topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Violência invisível Imprimir E-mail
Escrito por Claudionor Mendonça dos Santos   
Sexta, 10 de Agosto de 2007
Recomendar

 

 

Há uma visão deturpada do que seja a violência, entendendo-a como sendo constrangimento físico ou moral, uso da força, coação, etc.

 

Contudo, há aquela violência camuflada, disfarçada, porém não menos cruel. Trata-se da violência determinada por fatores midiáticos, religiosos, legislativos, culturais e até científicos.

 

No lar, local de alto risco, ocorrem atos selvagens e de conhecimento apenas de seus sujeitos, porque os conflitos domésticos permanecem protegidos sob a lápide “lar, doce lar” e da frase “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”. Ali, no entanto, ocorrem cotidianamente agressões físicas, humilhações, torturas, exploração, controle da vida pessoal, abandono material, divisão desigual de responsabilidades e tarefas e até violência sexual.

 

Isso ocorre porque, no campo do Direito, a mulher ainda é vista ainda como ser inferior, como se não estivesse presente no plano político, econômico e, algumas, no centro do poder, com sua sensibilidade diversa que a faz diferente dos seus pares masculinos, superando inúmeros obstáculos.

 

A nova legislação, alterando a situação enfrentada pelas mulheres, trouxe novos ventos. Define e tipifica a violência doméstica e familiar, impede a entrega da intimação ao agressor pela mulher agredida, possibilita prisão em flagrante, permite a prisão preventiva, em caso de risco da integridade física ou psicológica da mulher, obriga sua notificação em caso de ingresso ou saída do agressor da prisão, assegura assistência jurídica em todas as etapas do processo, aumenta a pena privativa de liberdade, permitindo, ainda, na fase de execução, que o magistrado obrigue o agressor a freqüentar programas de reeducação.

 

Nota-se, no entanto, uma diminuição no número de feitos após o advento da nova legislação que, como foi dito, é mais severa. A explicação constante de matéria jornalística aponta o fato de algumas mulheres não querem a prisão para seus companheiros, sujeitando-se, assim, à violência. Trata-se de deformação que necessita ser corrigida. O processo de educação, nesse aspecto, merece destaque, pois nada é possível, em termos de progresso, sem um sistema educacional, que permita a conscientização dos direitos básicos. Medidas judiciais, conforme vem se constatando, não cessarão o sistema de violência que vem martirizando muitas mulheres que sofrem caladas, em razão de fatores econômicos ou até mesmo psicológicos, entendendo ser natural a situação precária a que são submetidas, seja no lar, seja no trabalho.

 

A legislação por si só não trará mudanças de tratamento, especialmente diante de uma cultura patriarcal, machista, assentada por séculos de hegemonia masculina.

 

A Lei 11.340 de 7 de agosto de 2006 veio como um sonho feito de brisa, que, ao que parece, o vento veio terminar, como diz a canção popular. A luta, então, deve continuar até que se superem as desigualdades, mantidas, obviamente, as diferenças.

 

 

Claudionor Mendonça dos Santos é promotor de Justiça e integrante do Movimento do Ministério Público Democrático.

 

Para comentar este artigo, clique aqui.

Recomendar
Última atualização em Sexta, 10 de Agosto de 2007
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates