topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Capitalismo agrário Imprimir E-mail
Escrito por Wladimir Pomar   
Quarta, 15 de Agosto de 2007
Recomendar

 

 

Confundir o modelo do agronegócio com o velho modelo latifundiário é o mesmo que confundir o atual modelo industrial com o velho modelo manufatureiro. Excetuando a alta concentração da propriedade da terra, mudaram os meios de produção e as relações de trabalho.

 

São outros os processos atuais de fertilização do solo, melhoramento de sementes, mecanização da aração, tratos culturais e colheita, combate a pragas, e transporte da produção. Às monoculturas de cana, café, ou gado, foram acrescentados grandes cultivos de soja, milho, laranja, arroz e algodão. Desenvolveram-se, ainda, inúmeras outras culturas, e a pecuária está sendo transformada em criação intensiva.

 

As relações de trabalho também mudaram. Lembremos que, após o fim do trabalho escravo, o latifúndio adotou o sistema híbrido de parceria, arrendamento e aforamento, no qual os camponeses chamavam a si próprios de "agregados". Não possuíam terra, nem recebiam salários. Trabalhavam "de favor" na propriedade do latifundiário, a quem pagavam um terço, ou a metade, do que produziam. Além disso, tinham que trabalhar, em "dias cativos", em serviços de usufruto do latifundiário. Somente por volta dos anos 1940, e apenas em algumas regiões do país, esse trabalho "cativo" passou a ser remunerado em dinheiro.

 

Hoje, o trabalho assalariado é predominante nos latifúndios e nas médias propriedades capitalistas. O modelo do agronegócio, embora ainda possua vínculos de dependência com o capital internacional, que monopoliza o comércio de fertilizantes, sementes, defensivos e as exportações das commodities agrícolas, é visceralmente capitalista, tocado por um setor da classe burguesa, e tem por base o trabalho assalariado.

 

Do mesmo modo que o grande capital avança sobre os pequenos capitais urbanos, incorporando-os e aniquilando-os, o grande capital agrário e agrícola, o agronegócio, avança sobre as demais propriedades agrárias, expropriando-as, para concentrar capitais, rendas e terras. Expulsa os pequenos proprietários rurais, e os transforma em posseiros errantes nas regiões de terras devolutas, ou sem-terra acampados à beira das estradas, ou proletários empregados ou desempregados nas cidades.

 

Nesse sentido, a nova concentração capitalista da terra é muito mais destrutiva da pequena propriedade camponesa do que o "velho latifúndio", ao aliar a truculência deste "velho latifúndio" aos inúmeros mecanismos de expropriação econômica que o capital lhe proporciona.

 

 

Wladimir Pomar é escritor e analista político.

 

Para comentar este artigo. clique comente.

Recomendar
Última atualização em Quarta, 15 de Agosto de 2007
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates