres que buscavam, após o Concílio Vaticano II, viver mais radical e verdadeiramente sua consagração a Deus e aos irmãos.

 

Seria impossível identificar-me com aquele que encheu páginas e páginas de crônicas e artigos com duras palavras contra figuras que sempre foram objeto de minha admiração e inspiração: Dom Helder Câmara, o Pe. Fernando Bastos de Ávila e o doce Alceu de Amoroso Lima. E que enquanto isso exaltava personagens mal-humorados e amargos (embora talentosos) de nossas letras, como o Dr. Corção.

 

Tampouco me agrada – mais: repugna-me – o descarado machismo daquele que inventou a frase que diz que as mulheres normais gostam de apanhar. E sempre descreveu a mulher em abjeta submissão ao homem, sua escrava por gosto e opção e não por opressão e violência.

 

E, no entanto, não posso deixar de homenagear, por ocasião de seu centenário, o genial escritor de nosso cotidiano brasileiro e carioca; o artista da palavra, que encontrou a expressão adequada e certeira para descrever as paixões ocultas e explícitas das tragédias ou comédias que povoam a vida urbana de todo um povo; o apaixonado e talentoso comentarista esportivo que edificou o Maracanã como templo e elevou os passes de Garrincha e Pelé a uma altura quase litúrgica.

 

Minha sensibilidade não pode deixar de comover-se diante do coração emotivo até o extremo do pai que teve que chorar a prisão política do filho e a cegueira da filha temporã, e o fez com dignidade e discrição. E minha razão extasia-se diante da inteligência penetrante do escritor, do dramaturgo, do cronista, que encontrou as palavras e metáforas mais que certas para desenhar diante dos leitores e espectadores a vida como ela é.

 

E percebo, então, e não sem surpresa que essa ambiguidade, essa contradição, esse paradoxo é constitutivo da personalidade e do talento de Nelson Rodrigues. Percebo que não existe um Nelson sem o outro e que é preciso admirá-lo em bloco, ainda que criticamente, sem tentar reduzi-lo ou segmentá-lo em estanques divisões insustentáveis.

 

Talvez a constatação desse fato seja uma derivação de sua imortal frase (entre tantas, infinitas outras) que afirma ser toda unanimidade burra. Nelson, com sua imensa sensibilidade e seu fino humor, percebeu desde sempre que o humano não comporta fixismos radicais nem definições inapeláveis. Mas, pelo contrário, existe atravessado de pluralidade, de sadia relatividade, onde negativo e positivo se entrelaçam, deixando perceber a inevitável proximidade entre pecado e graça.

 

É assim que em seu universo literário, em suas crônicas e obras teatrais encontra-se muitas vezes a virtude na prostituta ou no ladrão, e não na senhora mãe de família impecável ou no cidadão trabalhador e responsável. Os sentimentos humanos são mesclados, fazendo o amor conviver com o ódio, a raiva preceder um abismo de mansidão e bondade, e a mais solícita e humilde ternura esbarrar a cada momento com um oculto e soberbo desdém.

 

Captando com rara agudeza isso que é o drama e a grandeza do ser humano, Nelson soube descrevê-lo com maestria e indiscutível talento. E essa lucidez não o fazia descrente e cético em relação a seus irmãos e semelhantes. Cultor da amizade, nós o vemos descrever seus amigos com palavras cheias de afeto e emoção. São seus personagens constantes e queridos Otto Lara Rezende, Miguel Lins, Mário Filho, entre outros.

 

Neste controvertido centenário, é digno e justo, portanto, celebrar o homem que tinha coração e dizia e assumia ser o sentimentalismo seu ponto forte. E também e mais ainda, o apaixonado pela literatura e pela palavra escrita. Em tempos em que a imagem pretende adquirir supremacia sobre a palavra, Nelson, do alto de seus 100 anos imortais, afirma – e nós o secundamos – que “o texto literário continuará existindo daqui a 1200 anos. Ele não morre, porque se ele morrer o mundo começará a morrer junto”.

 

Maria Clara Lucchetti Bingemer é autora de "Simone Weil - A força e a fraqueza do amor” (Ed. Rocco).

 

Copyright 2012 – MARIA CLARA LUCCHETTI BINGEMER – Não é permitida a reprodução deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.

Recomendar
Última atualização em Sábado, 01 de Setembro de 2012
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates