Violência invisível

0
0
0
s2sdefault

 

 

Há uma visão deturpada do que seja a violência, entendendo-a como sendo constrangimento físico ou moral, uso da força, coação, etc.

 

Contudo, há aquela violência camuflada, disfarçada, porém não menos cruel. Trata-se da violência determinada por fatores midiáticos, religiosos, legislativos, culturais e até científicos.

 

No lar, local de alto risco, ocorrem atos selvagens e de conhecimento apenas de seus sujeitos, porque os conflitos domésticos permanecem protegidos sob a lápide “lar, doce lar” e da frase “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”. Ali, no entanto, ocorrem cotidianamente agressões físicas, humilhações, torturas, exploração, controle da vida pessoal, abandono material, divisão desigual de responsabilidades e tarefas e até violência sexual.

 

Isso ocorre porque, no campo do Direito, a mulher ainda é vista ainda como ser inferior, como se não estivesse presente no plano político, econômico e, algumas, no centro do poder, com sua sensibilidade diversa que a faz diferente dos seus pares masculinos, superando inúmeros obstáculos.

 

A nova legislação, alterando a situação enfrentada pelas mulheres, trouxe novos ventos. Define e tipifica a violência doméstica e familiar, impede a entrega da intimação ao agressor pela mulher agredida, possibilita prisão em flagrante, permite a prisão preventiva, em caso de risco da integridade física ou psicológica da mulher, obriga sua notificação em caso de ingresso ou saída do agressor da prisão, assegura assistência jurídica em todas as etapas do processo, aumenta a pena privativa de liberdade, permitindo, ainda, na fase de execução, que o magistrado obrigue o agressor a freqüentar programas de reeducação.

 

Nota-se, no entanto, uma diminuição no número de feitos após o advento da nova legislação que, como foi dito, é mais severa. A explicação constante de matéria jornalística aponta o fato de algumas mulheres não querem a prisão para seus companheiros, sujeitando-se, assim, à violência. Trata-se de deformação que necessita ser corrigida. O processo de educação, nesse aspecto, merece destaque, pois nada é possível, em termos de progresso, sem um sistema educacional, que permita a conscientização dos direitos básicos. Medidas judiciais, conforme vem se constatando, não cessarão o sistema de violência que vem martirizando muitas mulheres que sofrem caladas, em razão de fatores econômicos ou até mesmo psicológicos, entendendo ser natural a situação precária a que são submetidas, seja no lar, seja no trabalho.

 

A legislação por si só não trará mudanças de tratamento, especialmente diante de uma cultura patriarcal, machista, assentada por séculos de hegemonia masculina.

 

A Lei 11.340 de 7 de agosto de 2006 veio como um sonho feito de brisa, que, ao que parece, o vento veio terminar, como diz a canção popular. A luta, então, deve continuar até que se superem as desigualdades, mantidas, obviamente, as diferenças.

 

 

Claudionor Mendonça dos Santos é promotor de Justiça e integrante do Movimento do Ministério Público Democrático.

 

Para comentar este artigo, clique aqui.

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados