topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Rio ou Ria de Janeiro: velha, decrépita e injusta Imprimir E-mail
Escrito por Raymundo Araujo Filho   
Terça, 06 de Março de 2012
Recomendar

 

Aprendemos erradamente nos bancos escolares que os portugueses aqui chegando confundiram a Baía de Guanabara com a foz de um rio, e por isso o nome Rio de Janeiro. Hoje sabemos que Ria nada mais é do que Baía em português arcaico, corrigindo tal erro histórico sobre a origem do nome dado à ex-Cidade Maravilhosa. Ainda mais, pois, estando o Américo Vespúcio a bordo da nau da Expedição de Gonçalo Coelho, o maior cartógrafo da época, que não confundiria a foz de um rio, daquele tamanhão, com a “boca” de uma baía que se abre ao mar. Como vemos, muita coisa tem de ser colocada no lugar em relação à Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, a ex-Cidade Maravilhosa.

 

Urde nos meios de comunicação nacionais e internacionais a exposição do Rio, alçando esta cidade ao patamar de um dos locais de maior procura turística no mundo, e não mais só no Brasil.

 

Isto se coaduna com o plano de transformar a cidade, que tem dentro de si e em seu entorno metropolitano cerca de 70% da população do estado do RJ, em uma cidade “off shore”, ou seja, que viva principalmente de mega-eventos “de dentro para fora”, que nada têm a ver com a cidade, com a vida dela, com o seu aprimoramento cultural e financeiro. Pois os resultados destas iniciativas vão para os bolsos de mega-empresários, que faturam alto pagando muito pouco aos trabalhadores e pelos aluguéis dos equipamentos urbanos que utilizam para instalarem seus projetos.

 

Assim, esta cidade sofre hoje, na data de seu 447° ano, um dos maiores assédios de sua história, que querem chamar de urbanístico, mas é apenas empresarial, promovendo modificações estruturais que, definitivamente, não favorecem a população em geral, mas somente os empresários donos de negócios rentáveis - além de seus governantes que ganham o agradecimento de quem agraciaram, já sabemos sob que formas.

 

Assim, no seu quase meio milênio de vida, a ex-Cidade Maravilhosa tem sido vítima de, por exemplo, remoções e mais remoções de populações pobres de áreas de interesse empresarial, como são as áreas próximas a Jacarepaguá, Barra da Tijuca e Recreio dos Bandeirantes, em um plano urbanístico tipicamente elitista, visando a ocupação empresarial de áreas que estão valorizadas artificialmente pela consecução de mega-eventos “off shore”, como são o Rock In Rio, Copa do Mundo, Jogos Olímpicos, Encontro de Jovens Católicos, Jogos Mundiais Militares, Rio + 20, Jogos Pan-americanos. Entre outros que, por aqui, acontecem com freqüência tal que proporcionam a falsa impressão de grande atividade turística “normal, o que é uma mentira. É como se Paris e Nova York precisassem de eventos e mais eventos de mega-porte para atraírem turistas. Entenderam a diferença?

 

Aqui é o turismo “pega no tranco”, trazendo gente descompromissada com qualquer espírito de conservação de um patrimônio da humanidade, como dizem que esta cidade é - ao menos em algumas áreas com tal denominação.

 

Na verdade, eu ia escrever um artigo com o nome as rugas da Vanessa Redgrave. Acontece que acabei de ver um filme sobre as safadezas dos EUA, e dos países da Europa em geral, na questão da Bósnia, onde se estabeleceram as ONGs humanitárias, na verdade agentes da prostituição, seqüestro, escravização de moças e assassinatos de “rebeldes”. A grande atriz fez o papel de uma das pessoas que conseguiram denunciar e condenar alguns agentes, um deles ao menos, o mesmo que fechou contratos com Bush pai para a “reconstrução” do Iraque. O filme foi baseado em fato real.

 

Eu ia comentar que a Vanessa Redgrave estava soberba, com as suas rugas que definem a sua idade já não jovem, mas sim avançada, dando-lhe uma aparência digna, de uma idosa atuante e inteligente, que não rejeita histericamente o chegar da idade, como faz, por exemplo, a maior parte das atrizes, atores e apresentadoras(es) da TV. Notadamente as brasileiras, que desde a meia idade, quando não antes, passam a mostrar peitões e que tais siliconados, “bocas de tamanco”, por uso de Botox, deformando-lhes o corpo, talvez no mesmo sentido que suas mentes se deformaram, de tanta alienação que lhes é peculiar. Recomendo um espetáculo de fotos da grande diva Vanessa Redgrave, apenas escrevendo seu nome em portal de busca, e deliciando-se com mais de uma centena de fotos dela. Foi bonita demais na juventude e meia idade, e continua linda e digna na terceira idade.

 

Em vez deste artigo sobre a diva, preferi este sobre a decrépita ex-Cidade Maravilhosa, cujos governantes gastam bilhões em reformas de fachada, mas que, no seu 447°, presentearam a cidade com:

 

  • Um aumento de mais de 60% nas passagens de barcas, transporte usado por dezenas de milhares de pessoas diariamente.
  • Um transporte sem classificação possível no metrô e rede ferroviária, também privatizados.
  • A menor atividade industrial dos últimos anos.
  • TODAS as praias, do Leme ao Pontal, e mais Flamengo e Botafogo, além de Ramos, totalmente poluídas, como teve de assumir o secretário do plástico, Carlos Minc.
  • A menor nota de avaliação do SUS, entre as capitais do sudeste brasileiro, a região mais rica.
  • A segurança nas mãos de bandidos fardados, como diariamente lemos na imprensa.
  • A maior taxa de subsídios para o transporte urbano de que se tem notícia; subsídios para os empresários, é lógico.
  • Um aumento vertiginoso e crescente do número de favelas.
  • A falência da rede pública de ensino.
  • Um trânsito caótico e violentíssimo.
  • Alto índice de poluição.

 

Querem mais? Venham para o Rio e ainda assistam na TV Globo que aqui todo mundo é feliz, é cordial e vivemos rindo de tudo, além do que “ser carioca é um estado de espírito” e, por isso, até a Ana Maria Braga se diz carioca, uma carioca... nascida em São Paulo (sem querer ofender os meus amigos e parentes paulistas, mas não sei se um baiano pode se dizer “paulista nascido na Bahia”, assim impunemente...).

 

Fico com o poemeto do artista popular Escaramuça, que diz:

 

O meu coração rural

Ri do Rio

De Janeiro a Janeiro

 

Raymundo Araujo Filho é médico veterinário e carioca, DOA A QUEM DOER.

Recomendar
Última atualização em Qui, 15 de Março de 2012
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates