topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Lugo, governo e poder Imprimir E-mail
Escrito por Gilvan Rocha   
Sábado, 30 de Junho de 2012
Recomendar

 

Temos insistido em mostrar a diferença entre governo e poder. Temos dito que governos são transitórios e se prestam a gerenciar os negócios da burguesia e implementar uma ou outra política econômica, tudo nos limites do capitalismo. Observa-se existir uma alternância de governos. Num momento, um certo governo implementa uma política econômica de natureza neoliberal, noutro, certo governo poderá levar avante uma política econômica desenvolvimentista, baseada em um grau maior de intervenção do Estado.

 

Em torno de políticas econômicas e de outros interesses, governos entram e saem, e a isso a burguesia chama de alternância no poder, o que não passa de um descarado embuste assimilado por amplos setores da sociedade, particularmente os segmentos mais letrados, especialmente pelos bacharéis. Enquanto os governos têm essa característica de alternância, o poder tem perfil diametralmente oposto, principalmente o seu caráter vitalício.

 

Nos processos eleitorais, a massa de eleitores é convocada, tão somente, para promover a permanência ou a mudança de governos. Os instrumentos de poder, que formam o Estado, não são submetidos à escolha popular. Esclarecendo melhor: não votamos para escolher o Estado Maior das Forças Armadas, os comandos policiais, os organismos do aparato judiciário e outras tantas instituições permanentes, cuja finalidade é defender e manter o sistema capitalista.

 

Uma observação, de suma importância, prende-se ao fato de que governos, quando conflitam com os interesses da burguesia, encontram pela frente a força do poder burguês, que trata de depor esse governo conflitante, seja pela força das armas ou por alguma manobra institucional, como se viu em Honduras.

 

Episódios históricos que provam a veracidade dessa afirmação, temos abundantemente, e vão desde João Goulart no Brasil, até Sukarno na Indonésia, Allende no Chile e tantos outros. Atualmente, temos o exemplo do Fernando Lugo, no Paraguai, deposto pelo poder reacionário através de uma manobra com roupagem legalista.

 

Gilvan Rocha é militante socialista e membro do Centro de Atividades e Estudos Políticos.

Blog: www.gilvanrocha.blogspot.com

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates