topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Frankenstein vive Imprimir E-mail
Escrito por Luiz Eça   
Terça, 21 de Agosto de 2007
Recomendar

 

 

“Nas esferas do governo, devemos nos proteger contra a influência injustificada exercida pelo complexo militar-industrial. A possibilidade do surto desastroso de um poder mal orientado existe e permanecerá. Não devemos nunca permitir que o peso desta coalizão
ameace as nossas liberdades ou os processos democráticos”.

Dwight Eisenhower, em seu discurso de despedida da presidência dos Estados Unidos

 

 

 

As recentes posições assumidas em política internacional pelos pré-candidatos presidenciais do Partido Democrata foram de nenhum republicano da pesada botar defeito. Ambos querem o bombardeio do Irã caso persista em seu programa nuclear. Obama ainda topa reunir-se com o presidente Ahmadinejad, coisa que Hilary renega. Mas ambos concordam que, estando Bin Laden localizado no Paquistão, bomba nele, ainda que isso cause danos naquele país amigo. Até mesmo bomba atômica, ruge a mulher de Clinton.

 

O que levaria esse alinhamento com o governo Bush de políticos tido como progressistas e defensores dos direitos humanos?

 

Para entender esta questão, voltemos para 1961, quando o presidente Eisenhower alertou a nação do perigo representado pelo chamado “complexo militar-industrial”. Ele admitia que, face aos desafios da guerra fria, o país fora obrigado a criar uma imensa máquina militar, que exigia permanentemente verbas orçamentárias gigantescas. Formara-se então um poderoso setor industrial nessa área, associado a políticos e chefes militares, que poderia influir excessivamente no governo do país.

 

E foi o que aconteceu. A produção de armamentos cresceu sempre, alimentada não só pela guerra fria mas também por outras guerras como as da Coréia e do Vietnã. E, junto com ela, o poder do complexo industrial-militar.

 

Em 1976, a eleição de Jimmy Carter com uma plataforma de promoção dos direitos humanos e restrições ao comercio de armas ameaçou esse status quo. A reação foi uma campanha articulada através de lobbies e da imprensa contra Carter. Deu certo, venderam ao povo a idéia de que a gestão do líder democrata fora fraca.

 

Com a eleição do republicano Ronald Reagan o país voltou a investir pesado em armamentos, assim continuando nos governos seguintes.

 

Finda a guerra fria, ”o complexo militar-industrial não desapareceu, simplesmente reorganizou-se” (revista Foreign Policy in Focus, 1999). E os Estados Unidos, em vez de reduzir suas forças armadas, trataram de aumentar seu poderio. Elas passaram a ser usadas como instrumento de intimidação para a consolidação da hegemonia global.

 

Para viabilizar esta estratégia, os orçamentos militares americanos vêm crescendo sempre. De 304 bilhões de dólares em 1991 (último ano da União Soviética) chegaram, em 2007, a 532 bi, sem contar  os 100 bilhões gastos no Iraque e no Afeganistão.

 

Com esses aportes de somas estratosféricas, as forças armadas americanas chegaram a um nível de poder de fogo e avanço tecnológico que deixaria os exércitos da 2ª. Grande Guerra na idade da pedra.

 

Através da doutrina da “preemptive war”, George W. Bush deixou claro que os Estados Unidos atacariam quem quisessem, sempre que sentissem seus interesses vitais ameaçados. E com uma força que nem todos os exércitos do mundo poderiam enfrentar. A invasão do Iraque mostrou que ele não estava brincando.

 

O medo despertado pela agressividade e o poder militar americano é certamente a principal razão

que leva os países da Europa a, via de rega, acompanhar as posições de Washington. Mas não é a única. Eles ainda não conseguiram romper sua relação umbilical com os Estados Unidos, em parte por que, embora não exista mais a ameaça soviética, já se acostumaram a ver os americanos como seus protetores e ainda não se sentem à vontade para se opôr a eles.

 

É verdade que a Alemanha e a França criticaram a forma com que Bush desrespeitou a ONU e o direito internacional no caso do Iraque. Mas, assustados por sua audácia, voltaram rapidamente atrás, apoiando, posteriormente, a participação da comunidade internacional na gestão do Iraque ocupado.

 

O atentado de 11 de setembro tem sido usado eficazmente pelo governo Bush para aterrorizar seu povo e convencê-lo da necessidade de se manter o país em pé de guerra contra os terroristas e os países que presumivelmente os apoiariam.  Foi assim que os americanos aplaudiram a invasão do Iraque e aceitam a idéia de, em último caso, bombardear as instalações nucleares do Irã,  como tendem a aceitar ataques “overseas” sempre que sua segurança estiver em jogo. De olho nas eleições de 2008, os liberais Hillary e Obama não pensam em contrariar a opinião pública. Pelo contrário, esmeram-se em se mostrar agressivos no relacionamento com os chamados “estados párias” (rogue states),  os países rebeldes à supremacia americana: Cuba, Irã, Síria, Coréia do Norte e Venezuela. Nenhum deles propôs uma nova diplomacia, baseada em contatos diretos com todas as partes, buscando soluções justas e imparciais para os contenciosos internacionais.

 

Se esse caminho fosse seguido, se os Estados Unidos renunciassem ao emprego de ameaças e da força, não haveria por que continuar a manter forças armadas colossais. Os recursos orçamentários hoje destinados a elas poderiam ser deslocados para atender a um problema da maior seriedade que hoje aflige o país: a crise de sua infra-estrutura, da qual a inundação de Nova Orleans e a queda da ponte de Minneapolis são sintomas.

 

Relatório da ASCE (Sociedade Americana de Engenheiros Civis) revela a deterioração dos serviços públicos em 12 áreas – entre as quais energia elétrica, estradas, pontes e represas - totalmente abandonadas nos dois governos Bush. O relatório conclui que, nos próximos 5 anos, seriam necessárias obras avaliadas em cerca de 1,6 trilhão de dólares, sob pena de iminente colapso.

 

Teria o governo americano condições políticas para poder trocar os investimentos na defesa por investimentos na infra-estrutura, como o bem estar do país exige?

 

Hoje a indústria de guerra americana movimenta negócios no valor de 100 bilhões de dólares anuais. Trabalham para ela cerca de 5 milhões de pessoas. Somando os militares da ativa e da reserva , temos 15 milhões que compõem a população total do complexo industrial-militar.

 

Cortar radicalmente os financiamentos que mantém essa conjunção extremamente poderosa de interesses econômicos e pessoais parece uma missão impossível. Como o dr. Frankenstein, a sociedade americana criou um monstro que pensava poder controlar.

 

E como aconteceu na história, essa proposição se inverteu.

 

 

Luiz Eça é jornalista.

 

Para comentar este artigo, clique comente.

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates