O erro fatal dos pobres do Pinheirinho


Para garantir o êxito pleno da iniciativa, não faltaram recursos. Foram mobilizados dois helicópteros, duzentas e vinte viaturas, quarenta cães, cem cavalos, alguns carros blindados para abrir caminho em meio ao caos, e mais de dois mil policiais militares fortemente armados, além de guardas municipais, bombeiros e policiais civis. Uma verdadeira operação de guerra.

 

Antes da investida brutal, deu nos jornais, a polícia paulista infiltrou agentes para minar a resistência do inimigo, isolar a liderança e definir os pontos fracos e o momento certo para o ataque. Tudo meticulosamente preparado, conduzido com empenho e método pelo governador em pessoa, para fazer valer a “dura Lex”, como Noel Rosa no “breque” imortal: “prá quem é pobre, a lei é dura”.

 

O acontecido no Pinheirinho, como bem denunciou o jornalista Jânio de Freitas, não foi uma simples “reintegração de posse”. Assim como a toga pode esconder bandido (palavra de corregedora), a medida judicial pode abrigar impulsos que vão muito além do que está nela escrito. A “blitzkrieg” do governador Alckmin, esse é o nome certo para a operação, foi montada para produzir rendimentos políticos. Não por acaso, a medida recebeu elogios rasgados em editorial de “O Globo”, segundo o qual esta seria a “fórmula”, por excelência, para garantir a propriedade privada e o estado de direito.

 

A comunidade do Pinheirinho, com seis mil habitantes, existia há quase uma década e se formou aos poucos, pela ocupação de um enorme terreno baldio.  Propriedade encalacrada, empreendimento falido e abandonado por um especulador mais sujo que pau de galinheiro.  Como o Estado não garante ao desvalido o direito de moradia, os pobres ocupam áreas assim para ter onde morar, procedimento comum na formação da urbe brasileira.

 

Até ser dizimado pela polícia, era um bairro pobre, com ruas e quadras definidas, oito igrejas, uma praça, casas de alvenaria, morada de gente humilde. Faz lembrar Chico e Vinícius, “vindo de trem de algum lugar”.  Era o lar para muitos que hoje perambulam de déu em déu. O choque brutal da ordem injusta destruiu da noite para o dia o que foi construído com enorme sacrifício. E espancou a esperança teimosa dos que insistiam em construir, ali mesmo, uma vida melhor.

 

É bom lembrar que estava em curso um processo de negociação, com a presença de líderes da comunidade e de representantes da massa falida que reivindica o terreno, e legitimado pela presença de parlamentares e representantes dos três níveis de governo. Havia também uma contenda judicial, com guerra de liminares e posicionamentos conflitantes entre as esferas estadual e federal do poder judiciário. Uma luta por direitos e justiça social. Faz lembrar Oswald de Andrade, o grande expoente do nosso modernismo, que sempre invocava em defesa dos posseiros uma lei que, segundo ele, nenhum governante poderá revogar: a lei da gravidade.

 

Na madrugada de domingo, dia 22 de janeiro, dormiam tranqüilos os moradores do Pinheirinho. Quatro dias antes, uma decisão judicial suspendera o despejo por 15 dias. A decisão foi comemorada com festa pelos moradores, que acreditavam e apostavam no avanço da solução negociada.  Foram acordados sob pata de cavalos pela “blitzkrieg” do governador Alckmin.  Os de cima, ensandecidos pela exuberância irracional dos negócios em alta, não puderam esperar. Como em Canudos, nos sertões de Euclides da Cunha, a força bruta que avassala foi chamada para cortar o nó górdio: mais uma “Tróia de Taipa” foi derrubada.

 

Especula-se sobre o que motivou a opção preferencial pela solução de força. É verdade, claro, que os credores pressionavam por rapidez. Querem o terreno, avaliado em mais de 180 milhões e que, “limpo” dos pobres, pode decuplicar seu preço. O mercado dos negócios imobiliários fervilha no Brasil inteiro.  As eleições se aproximam e serão, mantidas as tendências em curso, as mais caras da nossa história política. Vai ganhar a prefeitura quem “arrecadar” mais dinheiro: os partidos da ordem sabem que o poder, agora, emana dos financiadores de campanha.

 

Para além de todos os interesses particularistas que alimentaram o desatino praticado pela “blitzkrieg” do governador de São Paulo, existe uma argamassa ideológica na sustentação do procedimento. É ela que explica a convergência entre a direita togada e a direita montada nos aparelhos de repressão, o reacionarismo que domina a mídia associada aos mega-negócios e, claro, os donos de tais negócios. Tudo indica, pelos esgares característicos adotados do governador ao se pronunciar sobre o acontecimento, que os pobres da comunidade Pinheirinho cometeram um erro fatal.

 

Todos sabem que a ordem social no Brasil é injusta, violenta e desigual. Não há como negar a contundência de tal fato secular. No entanto, observa-se a recorrência entre nós de um claro paradoxo. Sempre que qualquer segmento social procura se organizar, política e democraticamente, para lutar por direitos novos ou antigos, por mudanças na estrutura de tal ordem injusta, pode estar certo, ele será visto como um perigoso estorvo e vai tomar porrada.

 

Não se admite que, ali onde imperam as condições mais difíceis, os pobres produzam prodígios na luta pela sobrevivência. A organização solidária, onde a dignidade dos despossuídos se restaura na luta política coletiva, é uma afronta aos valores da ordem dominante. Segmentos populares mobilizados, protagonistas ativos da política, lutando por mudanças, são exemplos perigosos. Não pode. Imaginem se a moda pega!

 

Essa, sem dúvida, é razão pela qual o Estado foi chamado a agir, e atendeu prontamente na sua condição de guardião da ordem injusta. A truculência praticada pelo poder público contra os pobres do Pinheirinho é a prova provada da inexistência entre nós de justiça e cidadania. Faz lembrar Adoniran Barbosa, que plasmou no cancioneiro popular uma constante da tragédia social brasileira: o progresso das elites é o vale de lágrimas dos pobres.  Milhares de outros brasileiros se juntarão a ele, “Mato Grosso e o Joca”, no lamento estóico pela perda da sua “Saudosa Maloca”.

 

Léo Lince é sociólogo.

Comentários   

0 #6 NAZISMOOSEIAS 07-01-2013 16:51
O PSDB E SUA GANGUE SÃO NAZISTAS E PERSEGUEM OS POBRES. O SERRA PEDÁGIO BOLINHA CERCOU OS VIADUTOS DE SÃO PAULO COM GRADES PARA EXPULSAR OS MORADORES DE RUA, O ALCKIMINTO É OPUS DEI.O SERRA SE CANDIDATOU COM O APOIO DOS MONARQUISTAS, DOS INTEGRALISTAS, DA OPUS DEI,DO INSTITUTO MILLENIUM, QUERO DIZER, O QUE HÁ DE PIOR ENTRE OS ULTRA DIREITISTAS E OS DIREITISTAS E NÃO SE ILUDAM, ESSE É O RUMO DELES, CADA VEZ MAIS ULTRA DIREITISTAS E NEOLIBERAIS.
Citar
0 #5 RE: O erro fatal dos pobres do Pinheirinhoastor guimaraes 03-02-2012 17:35
Acredito que estejamos vivendo um período onde nós , o povo, deveremos começar a demonstrar não somente a manifestação de nossa indignação e de nosso repúdio a essa covardia ,mas , também a nossa ira , o nosso ódio contra os mandantes , os financiadores e os executores das injustiças. A democracia também significa o profundo pavor das elites pela sublevação dos povos.
Uma ação como essa só pode ter sido acionada por mentes psicopatas onde a dor e o sofrimento humano lhes é indiferente e que se escondem através de leis iníquas que não devem ser cumpridas mas sim , revogadas. Minha contribuição é uma só – exigir a destituição imediata do governador , do prefeito , do comandante militar da operação , dos oficiais que a executaram , da juíza que deu a ordem e do tribunal estadual que confirmou a sentença da juíza; ao mesmo tempo usar uma tarja com a palavra VERGONHA Até que as destituições exigidas sejam efetuadas. Isto deve ser articulado como uma campanha nacional e internacional pela internet e outras vias de acesso comunicacional. A Solidariedade com aquelas famílias é o único ato possível dentro da esfera que nos faz humanos; Solidariedade Incondicional aos nossos compatriotas desvalidos e desafortunados de Pinheirinhos. Fim dos tiranos e psicopatas empoderados.
Citar
0 #4 ONDE ESTÁ A VERDADE?RODRIGO TOLEDO 03-02-2012 17:21
Qual truculência Sr. Léo Lince? Quantos feridos teve na operação? Quer dizer que Estado de SP NÃO deveria cumprir um mandato judicial de reintegração de posse?

Porque o nobre Sr. Léo Lince não discorre sobre a desocupação de uma área invadida em Brasiléia, no Acre, no ano passado, que deixou um índio cego e, segundo uma das moradoras da área, levou-a ao aborto? Ou ainda sobre o estudante, a cozinheira e o índio, que ficaram cegos de um olho em confrontos com as PMs, respectivamente, do Piauí, da Bahia e do Acre. Em dois dos estados (BA e AC), os petistas são governo; no PI, têm a vice-governança. Poderia ainda fazer uma resenha sobre a reintegração de posse ocorrida na semana passada aqui no Distrito Federal, com o apoio de forças policiais do DF e da União (PT). Eram terras púbicas, não privadas.

Porque, caro Léo Lince? Me ajude a entender porque o Pinheirinho e sua população (ex) merecem mais destaque do que os brasileiros que foram expulsos, aí sim, com a truculência a que se refere o autor do artigo.

És da turma dos “cumpanheiros”, por isso tal omissão aos fatos?
Citar
0 #3 PinheirinhoManoel 03-02-2012 15:15
Essa foi a melhor análise, que eu li, sobre a tragédia do Pinheirinho.
Citar
0 #2 pinheirinho ...tiago thorlby 31-01-2012 16:38
Os ricos ficam cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres ...
Errado!
Os ricos ficam cada vez mais ricos às custas dos pobres, cada vez mais pobres:
Certo! ... com a ajuda "strip-tease" do judiciário obediente.
Citar
0 #1 Protesto em MadriAdriana Aguiar 31-01-2012 13:51
Prezado Léo: parabenizo pela matéria e compartilho que sábado passado foi realizada uma manifestação em frente à Embaixada do Brasil em Madri em repúdio à truculência das autoridades paulistas. Fui informada então que outras cidades européias contaram com manifestações análogas. Grande abraço.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados