topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Maioridade penal Imprimir E-mail
Escrito por Claudionor Mendonça dos Santos   
Sexta, 10 de Agosto de 2012
Recomendar

 

 

Sabe-se que o vigente Código Penal, seguindo a mais moderna e melhor doutrina, fixou em dezoito anos a idade em que começa a imputabilidade penal, ficando sujeitos às normas estabelecidas na legislação especial os adolescentes infratores.

 

Contudo, a criminalidade exacerbada pela mídia vem provocando inquietude no seio da comunidade que, manipulada, busca inserir o menor no âmbito do Direito Penal. A sociedade brasileira, insuportavelmente conservadora, faz coro no sentido de se diminuir a idade para efeito de responsabilidade criminal. Apontam, alguns, que, aos dezesseis anos, o adolescente está legitimado para exercer o direito de voto, logo, deverá arcar com as consequências de atos infracionais.

 

O argumento é altamente falacioso. O adolescente, ao cometer ato infracional, é responsabilizado, de acordo com a legislação específica (Lei 8069/90). O modelo alicerça-se nos princípios garantistas, prevendo sanções, inclusive privativas de liberdade, com caráter de penalidade e com finalidade pedagógica.

 

A ocorrência de episódios violentos, envolvendo adolescentes, além da atuação de setores da mídia, provoca sensação de pânico e a falsa impressão de impunidade. Tal fato ocorre, primordialmente, quando as condutas infracionais vitimam pessoas oriundas de certa camada da sociedade, não provocando, desgraçadamente, a mesma reação quando ocorrem nas camadas carentes da periferia das grandes cidades. Entretanto, é bom lembrar que a participação de adolescentes em infrações penais não atinge 10% em todo país. Isso indica que não parte dos adolescentes a maioria das práticas criminosas, cabendo aos adultos a responsabilidade pelo alto índice de criminalidade.

 

Advogar a diminuição da idade, para efeito de responsabilização, não significará, em hipótese alguma, resolver a questão da violência. Diante da lamentável situação dos presídios onde se depositam os adultos, o ingresso dos menores de dezoito anos apenas agravará o sistema penitenciário, à beira do colapso, gerando reincidência em torno de 70%.

 

Necessário, portanto, ao invés de se lutar pela diminuição da idade penal, provocar as autoridades competentes para que se cumpram as leis em vigor (Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei de Execução Penal), para que o adulto seja ressocializado e se cumpram as medidas socioeducativas estabelecidas no Estatuto da Criança e do Adolescente.

 

Com a fixação de políticas públicas que garantam a concretização dos direitos sociais, constitucionalmente estabelecidos, haverá, indiscutivelmente, a diminuição da criminalidade, invertendo-se a ordem de algumas prioridades, dentre elas, maior construção de escolas, que provocará a diminuição de presídios.

 

Claudionor Mendonça dos Santos é presidente do Movimento do Ministério Público Democrático.

Recomendar
Última atualização em Qui, 30 de Agosto de 2012
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates