topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Livre escolha Imprimir E-mail
Escrito por Gilvan Rocha   
Quarta, 11 de Julho de 2012
Recomendar

 

O Partido dos Trabalhadores nasceu como um facho de esperança para os explorados e oprimidos. Dessa forma, foi acolhido por agrupamentos políticos de perfil socialista. Existiam, na formação do PT, três grandes correntes.

 

Em primeiro lugar, gozando de aceitação e respeitabilidade, estavam os sindicalistas do ABC Paulista e de outras regiões, ressaltando-se Contagem (MG), Osasco (SP), os bancários no Rio Grande do Sul e outros sindicalistas espalhados Brasil afora, que se insurgiam contra os pelegos sindicais. A segunda corrente de grande peso na formação do partido foi a dos “igrejeiros”, através das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs), importantes para que o partido pudesse se viabilizar. Num terceiro plano, estavam os grupos ditos marxista-leninistas e “marxista-leninista-trotskistas”, sendo que essa terceira corrente, além de fracionada, gozava de menor peso.

 

Não existia uma formulação política que pudesse nos autorizar a dizer que o PT era um partido socialista. Apostava-se, porém, no seu potencial social e, particularmente, na sensibilidade e intuição da classe trabalhadora que compunha os seus quadros de filiados e militantes.

 

Padecendo de raquitismo na sua compreensão teórica, reinava a fragilidade política dessa agremiação, sujeita às mais diversas pressões à direita, levadas a cabo pela burguesia e seus prepostos. A cada concessão que fazia era festivamente aplaudida pela burguesia, que afirmava estar a agremiação amadurecendo.

 

Na verdade, o PT, no seu início, era um partido realmente verde, tornou-se, aos olhos da burguesia, um partido maduro, para depois entrar num processo de apodrecimento, indo cair nos braços do PMDB fisiológico, expressão da corrupção e da bandalheira, representado por figuras como Sarney, Calheiros, Temer, Barbalho, Jucá e, por que não dizer?, Maluf.

 

Criou-se, então, um PT de livre escolha. Você tem o PT-Mensalão; o PT-Aloprados; PT-Sarney; O PT-Maluf; O PT-Sanguessuga O PT-BNB. Só não existe o PT que represente os reais interesses históricos da classe trabalhadora.

 

Gilvan Rocha é militante socialista e membro do Centro de Atividades e Estudos Políticos.

Blog: www.gilvanrocha.blogspot.com

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates