topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
PT, um partido rico? Imprimir E-mail
Escrito por Gilvan Rocha   
Quarta, 29 de Agosto de 2012
Recomendar

 

 

Quando o PT surgiu, era um partido pobre. Mas logo esse quadro começou a mudar, quando houve a conquista de algumas prefeituras, destacando-se as de Ribeirão Preto e Santo André. Na primeira cidade, houve a eleição do esperto Antonio Palocci, que logrou ficar muito rico, em prazo muito curto. Em Santo André, chegou a haver denúncias de corrupção e o ex-prefeito petista, Celso Daniel, foi assassinado num episódio bastante nebuloso. Outro fato obscuro foi o assassinato do Toninho do PT, ex-prefeito da cidade paulista de Campinas. Prova de que o passado de pobreza era página virada ficou clara quando o ex-presidente Lula da Silva e José Dirceu tiveram que pagar o montante de dez milhões de reais para ter o industrial José Alencar compondo a sua chapa como vice. Haveremos de convir que dez milhões de reais é muito dinheiro para qualquer partido, imagine só para um partido de trabalhadores. Isso dá muito que pensar.

 

Quando o Partido dos Trabalhadores, depois de algumas tentativas, finalmente chegou ao governo federal por conta de concessões tamanhas em que se desfigurou completamente, essa agremiação, pelos fatos demonstrados, deixou de ser apenas rica para se tornar um partido dos ricos. Sim. É isso mesmo! Segmentos esclarecidos da burguesia passaram a enxergar o lulismo como um bom negócio para os seus interesses. Isso foi fartamente comprovado.

 

Lula, no governo, garantiu aos banqueiros, aos grandes industriais, aos agropecuaristas a tranquilidade social necessária para o capitalismo voar em “céus de brigadeiro”. Lucrar sem que haja transtornos, livre de contestações, era tudo o que a burguesia desejava, e esse desejo foi atendido plenamente pelo governo petista.

 

A baixo custo, o lulismo empreendeu um programa de assistência social dirigida aos miseráveis, através do Bolsa Família, criando um vasto colégio eleitoral. Procedeu, a seguir, um trabalho de corrupção e cooptação das centrais sindicais e estudantis ultra-burocratizadas, além de cooptar também os movimentos populares. Por sua vez, as grandes empreiteiras se fartaram abusivamente, vendendo serviços superfaturados aos ministérios e às autarquias do governo petista.

 

Por todas essas razões, sobrava e sobra dinheiro nos seus cofres. Tanto isso é verdade que eles se encontraram em condições de fornecer vultosas quantias a vários partidos explicitamente fisiológicos, em troca de apoio no Congresso Nacional, como o episódio do mensalão deixou tão claro. Partido rico e partido dos ricos, o PT não passa de uma agremiação a serviço do sistema capitalista. Essa é uma lamentável verdade e dela não devemos fugir. Pelo contrário, devemos envidar esforços para que toda a população possa enxergar os fatos.

 

 

 

Gilvan Rocha é militante socialista e membro do Centro de Atividades e Estudos Políticos.  Blog: www.gilvanrocha.blogspot.com

Recomendar
Última atualização em Quarta, 29 de Agosto de 2012
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates