topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

E por que não “Cidadania Sustentável”? Imprimir E-mail
Escrito por Paulo Silveira   
Sexta, 22 de Junho de 2012
Recomendar

 

“Simplesmente não posso pensar pelos outros, nem para os outros, nem sem os outros”
(Paulo Freire)

 

Nesses dias de Rio + 20, muito tem se falado em sustentabilidade, vinculando-a principalmente às questões climáticas, como se fosse preciso de mais algum outro fator de desequilíbrio além dos já existentes no nosso cotidiano para que tomássemos consciência da URGÊNCIA de promovermos mudanças no nosso sistema sócio-cultural.

 

Uma pergunta que sempre fica no ar é: será possível a implantação de medidas que produzam alterações efetivas na relação do ser humano com o que o cerca sem se resolver o desequilíbrio do acesso à cidadania? Enquanto a imensa maioria da população é tratada como subcidadã, não tendo acesso à saúde, educação e justiça, outros desfrutam privilégios inimagináveis, como se deuses fossem, acima do bem e do mal.

 

Em tempos de web, onde pela primeira vez na história da humanidade qualquer um de nós pode consumir e produzir informação, reafirmando que as estruturas de macro-poder nascem e se consolidam a partir das micro-relações, não é de se estranhar o fracasso da Rio+20.

 

Paralelamente ao espetáculo absolutamente midiático dos chefes de Estado e representantes de grandes corporações, a população, já cansada de discursos vazios que redundam em ações antagônicas a esses mesmos discursos e que têm como objetivo preservar interesses e privilégios de uns poucos em detrimento de legítimos interesses de todos os demais, organizou-se e se fortaleceu ainda mais na Cúpula dos Povos, repetindo o roteiro da Rio 92.

 

Já em 92, quando a web ainda engatinhava, à revelia dos encontros midiáticos dos chefes de Estado, os movimentos sociais se utilizaram das sombras dos poderosos para se encontrarem, reconhecerem seus verdadeiros aliados e construírem cumplicidades, ampliando suas relações, movimento esse traduzido por uma frase bastante emblemática: “Pensar localmente, agir globalmente!”.

 

Nos anos seguintes o que se viu foram as demandas sociais ganharem força, obrigando as empresas privadas a criarem rapidamente o movimento de “responsabilidade social empresarial”, uma verdadeira aberração, nascida do desespero de um classe que se recusava a abrir mão de uma frágil liderança conquistada com o efêmero sucesso da política liberal adotada pela Dama de Ferro, Margareth Thatcher, na Inglaterra. Mas a “mentira tem pernas curtas”, como diz o velho ditado popular.

 

Assim, o movimento de “responsabilidade social empresarial” rapidamente perde credibilidade perante a população, ao ficar evidenciado o absurdo de sua existência (você já pensou que esse movimento, ao premiar empresas que, antes de mais nada, cumprem com suas obrigações, legitimaria a “irresponsabilidade social empresarial” ou “responsabilidade anti-social empresarial”), sendo substituído pela marca “desenvolvimento sustentável”, muito mais lucrativo para as empresas.

 

Enquanto na “responsabilidade social” as empresas teriam que desembolsar recursos para financiarem supostos “projetos sociais”, no desenvolvimento social elas transferem a responsabilidade do sucesso ou do fracasso dos seus projetos sociais para seus funcionários, ao responsabilizarem-nos por economizarem insumos básicos (como energia, papel, água, matéria-prima etc.), reduzindo drasticamente seus custos de produção e aumentando, nas mesmas proporções, suas margens de lucro e, ainda por cima, posando de parceiros da população e do meio ambiente.

 

Paralelamente a todo esse movimento da sociedade do espetáculo, a população, silenciosamente, se organiza e se estrutura, tendo a web como uma ferramenta poderosíssima, que, felizmente para todos nós, foi inicial e absolutamente desprezada pelos supostos “senhores” do poder, tratada como se fosse mais um “brinquedo” de jovens, adolescentes e crianças.

 

Somente recentemente os donos do poder se deram conta do poder da web, mas aí a população já havia se apossado dela, transformando-a numa poderosa ferramenta para conquistas sociais, como a eleição do primeiro presidente negro dos EUA; o fim de regimes ditatoriais como ocorreu no norte da África; a realização de greves como as estudantis no Chile, Canadá (Quebec), Brasil; a promulgação de leis de interesse popular, como a “Ficha Limpa”; a ocupação de espaços públicos como protesto pelo regime sócio-econômico que vivemos, de uma forma absolutamente pacífica; a organização de manifestações de movimentos de fatias da população até aqui afastados dos núcleos de poder, como as passeatas gays etc.

 

É evidente que a realização da Rio + 20 não passou de novo espetáculo midiático para atender a interesses diversos, menos os do cidadão, como, por exemplo, uma tentativa desesperada do fortalecimento de um tema, o Aquecimento Global, que já produziu uma agenda comum entre as grandes corporações, seus representantes encastelados em cargos de chefes de Estado e a população.

 

Infelizmente para uma minoria e felizmente para a imensa maioria de nós, dessa vez o abismo que separa os interesses do grande capital e os nossos, dos cidadãos comuns, é intransponível. O próximo passo para se produzir o evidentemente imprescindível desenvolvimento sustentável é absolutamente incompatível com o capitalismo voraz que vivemos, capaz de devorar países como Grécia, Espanha, Portugal, e que requer resultados imediatos e lucros crescentes: trata-se do “consumo consciente”.

 

Sem dúvida alguma estamos no limiar de novos tempos, onde a manipulação da sociedade em prol de interesses escusos se tornará cada vez mais difícil e a célebre frase “todo o poder emana do povo, pelo povo, para o povo” se tornará cada vez mais realidade, traduzida pelo exercício de uma cidadania planetária, com os cidadãos conscientes que “o bater de asas de uma borboleta na China interfere nos EUA”.

 

Acredito que é a hora de deixarmos de eufemismos, reconhecermos que a diversidade não é necessária somente nas plantas e nos animais que coabitam o nosso planeta, mas também entre nós humanos, e enfrentarmos desafios maiores, do tamanho de nossa existência, buscando a “Cidadania Sustentável”, aquela em que o cidadão se sinta acolhido pelos seus e possa fazer as escolhas de sua vida a partir de seus direitos e deveres com a sociedade, entendendo que ele é um produto do meio e que sem ele não existe.

 

Utopia, nem tanto, vejam o que acontece, por exemplo, com os países que compõem a península da Escandinávia?

 

Paulo Silveira é membro do movimento “respeito é BOM e eu gosto!”.

Website: www.reBOMeg.com.br

Recomendar
Última atualização em Quarta, 27 de Junho de 2012
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates