A CPI do escárnio

0
0
0
s2sdefault


Escárnio s.m. 1- o que é feito ou dito com intenção de provocar riso ou hilaridade acerca de alguém ou algo; caçoada, troça, zombaria 2- atitude ou manifestação ostensiva de desdém, de menosprezo, por vezes indignada 3- aquilo que é objeto de desdém, ironia ou sarcasmo (Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa).



A CPI do Cachoeira ameaça, com perdão da redundância, se transformar em pura cascata... A impressão que se tem é de mero palanque para políticos em busca de holofotes.


A função precípua – apurar a extensa malha de corrupção envolvendo empresas privadas, empresas de fachada (“laranjas”) e poder público – não se sobressai como prioridade e empenho da maioria dos parlamentares responsáveis pelo inquérito.



Tudo que se sabe, até agora, é graças à investigação da Polícia Federal. Felizmente ela vazou e ficamos a par das conversas telefônicas entabuladas à sombra da ilegalidade. E de como mandatos senatoriais são monitorados pelo crime organizado.



Ocorre que nem os advogados dos réus se mostram interessados em se debruçar sobre as peças acusatórias reunidas pela Polícia Federal. É inócua a sala que guarda, a sete chaves, os documentos. As provas adormecem nos bastidores, enquanto os parlamentares buscam o brilho dos palcos.



Já não se trata de apurar, e sim de blindar. O silêncio clamoroso de Carlinhos Cachoeira encontra eco no silêncio cúmplice das bancadas representadas na CPI e vinculadas a governadores suspeitos. “Se tu descartas o meu, haverei de livrar o teu”, parece dizer um partido ao outro.



Não demora, Cachoeira volta às ruas. Como tantos corruptores e corruptos cujas façanhas assombraram a nação e, no entanto, encontraram em nosso falido sistema judiciário, feito para assegurar imunidade e impunidade à Casa Grande e punir a senzala, brechas para não pagar por seus crimes, e muito menos devolver aos cofres públicos a dinheirama surrupiada.



Até a Delta, empresa de alcance nacional, logrou blindagem ao decidir a CPI investigá-la em restrito âmbito regional. Temem os parlamentares balançar o coqueiro e ter suas cabeças rachadas pelo coco?



Os governadores suspeitos deveriam se adiantar à CPI e se prontificar a depor e abrir o sigilo de suas contas bancárias e ligações telefônicas. Esta é a atitude que se espera de um estadista que zela por seu nome e reafirma sua postura ética. A política é a mais pública das atividades humanas e deveria estar respaldada na transparência de quem se reveste de um mandato concedido pelo voto popular.



A CPI não tem poder para quebrar o silêncio dos depoentes. Todos haverão de entrar mudos e sair calados. Porém, é-lhe facultado o direito e o dever de investigar, cruzar informações, analisar processos e quebrar sigilos telefônicos e bancários.



Resta saber se ela está interessada em sanar a vida pública brasileira de agentes e políticos criminosos ou apenas fingir investigar o que não convém apurar e a quem não se deve incriminar.



Frei Betto é escritor, autor de “Alfabetto – autobiografia escolar” (Ática), entre outros livros.

Website: http://www.freibetto.org

Twitter: @freibetto


Copyright 2012 – FREI BETTO – Não é permitida a reprodução deste artigo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do autor. Se desejar, faça uma assinatura de todos os artigos do escritor. Contato – MHPAL – Agência Literária (Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.)

Comentários   

0 #2 RE: A CPI do escárnio JOSE TADEU PEIXOTO 04-06-2012 12:05
Frei Beto.
Compartilho ipsis literris com o seu artigo. O final da novela já é conhecido:Tudo acabará em pizza, os parlamentares evolvidos serão perdoados e, infelizmente, "a vida continuará como dantes no quartel de abrantes". E o povo, onde está o nosso povo?
Citar
0 #1 O PRI brasileirorenato machado 31-05-2012 11:02
Frei Betto , o senhor é um daqueles imprescindíveis na luta contra a opressão humana protagonizada pelo capital , uma pena que artigos como esse fazem as vezes de meros choramingos em relação aos antigos "companheiros" que passaram a atuar ,sem os menores pudores , tangenciando a criminalidade. O senhor deve conhecer muito bem o que foi o governo de esquerda sim de Olívio Dutra aqui no RS. Esse é um governo que maioria do PT quer fazer de conta que jamais tenha existido. Quem sabe um artigo sobre isso.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados