A revisão de Lovelock

 

James Lovelock, o cientista da teoria de Gaia, surpreende mais uma vez. Agora, fazendo uma revisão da mais pavorosa previsão sua a respeito do aquecimento global, afirma textualmente que ele "não está acontecendo na velocidade prevista". Em outras palavras, a previsão de que até o final desse século só haveria seres humanos nas regiões geladas onde hoje estão os pólos foi refeita.

 

Em si, a afirmação de Lovelock é um alívio. Afinal, a extinção massiva da vida, inclusive humana, já não aparece num horizonte tão curto em termos históricos.

 

Diante dessa revisão logo surgiram as hienas do status quo, afirmando que as previsões das mudanças climáticas estão sendo enterradas. Entretanto, a afirmação do cientista é que elas "estão acontecendo, mas numa velocidade mais lenta que a que ele previa".

 

Portanto, não é hora de continuarmos com a emissão de CO2 na quantidade agora emitida, na derrubada das florestas, nas mudanças do Código Florestal, sob o pretexto de que as mudanças climáticas são mais lentas que o previsível. Essa é a filosofia das cabeças que se recusam a encarar os fatos.

 

Os fenômenos extremos estão acontecendo e se agudizando; as geleiras derretendo; a perda dos aqüíferos em expansão; a corrosão da biodiversidade em aceleração; a perda de solos agricultáveis idem. Um simples grau a mais na temperatura média da Terra já ocasiona problemas climáticos com conseqüentes tragédias, suficientes para nos precavermos.

 

Com a revisão de Lovelock, permanecem ainda mais vivas e pertinentes as previsões do IPCC, com o aumento da temperatura média da Terra até o final do século entre dois e quatro graus. Segundo esse bloco de cientistas, o esforço humano deveria ser para tentar conter a mudança da temperatura no limite de dois graus, para que a tragédia não seja fora de qualquer controle.

 

A boa notícia que vem da revisão de Lovelock é que podemos ter mais chances, talvez um pouco mais de tempo, para evitarmos o pior.

 

Mais que nunca, ao invés de acelerarmos a depredação, seria hora de aumentar a precaução, com preservação das florestas, a mudança na matriz energética, a diminuição do consumo, o cuidado com os solos e água, assim por diante. Enfim, reinventarmos nossa civilização.

 

É o que gostaríamos de ver sinalizar a Rio+20, é o que defende a Cúpula dos Povos.

 

Roberto Malvezzi (Gogó) possui formação em Filosofia, Teologia e Estudos Sociais. Atua na Equipe CPP/CPT do São Francisco.

 

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados