topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

China propõe aliança estratégica ao Mercosul: um dragão no quintal Imprimir E-mail
Escrito por Raúl Zibechi   
Qui, 19 de Julho de 2012
Recomendar

 

 

A crise política no Paraguai e suas repercussões na região deixaram a visita do primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, e a renúncia no principal cargo do Mercosul em um segundo plano da agenda de notícias. A China mostrou que está disposta a jogar pesado, inclusive na principal área de influência dos Estados Unidos.

 

A polêmica após o golpe no Paraguai, a suspensão do país do Mercosul e o ingresso da Venezuela não conseguem disfarçar as dificuldades do bloco, aflito pelas consequências da crise global e a ascensão da China como potência global. A aliança está parada porque o que convém para uns prejudica outros.

 

A expressão das dificuldades foi a demissão do embaixador Samuel Pinheiro Guimarães, secretário geral do Mercosul, na recente cúpula em Mendoza. Em sua carta de despedida trazia uma análise lúcida da realidade atual do bloco.

 

Observa-se que a crise econômica na Europa e EUA e a ascensão da China geram um enorme fluxo de capital para o sul, que "corroi as relações intra-Mercosul, base principal do processo de integração". A desindustrialização, diz ele, é uma das piores conseqüências e deve ser tratada através dos recursos da exportação de commodities.

 

Expansão gradual

 

Em um dos parágrafos mais polêmicos, Pinheiro disse que a Unasul "não pode ser a pedra fundamental para a construção do bloco econômico na América do Sul" porque o Chile, Colômbia e Peru assinaram Tratados de Livre Comércio com os Estados Unidos que impossibilitam a construção de políticas regionais de promoção do desenvolvimento.

 

Assim, acredita que o bloco regional deve ser formado "a partir da expansão gradual do Mercosul", incluindo Venezuela, Equador, Bolívia, Suriname e Guiana. O último deve ter condições de entrada especiais por conta de seu baixo nível de desenvolvimento e interesse político que têm para a região.

 

Para avançar, diz o embaixador, o bloco deve aumentar de forma significativa a coordenação política e a cooperação econômica. “A característica central do Mercosul são as assimetrias”, que provocam tensões políticas. Aposta numa forte expansão dos recursos do Fundo para a Convergência Estrutural, para favorecer os menores, que atualmente conta com apenas 100 milhões de dólares anuais.

 

Talvez o momento mais brilhante de sua carta seja o parágrafo 34: "Em um mundo multipolar em crise, com grandes mudanças no poder, não é de interesse de nenhum bloco e de nenhuma grande potência a criação ou fortalecimento de um novo bloco de Estados, especialmente se forem periféricos. Qualquer grande potência considera mais apropriado negociar acordos com os Estados individualmente, especialmente se eles são subdesenvolvidos, mais fracos econômica e politicamente".

 

Apenas os membros do Mercosul estão interessados ​​em seu bloco. No entanto, quando foi criado em 1991 não foi projetado como um organismo para apoiar o desenvolvimento, mas como uma união aduaneira para promover o livre comércio. A proposta de Pinheiro é que ele se torne capaz de promover um desenvolvimento regional harmonioso e equilibrado, eliminando assimetrias e construindo uma legislação comum de forma gradual.

 

Esta mudança é necessária porque as respostas dos países industrializados para a crise são “uma verdadeira suspensão, na prática, dos acordos da OMC negociados na época da hegemonia do pensamento neoliberal. Se o Mercosul não adotar essas medidas, vai sobreviver, mas sempre manco, e não se transformará em um bloco de países capazes de defender e promover os seus interesses neste novo mundo que emergirá da crise que vivemos”. O diagnóstico feito por um dos principais intelectuais do Brasil sugere que o mundo está entrando em um período de crescente protecionismo, daí a necessidade de formar fortes blocos comerciais internos.

 

China se anima

 

Wen Jiabao, primeiro-ministro chinês, visitou a região quando ocorreu o golpe no Paraguai. O ponto alto da sua visita ao Brasil, Uruguai e Argentina foi a videoconferência realizada de Buenos Aires na segunda-feira, 25 de junho, com Dilma Rousseff, Cristina Fernandez e José Mujica.

 

De acordo com a agência Xinhua China, o primeiro-ministro fez três propostas: fortalecer a confiança mútua e a comunicação estratégica com o Mercosul; duplicar o comércio para 2016, chegando a 200 bilhões de dólares; aumentar investimentos e cooperação financeira e tecnológica, promovendo as relações bilaterais no domínio da educação e cultura (Xinghua, 25 de junho de 2012).

 

A proposta de Wen Jiabao foi interpretada por seus interlocutores como o que realmente é: uma grande aliança estratégica que inclui também um Tratado de Livre Comércio China-Mercosul. A destacar que o Paraguai deveria ser suspenso do Mercosul, uma vez que não tem relações com a China. Dois dias depois, deu uma palestra principal da CEPAL, em Santiago, Chile.

 

Sua proposta dirigida a América Latina e Caribe consiste em “combater o protecionismo”, “aprofundar a cooperação estratégica” e abrir novos mercados com o objetivo de que o intercâmbio comercial bilateral “supere os 400 bilhões de dólares nos próximos cinco anos” (Xinghua, 26 de junho de 2012). Ele propôs uma cooperação em que a China dará uma contribuição inicial de 5 bilhões de dólares e uma linha de crédito de 10 bilhões, do Banco de Desenvolvimento da China, para a construção de infraestruturas.

 

Também propôs uma ampla cooperação agrícola e estabelecimento de um mecanismo de reserva alimentar de emergência, de 500 mil toneladas, destinadas a contingências naturais, incluindo a instalação de centros de pesquisas e desenvolvimento em ciência e tecnologia agrícolas.

 

A oferta parece tentadora no momento em que o Mercosul atravessa grandes dificuldades. A CEPAL elaborou um documento chamado “Diálogos e cooperações aos novos desafios mundiais”, que analisa as possibilidades que se abrem na região para a ascensão da China. Alicia Barcenas, Secretária Executiva da CEPAL, disse no prefácio que a região está enfrentando uma oportunidade histórica de dar um salto em inovação, infra-estrutura e recursos humanos, ou "traduzir os rendimentos dos recursos naturais em várias formas de capital humano, físico e institucional. "

 

Para dar este salto deve atrair investimento direto da China, que lhe permite diversificar as exportações. Das 40 seções incluídas no documento, uma deve ser especialmente atendida com a participação dos países da América do Sul: em 2030 dois terços da população de classe média vai viver na região da Ásia-Pacífico, em comparação com apenas 21% na Europa e América do Norte.

 

Consequentemente, a classe média asiática se transformará em “mercado chave para alimentos, confecções de maior qualidade, turismo, remédios, serviços médicos, varejo e artigos de luxo”, o que permitirá que a América Latina diversifique suas exportações e lhes some valor agregado. Acrescenta que a internacionalização do yuan pode beneficiar a região e que a China se tornou seu segundo parceiro comercial.

 

Por una agenda regional

 

Dentre as constatações, destacou que a ascensão da China para a região da América do Sul pode ampliar os ciclos favoráveis ​​de comércio que tem vivido desde 2003. “Se não se aproveitar agora, poderá acentuar o processo de reprimarização da exportação, estabelecendo modalidades renovadas do vínculo centro-periferia”.

 

A CEPAL aponta a necessidade de estabelecer uma "agenda regional de prioridades sincronizadas", que supere as iniciativas unilaterais. Em outras palavras, o que importa é o que ele chama de "desafio interno". Neste ponto decisivo, a análise de Samuel Pinheiro e da CEPAL coincidem plenamente. No entanto, a guerra comercial entre os membros do Mercosul continua sendo um fator desestabilizador.

 

Muitas vezes, as divisões vão da escala econômica à política. A entrada da Venezuela decidida na cúpula de Mendoza provocou reações encontradas. É o tipo de problema referido por Pinheiro: falta de confiança, falta de visão estratégica, domínio das questões locais sobre as gerais e do curto prazo sobre o longo, além de incapacidade em compreender as mudanças globais. Em outras palavras, é a prevalência de "politicagem". O que está em jogo é muito mais importante e nem todos parecem entender.

 

Raul Zibechi, jornalista uruguaio, é docente e pesquisador na Multiversidade Franciscana da América Latina, e assessor de vários grupos.

Tradução: Daniela Mouro, Correio da Cidadania.

Retirado de América Latina en Movimiento.

Recomendar
Última atualização em Terça, 24 de Julho de 2012
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates