Perguntas de um ignorante ambiental

0
0
0
s2sdefault

 

Os noticiários estão cheios de notícias sobre a Conferência Rio+20. Pessoas de todos os tipos, povos e credos dizem, diante das câmeras e dos repórteres, o que querem e o que pensam sobre a proteção do meio ambiente e a conservação da natureza. A grande mídia dá espaço privilegiado às crianças que falam com desenvoltura do aquecimento global, da necessidade de banir a energia nuclear, de reciclar as garrafas PET e de evitar agressões ao meio ambiente. E aos intelectuais de diferentes correntes que defendem a necessidade de retornar às origens, viver em interação com a natureza, da mesma forma que as tribos indígenas.

 

Aqui e ali, de vez em quando, aparecem os indígenas, com razão, exigindo a posse da mãe terra, onde consigam plantar com equipamentos modernos e mais eficientes. O mesmo que pedem os camponeses sem-terra, que combatem os fertilizantes e pesticidas químicos, juntamente com muitos pequenos agricultores, para os quais os alimentos orgânicos estão livres de qualquer química, constituindo um dos elementos de salvação da humanidade.

 

Desse modo, misturam-se infinidades de reivindicações justas e contraditórias, como se fossem todas partes bem articuladas de uma mesma coisa. Diante disso, este lutador contra a poluição do ar e das águas, a destruição das florestas e a desertificação dos solos se vê um perfeito ignorante ambiental, obrigado a fazer perguntas, cujas respostas não encontra nos noticiários.

 

Primeiro, por que a luta contra a geração de energia de fonte nuclear é mais importante do que a luta para impedir as mortes no trânsito? Que se saiba, os desastres das usinas de geração nuclear, ocorridos nos últimos 50 anos, não produziram mais do que 10 mil mortes. Embora isso seja trágico, está longe de ser tão trágico quanto os mais de 50 mil cidadãos que morrem a cada ano, apenas no Brasil, vitimas do trânsito. Se contarmos as mortes em todo o mundo, certamente nos depararemos com uma verdadeira hecatombe contra a natureza humana. Não estará havendo aí uma inversão?

 

Segundo, por que se continua repetindo o dogma do aquecimento global, ao invés de se denunciar a poluição por gases do carbono, provenientes dos veículos movidos a combustíveis fósseis, como causa de uma série enorme de doenças, principalmente respiratórias? Afinal, faz algum tempo que o conceito de aquecimento global vem perdendo valor como dogma, diante dos indícios de que estamos diante de mudanças climáticas que talvez gerem uma nova era glacial, ao invés da elevação geral da temperatura do planeta. Então, também não estaremos diante de uma inversão?

 

Terceiro, por que a regressão à vida indígena seria a salvação da humanidade? Esta foi capaz de avanços científicos e tecnológicos que podem compatibilizar a vida humana com as leis de evolução natural, mas não são incorporadas à sociedade porque se chocam com o sistema de lucro máximo do modo capitalista de produção. Então, ao invés de apelar ao povo para voltar à vida primitiva, não seria mais lógico apelar a ele para superar aquele sistema e enfrentar os desafios de desenvolver as forças produtivas e, através delas, resolver os problemas relacionados com a recuperação e proteção ambiental?

 

Quarto, desde quando produtos orgânicos são livres de produtos químicos? Eles podem ser livres de fertilizantes e pesticidas artificiais, mas serão sempre uma combinação de moléculas químicas, que recebem nutrientes químicos do solo, das águas e do ar. Por que somos obrigados, para combater drogas danosas a nossos organismos, a difundir a ignorância sobre a composição da própria natureza?

 

Quinto, por que os que defendem o abandono da construção de hidrelétricas, desconsiderando os avanços técnicos e sociais que permitem mitigar em muito os danos ambientais e sociais, não assinam uma declaração pública comprometendo-se a não se manifestarem quando os apagões elétricos começarem, por falta do aumento da geração elétrica?

 

Haveria outras perguntas, mas fico nessas. Na opinião deste ignorante ambiental, a luta para recuperar e proteger o meio ambiente não passa pelo congelamento do desenvolvimento industrial e agrícola dos países em desenvolvimento, como o Brasil. Ao contrário, passa por um desenvolvimento industrial e agrícola de todos os países que foram mantidos no atraso pelas potências capitalistas, desenvolvimento que pode ser menos agressivo se essas potências transferirem, sem custos, as tecnologias indispensáveis para evitar tal agressão, já que elas foram as principais destruidoras do meio ambiente dos atuais países em desenvolvimento.

 

Portanto, a discussão global sobre qualquer economia verde tem que passar pelo pagamento do passivo ambiental promovido por aquelas potências durante a sua industrialização, que é muito mais elevado do que qualquer tecnologia que tenham criado desde então. Mesmo que transfiram todas numa contabilidade que leve em conta aquele passivo, ainda ficarão devendo muito.

 

Nacionalmente, temos que penalizar os latifundiários capitalistas que destruíram matas ciliares e a maior parte de suas propriedades, assim como os madeireiros ilegais, que não realizam procedimentos racionais de recuperação das matas. E precisamos não só evitar a derrubada de florestas, mas também reflorestar grande quantidade de áreas rurais e rearborizar as cidades de modo persistente. Se quisermos reduzir a emissão de gases poluentes, não podemos ficar satisfeitos com as cidades que, ao invés de implantarem trens subterrâneos ou veículos leves sobre trilhos, movidos a energia elétrica, preferem vias de ônibus articulados, movidos a combustíveis líquidos ou gasosos, mesmo que tais combustíveis sejam menos poluentes do que o petróleo.

 

E se achamos que o homem é parte da natureza que queremos preservar viva, temos que dar prioridade absoluta ao saneamento básico, no contexto de um reordenamento urbano que aumente as áreas públicas arborizadas e as habitações que utilizam a energia solar como principal fonte de seu funcionamento. E temos que ser capazes de produzir grande parte das ciências, tecnologias, máquinas, equipamentos e a infraestrutura necessária para realizar essas mudanças ambientais indispensáveis para o bem estar do povo brasileiro e da humanidade.

 

Diante disso, será que nosso problema consiste em realizar o desenvolvimento com preservação ambiental? Ou nosso problema reside no fato de que só poderemos recuperar e preservar o meio ambiente se realizarmos o desenvolvimento econômico e social?

 

Wladimir Pomar é escritor e analista político.

Comentários   

0 #5 Belo Monte e a ignorância ambientalJulio Barone Neto 12-07-2012 13:49
Belo Monte e a ignorância ambiental

por Rodolfo Salm
http://www.correiocidadania.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=7343%3Asubmanchete060712&catid=72%3Aimagens-rolantes&
Citar
0 #4 laila 09-07-2012 13:38
eu quero te parabenizar por expor sua opinião e dizer que tenho uma opinião bem parecida com a sua; nem sou uma riquinha sem noção da vida, como muitos que promovem os protestos, e nem uma sulista apática; sou universitária, descendente indígena, moro em belém e já tive em minha família um caso onde minha bisavó teve que se mudar por conta da construção de uma hidrelétrica. E quero ressaltar um fato ao qual ninguém repara: que os índios só são índios quando lhes convém, não estou aqui para diminuir a cultura indígena, nem nada. Acho muito importante que eles mantenham sua cultura e seu estilo de vida, mas não podemos esquecer que o Brasil é um único país e que os indígenas querem e devem ser tratados como brasileiros, não é o caso de em vez de reivindicarem a não criação de belo monte reivindicarem melhores condições de vida? Quanto a questão ambiental, não é um assunto que eu domine, mas de que adianta salvar o planeta se não salvarmos primeiro as pessoas. O país está crescendo não há como maquiar isso, de onde virá a energia pra mover esse monstro que está a se formar e que atualmente é motivo de orgulho e comemoração do nosso povo? E pra terminar quero dá a minha opinião: Eu aprovo belo monte mas ainda acho que estão fazendo a coisa certa da maneira errada, quando terminarem a usina o Pará vai se tornar uma grande favela. É fato que essa energia não é para os paraenses, nesse caso acho que o governo deveria "recompensar" o estado, investindo em desenvolvimento, em saúde e por que não em preservação ambiental. vocês vão dar um golpe profundo no estado deveriam cuidar das feridas dele depois!
Citar
0 #3 Como um ignorante deve formular perguntasAlexandre Araújo Cos 09-07-2012 10:38
Como coloquei no comentário anterior, minha especialidade é Química, mas acredito que qualquer estudante de ensino médio seja capaz de perceber a falácia por trás da pretensa discussão que o Sr. Pomar (chega a soar irônico o sobrenome em tal circunstância) trava sobre os alimentos orgânicos. Comparar aminoácidos, carboidratos e flavonóides com agrotóxicos? Ah, é tudo substância química, não ë? Francamente, o autor do texto deveria se envergonhar, assim como o Correio da Cidadania de publicar material tão flagrantemente ruim e deseducativo.
Citar
0 #2 Como um ignorante deve formular perguntasAlexandre Araújo Cos 09-07-2012 10:24
Conheço a trajetória histórica de Wladimir Pomar que, sem dúvida alguma é um miltante da esquerda brasileira que merece respeito. Mas infelizmente, na condição de também militante de esquerda, mas sobretudo de especialista em clima, devo dizer que fiquei estupefato com as afirmações (disfarçadas de "perguntas") proferidas por Wladimir nesse texto. Ignorantes, todos somos. Mais ou menos, a depender do assunto. Não devemos, porém, nos conformar com a ignorância e, precisamente, buscar o conhecimento, a gnosis. Sem falar dos demais aspectos ambientais abordados, em muitos dos quais talvez seja quase tão ignorante quanto o autor do texto, só posso dizer que é lamentável que alguém com uma trajetória como a de Pomar se deixe levar pela propaganda negacionista, estreitamente ligada nos EUA e globalmente, à direita associada aos interesses da indústria de combustíveis fósseis. Quando se ignora algo, busca-se a verdade. Procuram-se especialistas (assim no plural), checam-se sua credenciais, investiga-se o assunto de forma independente, até se formar uma opinião. Não, caro Pomar, não há "dogma" nem teoria de conspiração. Há termômetros, satélites, radiossondas, testemunhos paleoclimáticos, leis básicas da Física, todo um cabedal empírico, instrumental e teórico que constituem um conhecimento científico sólido. Informe-se melhor, caro Pomar, e se permita, até para melhor emitir opinião sobre o assunto, ser menos ignorante. Assim como em tantas outras coisas posso aprender com você e com outrem, netsa questão, em particular, creio poder ajudá-lo.
Citar
0 #1 RE: Perguntas de um ignorante ambientalMateus 25-06-2012 17:58
Por que não revemos nosso modelo de desenvolvimento que, p. ex., prevê o aumento de 4x na produção da indústria siderúrgica? Por que os apagões atingem a população e não as grandes indústrias, que são as maiores consumidoras? Por que, no final das contas, quem paga a conta é o povo? Por que a dona de casa que apaga a luz da sala ao ir para o quarto, deve pagar a conta do consumo desenfreado das indústrias muitas vezes não cobrado pelo Estado? Interessa à população esse modelo de crescimento econômico? A quem realmente interessam os grandes empreendimentos hidrelétricos? É coincidência que grandes construtoras que lucram hoje com a construção dessas grandes hidrelétricas doaram dinheiro para a campanha de Dilma?
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados