As águas turvas da Nestlé

 

 

Há alguns anos, a Nestlé vem utilizando os poços de água mineral de São Lourenço para fabricar a água marca PureLife. Diversas organizações da cidade vêm combatendo a prática, por muitas razões. As águas minerais, de propriedades medicinais e baixo custo, eram um eficiente e barato tratamento médico para diversas doenças, que entrou em desuso, a partir dos anos 50, pela maciça campanha dos laboratórios farmacêuticos para vender suas fórmulas químicas através dos médicos. Mas o poder dessas águas permanece. Médicos da região, por exemplo, curam a anemia das crianças de baixa renda apenas com água ferruginosa.

 

Para fabricar a PureLife, a Nestlé, sem estudos sérios de riscos à saúde, desmineraliza a água e acrescenta sais minerais de sua patente. A desmineralização de água é proibida pela Constituição.

 

Cientistas europeus afirmam que nesse processo a Nestlé desestabiliza a água e acrescenta sais minerais para fechar a reação. Em outras palavras, a PureLife é uma água química. A Nestlé está faturando em cima de um bem comum, a água, além de o estar esgotando, por não obedecer às normas de restrição de impacto ambiental, expondo a saúde da população a riscos desconhecidos. O ritmo de bombeamento da Nestlé está acima do permitido.

 

Troca de dutos na presença de fiscais é rotina. O terreno do Parque das Águas de São Lourenço está afundando devido ao comprometimento dos lençóis subterrâneos. A extração em níveis além do aceito está comprometendo os poços minerais, cujas águas têm um lento processo de formação. Dois poços já secaram. Toda a região do sul de Minas está sendo afetada, inclusive estâncias minerais de outras localidades.

 

Durante anos a Nestlé vinha operando, sem licença estadual. E finalmente obteve essa licença no início de 2004.

 

Um dos brasileiros atuantes no movimento de defesa das águas de São Lourenço, Franklin Frederick, após anos de tentativas frustradas junto ao governo e à imprensa para combater o problema, conseguiu apoio, na Suíça, para interpelar a empresa criminosa. A Igreja Reformista, a Igreja Católica, Grupos Socialistas e a ONG verde ATTAC uniram esforços contra a Nestlé, que já havia tentado a mesma prática na Suíça.

 

Em janeiro deste ano, graças ao apoio desses grupos, Franklin conseguiu interpelar pessoalmente, e em público, o presidente mundial do Grupo Nestlé. Este, irritado, respondeu que mandaria fechar imediatamente a fábrica da Nestlé em São Lourenço. No dia seguinte, no entanto, o governo de Minas (PSDB) baixou portaria regulamentando a atividade da Nestlé. Ao invés de aplicar multas, deu-lhe uma autorização, mesmo ferindo a legislação federal. Sem aproveitar o apoio internacional para o caso, apoiou uma corporação privada de histórico duvidoso.

 

Se a grande imprensa brasileira, misteriosa e sistematicamente, vem ignorando o caso, o mesmo não ocorre na Europa, onde o assunto foi publicado em jornais de vários países, além de duas matérias de meia hora na televisão. Em uma dessas matérias, o vereador Cássio Mendes, do PT de São Lourenço, envolvido na batalha contra a criminosa Nestlé, reclama que sofreu pressões do governo federal (PT), para calar a boca. Teria sido avisado de que o pessoal da Nestlé apóia o Programa Fome Zero e não está gostando do barulho em São Lourenço.

 

Diga-se também que a relação espúria da Nestlé com o Fome Zero é outro caso sinistro. A empresa, como estratégia de marketing, incentiva os consumidores a comprar seus produtos, alegando que reverte lucros para o Fome Zero. E qual é a real participação da Nestlé no programa? A contratação de agentes e, parece, também fornecendo o treinamento.

 

Sim, é a mesma famosa Nestlé, que tem sido há décadas alvo internacional de denúncias de propaganda mentirosa, enganando mães pobres e educadores, para substituir leite materno por produtos Nestlé, em um dos maiores crimes contra a humanidade.

 

A vendedora de leites e papinhas "substitutos" estaria envolvida com o treinamento dos agentes brasileiros do Fome Zero, recolhendo informações e gerando lucros e publicidade nas duas pontas do programa: compradores desejosos de colaborar e famintos carentes de comida e informação. Mais preocupante: o governo federal anuncia que irá alterar a legislação, permitindo a desmineralização "parcial" das águas. O que é isso? Como será regulamentado?

 

Se a Nestlé vinha bombeando água além do permitido e a fiscalização nada fez, como irão fiscalizar agora a tal desmineralização "parcial"? Além do que, "parcial" ou "integral", a desmineralização é combatida por cientistas e pesquisadores de todo o mundo. E por que alterar a legislação em um item que apenas interessa à Nestlé? O que nós, cidadãos, ganhamos com isso?

 

É simples. Sabemos que outras empresas, como a Coca-Cola, estão no mesmo caminho da Nestlé, adquirindo terrenos em importantes áreas de fontes de água. É para essas empresas que o governo governa? Uma vergonha!


Carla Klein.

 

Originalmente publicado em http://www.circuitodasaguas.org/

Comentários   

0 #4 ta erradoluciana lee 08-03-2013 08:29
Esse texto "aguas turvas"nao pode ser atribuido ao meu site: www.circuitodasaguas.org
Esta cheio de inconsistencias!!
Citar
0 #3 Crime perpetrado por um estado corruptoCésar 28-08-2012 16:45
Observo que a lei de propriedade industrial é criminosa não só no caso da Nestlé, é a legitimação do envenenamento do povo, vide o pipeline, imundicie criada pela latrina INPI para roubar de pessoas doentes. O pipeline permite que advogados patentários garantam o repatenteamento de quimicos. A nestlé e outras latrina multinacionais são ladras de tudo, desde a dignidade até a saúde e futuro do cidadão e graças não só ao crime patentário, mas também graças a ignoância do povo que por sinal só aumenta com a "nutrição" e saude mentar perpetrada por esses salafros.
Para começar a destruir essa sabotagem com o bem nacional é preciso mobilização.
Alguns abaixo assinado que podem ajudar nisso:

http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/8565

http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/9127

http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/9128

http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/9126

http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/9431

http://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/9429

Mobilizado o povo tem poder, alienado, o povo é peça descartável.
Citar
0 #2 RE: As águas turvas da NestléAnderson 21-08-2012 09:14
Resposta da Nestle sobre questionamento que fiz sobre o assunto.

Prezado Anderson,

Inicialmente, gostaríamos de comentar que o respeito ao meio ambiente é uma atitude que destaca a Nestlé Brasil há muito tempo, de maneira pioneira. Nossa empresa pratica uma política de desenvolvimento industrial em consonância com a preservação do meio ambiente.

Consideramos fundamentais as discussões sobre a preservação do meio ambiente e, acima de tudo, sobre o gerenciamento da água no planeta, respaldado em bases científicas. Assim, contamos com uma gestão responsável dos recursos hídricos e a utilizamos de modo que a sua disponibilidade não seja afetada, em conformidade com seus princípios de gestão ambiental e desenvolvimento sustentável.

Esclarecemos ainda que, desde sua origem, o grupo Nestlé tem se comprometido com iniciativas ambientais em todo o mundo e, ao longo dos anos, realizado grandes investimentos nessa área, atendendo às necessidades do presente sem, contudo, comprometer a capacidade das futuras gerações de suprir suas próprias carências. Temos plena consciência que a água de modo geral e especialmente a água mineral deve ser utilizada de modo a que a natureza possa repor os aquíferos ao longo do tempo garantindo sua perenidade. Assim é que a Nestlé atua no Brasil e em outros países onde há anos tem as fontes de água tais como Perrier (França) e San Pelegrino (Itália) sem nunca ter sido acusada de nenhuma atitude não sustentável no uso deste bem precioso.

Assim como seguimos rigorosamente as normas estabelecidas pela legislação para a comercialização de nossos produtos. Especificamente em relação às fontes de água mencionadas em sua mensagem, ressaltamos que a captação de águas é realizada em total acordo com as determinações das autoridades competentes, como o Departamento Nacional de Produção Mineral e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, além de organismos de controle ambiental, e a produção e a comercialização de nossos produtos sempre contou com a estrita aprovação e licença dos mesmos; portanto, ressaltamos que as informações contidas na mensagem que nos enviou não correspondem à realidade.

Caso tenha interesse em conhecer a forma de atuar e proceder da Nestlé, nossos princípios estão disponíveis no site mundial, no endereço http://www.nestle.com/Common/NestleDocuments/Documents/Library/Documents/Corporate_Governance/Corporate-Business-Principles-EN.pdf e http://www.nestle.com/Common/NestleDocuments/Documents/Library/Documents/Environmental_Sustainability/Water-Management-Report-Mar2007-EN.pdf

A Nestlé reconhece que ter sucesso significa criar um valor para todos os envolvidos, fornecedores de matéria-prima dos nossos produtos, colaboradores, consumidores e as localidades onde atua. Chamamos esse objetivo de Criação de Valor Compartilhado (Creating Shared Values), e focamos nossos esforços em três áreas-chave: Nutrição, Água e Desenvolvimento Rural.

Informações sobre a Criação de Valor Compartilhado e o compromisso da empresa no gerenciamento dos recursos hídricos, estão disponíveis nos seguintes links: http://www.criandovalorcompartilhado.com.br.

Desde a aquisição da Perrier e de todas as suas controladas, entre elas a São Lourenço, em 1992, a Nestlé assumiu também o Parque das Águas de São Lourenço e realizou uma série de melhorias no local, que integra o Circuito das Águas, roteiro turístico na região sul de Minas Gerais reconhecido pela produção de águas minerais naturalmente carbogasosas.

O balneário do parque foi totalmente revitalizado, preservando seu estilo clássico, mas com toques de modernidade, com salas de banhos em banheiras estilo vitorianas e tinas de ofurô, salas de massagem e práticas de saúde e bem-estar. A floresta nativa também passou por reconstituição. O Pinnus Ellioti foi substituído pelo Ipê amarelo e roxo, Cedro, Jacarandá, Guapuruvu, Quaresmeiras e árvores frutíferas, fazendo com que o ecossistema volte a ter mais vida, tanto da fauna como da flora. Além dos benefícios ambientais, a madeira resultante do corte dos pinheiros foi doada a entidades assistenciais da região. Em homenagem aos 100 anos da imigração japonesa, foi construído no parque o Jardim Japonês. As melhorias incluem ainda a reforma do playground, com brinquedos produzidos com madeira de reflorestamento, construção de circuito de academia para pessoas de terceira idade, novos banheiros e fraldário.

Estes serviços prestados à cidade de São Lourenço, bem como as melhorias realizadas no Parque das Águas renderam à Nestlé duas importantes condecorações: “Comenda Ambiental Estância Hidromineral de São Lourenço”, medalha recebida em 20 de março por se destacar na defesa do meio ambiente na região, e “Medalha de Honra da Inconfidência”, recebida em 21 de abril por prestar relevantes serviços e contribuíram para o prestígio e a promoção do Estado de Minas Gerais e do Brasil.

Reiteramos nossos agradecimentos e informamos que nosso serviço é um canal aberto para todos consumidores e suas manifestações são muito valiosas para a empresa.

Atenciosamente,

SERVIÇO NESTLÉ AO CONSUMIDOR
Citar
0 #1 PerguntaIgor Medeiros 18-08-2012 11:39
Já tinha lido a respeito desse assunto no ano passado e gostaria de saber como anda essa tentativa de desregulamentação,em que pé está esse processo?
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados