topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Paraísos fiscais e a privataria tucana Imprimir E-mail
Escrito por Altamiro Borges   
Terça, 24 de Julho de 2012
Recomendar

 

O Brasil é o quarto país do mundo em recursos desviados para os paraísos fiscais. A conclusão é de uma pesquisa encomendada pela organização Tax Justice Network, que comprova que de US$ 21 trilhões a US$ 32 trilhões sumiram de seus países de origem em ações para sonegar impostos e lavar dinheiro oriundo da corrupção, do tráfico e de outros crimes. O valor deste roubo da elite dos super-ricos equivale ao tamanho das economias somadas dos EUA e do Japão.

 

O roubo dos super-ricos

 

O estudo listou os 20 países onde há maior remessa de recursos para os paraísos fiscais. No topo está a China, com US$ 1,1 trilhão, seguida por Rússia (US$ 798 bilhões), Coréia do Sul (US$ 798 bilhões) e Brasil (US$ 520 bilhões - mais de R$ 1 trilhão). A pesquisa, feita com base nos dados do Banco de Compensações Internacionais, do Banco Mundial, do FMI e dos governos locais, trata apenas da riqueza financeira depositada nas contas dos paraísos fiscais. Bens como imóveis e iates não foram contabilizados.

 

Segundo reportagem da BBC, “o relatório surge em meio à crescente preocupação pública e política sobre fraude e evasão fiscal”. Para James Henry, responsável pelo estudo, “as receitas fiscais perdidas são enormes. Grandes o suficiente para fazer uma diferença significativa nas finanças de muitos países”. John Christensen, diretor da Tax Justice Network, observa que o dinheiro sonegado pelos super-ricos é “mais do que suficiente para manter os serviços públicos e erradicar a pobreza nestes países”.

Ricaços sonegam os impostos

 

O estudo constatou que apenas 100 mil ricaços, no universo de 139 países pesquisados, formam a elite mundial dos sonegadores com dinheiro desviado para offshores. Ele também comprovou que 50 bancos privados movimentaram US$ 12,1 trilhões nestas operações criminosas, com destaque para gigantes como UBS, Credit Suisse, Goldman Sachs, JP Morgan e Citibank. A pesquisa inédita não dá nome aos bois, mas serve para desmascarar alguns discursos das elites e dá pistas para novas investigações.

 

“As elites fazem muito barulho sobre os impostos cobrados delas, mas não gostam de pagar impostos. No caso do Brasil, quando vejo os ricos brasileiros reclamando de impostos, só posso crer que estão blefando. Porque eles remetem dinheiro para paraísos fiscais há muito tempo”, comenta John Christensen. Diante dessa roubalheira dos ricaços, a recente campanha da mídia privada sobre a inadimplência dos pequenos consumidores brasileiros parece piada ou pura provocação.

 

Maluf e a turma do José Serra

 

Com a divulgação da pesquisa da Tax Justice Network, entidade que luta contra os paraísos fiscais, a imprensa nativa apontou seu dedo contra o ex-prefeito Paulo Maluf. Por razões puramente eleitoreiras, ela descobriu que Maluf é Maluf! De fato, o ex-prefeito deve ser investigado e punido por sonegação fiscal e lavagem de dinheiro. Na semana passada, surgiram novos indícios de que ele mantém recursos nas Ilhas Jersey, famoso paraíso fiscal. Caso fosse séria, porém, a mídia deveria seguir outras pistas da pesquisa.

 

Uma boa dica é o livro “A privataria tucana”, do jornalista Amaury Ribeiro Jr. A obra, que a mídia tentou sabotar, apresenta farta documentação sobre as fortunas desviadas para os paraísos fiscais no processo de privatização no reinado de FHC. Ela inclusive dá nome aos bois e até o número das contas nas Ilhas Virgens Britânicas. Entre os nomes citados: Verônica Serra, filha do tucano José Serra; Alexandre Bourgeois, genro do tucano José Serra; e Ricardo Sérgio de Oliveira, ex-tesoureiro do tucano José Serra.

 

Dos US$ 520 bilhões remetidos do Brasil para os paraísos fiscais, qual será o montante que esta turma bicuda desviou?

 

Altamiro Borges é jornalista.

Blog: http://altamiroborges.blogspot.com/

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates