“Ai se eu te pego”: uma análise comparativa

0
0
0
s2sdefault

 

Analiso abaixo a letra da canção “Ai se eu te pego”, interpretada por Michel Teló, sucesso nacional e internacional. Na primeira estrofe, temos...

 

Sábado na balada

A galera começou a dançar

E passou a menina mais linda

Tomei coragem e comecei a falar

 

Cada verso e cada palavra de Teló nos conduzem a universos paralelos da cultura. O primeiro verso faz menção ao “Porque hoje é sábado”, em que Vinícius de Moraes revê a criação do mundo.

 

A balada a que se refere Teló alude àquele antigo poema com que se narrava alguma tradição histórica, acompanhado ou não por instrumentos musicais. Ou àquela peça puramente instrumental como cultivavam Chopin, Brahms ou Liszt.

 

A supracitada galera (“turma”, “amigos”, “gente”) de Teló se equipara ao decassílabo “Vogo em minha galera ao som das harpas”, de um poema de Castro Alves.

 

Reportando-se de novo ao poetinha Vinícius de Moraes (“Garota de Ipanema”), Teló também contempla a menina linda que passa. E vai além. Em êxtase, tomado pela excitação poética, num ato de coragem extrema, o baladeiro se declara:

 

Nossa, nossa

Assim você me mata

Ai se eu te pego, ai ai se eu te pego

Delícia, delícia

Assim você me mata

Ai se eu te pego, ai ai se eu te pego

 

A dupla exclamação — “nossa, nossa” — nos remete à admiração de que falava Aristóteles como ponto de partida da reflexão filosófica, ou pode se tratar também de uma forma reduzida da interjeição “Nossa Senhora!”, inserindo o poema no amplo cenário (e não menor mercado) das composições religiosas.

 

Outra referência inconfundível é o locus poético em que amor e morte se encontram — o clássico “morrer de amor”. O verso “Assim você me mata”, que o cantor faz acompanhar com o abanar da mão em direção ao rosto (simulando morte por asfixia ou enfarte), equipara-se a momentos sublimes da poesia romântica de Gonçalves Dias ou Casimiro de Abreu. Há, entre outros exemplos, um soneto em que Camões, dirigindo-se ao Amor, com ele se queixa: “Que vida me darás se tu me matas?”

 

Aqui termina o poema de Teló, com uma concisão que lembra Paulo Leminski e Mario Quintana.

 

Mas parece que os imortais que acima citei não gostaram das comparações feitas aqui. Das suas tumbas erguem-se vozes, cantando em uníssono:

 

Perissé, Perissé

Assim você nos mata!

 

Gabriel Perissé é doutor em Educação pela USP e escritor.

Website: www.perisse.com.br

Comentários   

0 #15 RE: “Ai se eu te pego”: uma análise comparativaCleidson Almeida 26-02-2012 02:25
Bem, como temos o Sarney na Academia Bras. de Letras então infelizmente a comparação é boa e/ou infeliz. É de lamentar mesmo.

Aproveito o ensejo para refletir que essa coisa (que não é música) repete a "reificação" da feminilidade, a qual recebe o pior tipo de "cantada" que uma mulher mereceria receber e paradoxalmente é o que a maioria delas querem - um homem que as veja como objetos descartáveis e dignas do lixo, das DSTs ou de distúrbios psicológicos de auto estima.
E ainda sigo além dizendo que a sentença "ai se eu te pego" podemos interpretar como a de um homem perturbado sexualmente, que ou permanece incapaz de conquistar uma mulher pelo sentimento e inteligência ou seguirá como ameaça de violência sexual dada sua incapacidade de visualizar a mulher como ser racional.
Somando posso acrescentar que é mais uma "produção viral" que estimula a erotização infatil e pedofilia, pois esta "coisa" massifica no homem incauto que a "menina mais bela" não precisa ser maior de idade.
Queira Deus que um dia uma gota de racionalidade caia neste oceando de ignorância e hipocrisia de nosso país que consome este lixo dentre outros como do funk, axé e pagode.
Citar
0 #14 Ai, Se Eu Te Pego!!!Luiz Paulo Santana 09-02-2012 17:36
Se há uma coisa que a rede global revelou-me e já não me surpreende é a profunda ignorância da grande maioria dos habitantes do planeta.
Eu que ainda creio que a educação, o conhecimento, são a condição sem a qual não haverá civilização.
Mas, para a ideologia reinante, já atingimos o topo civilizacional. Povos ignorantes, tangidos pela grande mídia na direção do consumo sobretudo supérfluo que satisfaz um status que ela própria impingiu e no qual todos creem. É a pior das religiões, senão uma das piores.
Por exemplo, dar e receber presentes como forma de ampliar o consumo. Isso já faz parte da crença das novas gerações. Elas se sentem obrigadas a cumprir o rito. Todo o ano. Várias datas comemorativas passaram a ostentar essa obrigação subliminar. No natal a coisa ganha ares de tragédia. Milhões de pessoas esgotam estoques. Como animais amestrados perderam a capacidade de dizer não. E quem se rebela é tangido de volta ao rebanho, ou execrado como um sujeito não muito bom da bola.
Escravos do consumo. Escravos da mídia.
Citar
0 #13 AI, AI, AI...Cássio Borges 09-02-2012 17:36
É de doer mesmo esse tipo de letra. mAS É bom não nos iludirmos, daqui a pouco aparece outra peróla.
Professor, espero vê-lo po PALMAS, TO e breve, quem sabe no Festival Literário !
SHALOM.
Citar
0 #12 qualquer coisa vale, será?clay 03-02-2012 19:53
não há nada de mergulho na alma. a digestão sem caroço e engasgamento, sem pedra preta parando na frente, eliminando o frete, já basta. bastão de arremedo expulsando os delírios.
é um parto com chave de pernas fechadas.
ninguém entra, nem sai.
leminski jamais assinaria uma besteirada dessas.
não tenho aval pra falar em nome... porém, o pop que os caras procuravam beijava os biscoitos finos do oswald.
a pobreza melódica, ritmica e semântica, nos oferece o desprezo. não é porque ganha grana que temos que cultuar
Citar
0 #11 RE: “Ai se eu te pego”: uma análise comparativaZeus 17-01-2012 21:02
pegar as palavras das músicas e buscá-las em poemas. Assim qualquer merda vira uma fonte inesgotável de cultura.
Citar
0 #10 RE: “Ai se eu te pego”: uma análise comparativaGislaine 16-01-2012 21:35
Depois da análise só fica o reforço do meu sentimento interior: ai se eu pego quem compôs esse Ai se eu te pego...
Citar
0 #9 RE: “Ai se eu te pego”: uma análise comparativaLeni 16-01-2012 15:54
Professor Perissé, delicia seu artigo. Excelente oportunidade de evocar quem nos deixou letras, poesias, músicas importantes para a humanidade.
Ai se eu te pego..."Pensei na Polícia Federal e suas ações para prender sonegadores, ladrões.
Citar
0 #8 Interpretei mal, mas retifiquei.Rodrigo 16-01-2012 13:58
Li tão cegamente por causa da raiva em relação a comparação que não percebi que isso era uma sátira, peço perdão ao Perissé. Quase o condenei a morte.
Citar
0 #7 Ideias e cidadesMarta Martinz 15-01-2012 11:16
[fv]Brilhante! Adorei[/fv]
Citar
0 #6 RE: “Ai se eu te pego”: uma análise comparativaLuisa 14-01-2012 20:09
MUITO BOM! Principalmente as quatro ultimas linhas, parabéns professor!
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados