topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Exército de Israel: assassinatos não muito seletivos Imprimir E-mail
Escrito por Luiz Eça   
Quarta, 21 de Março de 2012
Recomendar

 

 

A mídia do Brasil passa a idéia de que foram os palestinos quem começaram os recentes conflitos com Israel. Foram eles que lançaram dezenas de foguetes contra o território israelense, obrigando o governo de Tel-aviv a retaliar. E ainda assim os aviões israelenses lançaram mísseis com precisão cirúrgica, somente matando terroristas prestes a atacar Israel. Não foi bem isso.

 

Quem atacou primeiro foi Israel, assassinando Zuhair al-Qaissi, um dos líderes do Comitê de Resistência Popular (PRC), grupo integrado por militantes de vários partidos palestinos. Um drone destruiu o carro em que viajava.

 

A reação dos palestinos, como sempre, foi ineficaz: lançaram foguetes artesanais, cujo dano maior foi assustar os moradores judeus das cidades próximas à fronteira com Gaza, além de ferir levemente alguns trabalhadores, por sinal, estrangeiros.

 

Já a aviação de Israel fez um serviço muito mais completo: 22 palestinos mortos, sendo quatro comprovadamente civis, e dezenas de feridos, que tiveram o azar de estar nas proximidades dos alvos humanos. Sem falar numa série de edifícios arrasados, total ou parcialmente.

 

Israel justificou-se. Foi por razões de segurança que atacou, pois a vítima tinha sido o autor dos ataques ocorridos em 2011 na fronteira com o Egito e estaria planejando novas ações terroristas. O PRC desmentiu categoricamente. De fato, já era sabido que os ataques de 2011 não tinham partido de Gaza e sim do Sinai.

 

Quanto à acusação de que al-Qaissi estaria planejando atentados sinistros, Israel não se preocupou em provar. Disse que era verdade, e pronto!

 

Afinal, é assim que funciona sua política de assassinatos seletivos (“targeted killings”). Reagir contra eles, como os palestinos fizeram, é voltar-se contra políticas militares israelenses que, para Tel-aviv, têm força de lei. Portanto, é um crime, castigado com mísseis, bombas e drones.

 

A política de “assassinatos seletivos” não é obra de Netanyahu. Existia desde 2000, ano em que Ehud Barak, do Partido Trabalhista, era o primeiro-ministro.

 

Seu objetivo era eliminar terroristas que o governo israelense não teria condições de prender. Israel empregou esta tática especialmente na faixa de Gaza, onde aviões e helicópteros disparavam mísseis para atingir indivíduos, previamente selecionados por constituírem ameaça à segurança da população israelense. O exército afirmava que, dada a precisão cirúrgica dos ataques, as chances de matarem palestinos inocentes eram mínimas.

 

Não era o que acontecia, protestou a B’Tselem, entidade de direitos humanos judaica. Ela rejeitou as estatísticas oficiais e procedeu a uma investigação por conta própria. Apurou que, entre setembro de 2000 e agosto de 2011, os “assassinatos seletivos” liquidaram 425 palestinos, dos quais 174 (40,9%) eram civis inocentes, inclusive crianças. Isso dava uma proporção de 1 “inocente” para 1,44 vítima.

 

Indignados, grupos de direitos humanos palestinos entraram na justiça requerendo a proibição dessa tática israelense, sob alegação de que se tratava de execuções extralegais. Mas a Suprema Corte rejeitou o pedido. No entanto, estabeleceu algumas restrições e limitações, e que as evidências deveriam ser avaliadas caso a caso.

 

Como as evidências nunca são reveladas, não era possível verificar se as diretivas da Suprema Corte foram respeitadas. E os “assassinatos seletivos” continuaram na mesma.

 

Assim, não havendo transparência, a decisão da Suprema Corte permanece como letra morta. Na seleção e eliminação dos alvos humanos, as autoridades de segurança israelenses têm poderes totais: funcionam, ao mesmo tempo, como acusadores, juízes e carrascos.

 

Simplesmente confia-se nos critérios de indivíduos que podem ser “falcões”, para quem mesmo militantes pacíficos de movimentos pró-libertação da Palestina representam ameaças potenciais de terrorismo e merecem ser liquidados.

 

Quando cometem erros não são responsabilizados. Mortes de inocentes nos ataques são consideradas apenas danos colaterais.

 

Depois dos quatro dias de ataques aéreos contra a indefesa Gaza, o Observatório Euro-Mediterrâneo de Direitos Humanos criticou o assassinato seletivo que deu origem ao conflito, taxando-o de flagrante violação da lei internacional e de “assassinato fora da lei e sem julgamento.”

 

Pode ser escolhido o nome que você quiser: execução, assassinato, liquidação, o que for. O importante é que os “targeted killings” de Israel representam a negação do direito de defesa perante uma autoridade judiciária.

 

Embora seja moda excluir esse direito, como os EUA de Barack Obama andam fazendo, ele continua essencial na democracia.

 

Luiz Eça é jornalista.

Website: Olhar o mundo.

Recomendar
Última atualização em Sexta, 23 de Março de 2012
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates