O extermínio de MCs na Baixada Santista

0
0
0
s2sdefault


Na madrugada da última quinta-feira foi assassinado em São Vicente, litoral de São Paulo, MC Primo, de 28 anos, um dos cantores de funk da Baixada Santista de maior sucesso. Foi o quarto assassinato de um artista de funk na Baixada Santista em três anos. Na realidade, o quarto assassinato em 48 meses. Em abril do ano passado, o MC Duda do Marapé, de 27 anos, foi assassinado com nove tiros. Em abril de 2010, foram assassinados na Praia Grande o MC Felipe Boladão e o DJ Felipe da Praia Grande, ambos de 20 anos, quando se dirigiam a um baile funk de Guarulhos.

 


Estes trágicos episódios se somam a inúmeros casos de violência praticados contra artistas do funk. Entre os mais emblemáticos, pode-se citar o de Kátia, a compositora do “Rap da felicidade”, talvez o maior sucesso da história do funk, que ganhou todas as classes sociais com versos como “eu só quero é ser feliz, andar tranquilamente na favela onde eu nasci”. Acabou assassinada, esquartejada e queimada na favela. Por sua vez, Betinho da Força do Rap, compositor de “Cachorro”, música gravada por Mr. Catra que retrata a corrupção policial e que foi censurada por supostamente fazer apologia ao crime, foi executado pela polícia, segundo o DJ Marlboro e Mr. Catra, em uma operação na favela do Acari.


As mortes desses ídolos do funk evidenciam o descaso ou até a cumplicidade do Estado. Permanecem invisíveis, em virtude da origem social dos MCs e do fato de o funk ser constantemente associado à criminalidade, apesar de mobilizar milhões de jovens, por todo o país, em busca de lazer. Responsabiliza-se a vítima por seu destino, sugerindo-se apressadamente que sua morte é resultado esperado (merecido?) de seu envolvimento com traficantes. 

Associando as vítimas a traficantes, no entanto, o Estado simplesmente “lava suas mãos” e dá o caso como encerrado, sem fazer as devidas investigações sobre a autoria dos crimes ou se comprometer a investir em políticas preventivas. Não se pode esquecer que, apesar de serem os principais destinatários dos estereótipos de delinqüentes, os jovens negros das periferias e favelas são, de acordo com o Mapa da Violência 2011, o setor que apresenta a maior vulnerabilidade à vitimização violenta.


MC Primo, candidato a vereador em São Vicente em 2008, alcançou projeção nacional com a música “Diretoria” e foi acusado de cantar “proibidão”, um gênero de funk que supostamente faz apologia ao crime. Muitos MCs já foram presos sob a acusação de cantar “proibidões”. Alegam que simplesmente retratam a realidade das periferias e favelas, documentando seus valores e abordando de forma crua e direta assuntos como conflitos entre facções criminosas pelo domínio do tráfico de drogas, corrupção e violência policial, racismo, miséria, prisão, desemprego etc. Cantam em primeira pessoa porque, se não vivem aquela realidade, pelo menos conhecem de perto alguém que a viva. 

Neste ponto, o “proibidão” seria uma música de protesto, uma “arma” de denúncia, de visibilidade social. É a favela cantando sua própria história para a favela. Quem não vive aquele cotidiano, portanto, pode se assustar com a violência das letras. MCs acusados de fazer apologia ao crime sustentam que o sistema penal é seletivo. O problema não é a música, mas quem a canta. Por outro lado, não é a descrição da realidade incômoda que deve ser silenciada, mas a realidade em si que deve ser mudada. As medidas repressivas costumam ser contraproducentes. Ao adotar em relação ao funk apenas uma política criminal, em detrimento de uma política cultural, o Estado aproxima ainda mais MCs da área de influência de traficantes. 

De qualquer forma, neste momento não é o “proibidão” que deve ser julgado, mas as autoridades que reprimem essa manifestação cultural e os assassinos de mais um jovem MC. Na letra de “Diretoria”, MC Primo profeticamente canta a revolta do “moleque sofredor” que “se jogou nas ondas da maldade” e teve seu castelo desabado. Considera-se um “guerreiro”, pede para que Deus “olhe por nós”, e deixa o seu recado final: “venderam os meus pensamentos, mas não calaram a minha voz”.

 

Danilo Cymrot é mestre e doutorando em Criminologia pela Universidade de São Paulo.

Comentários   

0 #4 a os mc's que si forammaxwe 17-07-2013 19:22
homenagem aos mc's ae pessoal não mate os mc's e as pessoas porque e errado isso eles so estavam fazendo seu trabalho eles não tem cupa eles tem familia para cria fiho se ele se meteu com a namorada de alguem ou outra corsa não va com violencia va na conversa sempre resolve tudo por que não e mundo que vai acaba nois que ta acabando com ele e tambem falo pros mc's para de fazer musicas do pcc de armas etc. ingual do mc. daleste morreu então e esse cosselho que eu falo pros mc's cuidado com quem semete então munta paz e sucesso pros mc's tchau
Citar
0 #3 RE: O extermínio de MCs na Baixada Santistadhanna 09-05-2012 16:44
ae mano ....ta tudo errado ...
um mc é morto na crueldade e niguem fala nada ...ninguem reage , a midia se silencia ,.....quando é um artista qualquer, um cantor famoso, o mundo simplesmente se revela ......hhhhhaaaaa vei vcs tao de brincadeira ne nao?
um mc não é so um mc ,mas a voz de uma comunidade na qual a musica(funk)expressa o sentimento e a vivencia de cada um .
Citar
0 #2 protestosusansumer 27-04-2012 13:45
Venho Protestar não apenas como fã,mas como Mãe

Faço a seguinte comparação :o filho do cantor Leonardo sofreu um acidente está entre a vida e a morte.A midía da todo acesso.
MC PRIMO foi executado na frente de seus filhos e esposa a mídia nada diz,mas na hora de criticar, marginalizar esses que são a voz de uma comunidade ,falam da realidade, a mídia nada diz.Lembre-se o filho de leonardo tem um filho.
O primo tinha 2 ,uma de 5 e eum de nove
Citar
0 #1 Extermínio de MC(?)Hélio Querino Jost 27-04-2012 12:05
O que é MC? É alguma expressão ou código estrangeiro?
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados