topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Belo Monte: a batalha dos vídeos Imprimir E-mail
Escrito por Rodolfo Salm   
Sábado, 10 de Dezembro de 2011
Recomendar

 

Finalmente, o debate sobre os problemas da construção da hidrelétrica de Belo Monte ganhou a visibilidade que merece no Brasil. Isso, em grande medida, graças a um vídeo organizado pelo ator Sérgio Marone com a participação de vários atores e atrizes da Rede Globo. O vídeo, “É a Gota D'Agua + 10” veiculado no Youtube, foi amplamente divulgado pelas redes sociais, resultando rapidamente na coleção de um milhão de assinaturas enviadas à presidente Dilma Rousseff na forma de uma petição pedindo “a interrupção imediata das obras de Belo Monte e a abertura de um amplo debate que convoque os brasileiros a refletir e a opinar sobre qual o modelo de progresso que estamos dispostos a perseguir, ciente das conseqüências de suas escolhas”. Porém, se por um lado o vídeo dos atores globais foi extremamente eficiente na divulgação da questão e na coleta de assinaturas contra a barragem, por outro lado desencadeou uma série de reações violentas, na forma de vídeos-resposta produzidos por defensores de Belo Monte (“Tempestade em copo d’’água”, proveniente da faculdade de Engenharia Civil da Unicamp e “Verifique os fatos”, da UnB).

 

 

O vídeo “É a gota d’água +10” foi inspirado em “Don’t Vote”, produzido em 2008 pelo ator Leonardo Di Caprio e dirigido por Steven Spielberg, em que atores hollywoodianos pediam à população que votasse na eleição em que Barack Obama se elegeu presidente dos EUA. Apesar do seu mérito em dar visibilidade à luta contra Belo Monte, a versão brasileira do vídeo de celebridades engajadas tem algumas falhas. Falhas que não invalidam o seu argumento central, contra a barragem, que é correto, mas que serviram de poderosa munição para a resposta barrageira. A que mais chama a atenção, na voz da atriz Ingrid Guimarães, é a observação de que “Abaixo da barragem, o rio banha o Parque Nacional do Xingu”.

 

Na verdade, o parque indígena está distante cerca de 1000 km rio-acima, já no estado do Mato Grosso. O que não significa que não esteja seriamente ameaçado pela construção da barragem, que traz conseqüências para toda a bacia deste que é o último grande rio em bom estado de conservação da Amazônia. Ameaçado, principalmente, devido aos seus impactos indiretos, como a atração de um imenso contingente populacional para a região, que já está causando um pronunciado aumento nos desmatamentos em toda a bacia do Xingu.

 

E, abaixo da barragem, está a menos famosa que o Parque, mas não menos gloriosa, Volta Grande do Xingu. Uma centena de quilômetros de cachoeiras, corredeiras, ilhas e praias de areia branca, que seria devastada com a construção da barragem que desviaria permanentemente quase todo o fluxo do rio, deixando-o praticamente seco.

 

Se, por um lado, o único equívoco de fato do filme dos artistas foi falado por Ingrid Guimarães, por outro, é ela mesma que diz o mais importante: “A gente pode parar essa obra!”. O BNDES, por exemplo, até agora não aprovou oficialmente o financiamento. Por que essa coisa “tão maravilhosa” continua tendo problemas?

 

Outra falha do vídeo dos atores globais foi botar ênfase demais no custo de 30 bilhões de reais da obra, e no alagamento de 640 km2 de floresta. Trinta bilhões de reais, que de fato viriam em sua grande maioria dos impostos que pagamos, é muito dinheiro e 640 km2 também é muita floresta. Mas, como argumentam os que defendem as obras, esta soma não é tanto dinheiro assim, junto do que o Brasil fatura todos os anos com exportação agropecuária e a mineração.

 

E os 640 km2 de floresta que seriam alagados também não é tanta floresta assim, se pensarmos que é mais ou menos o que perdemos continuamente a cada dois meses com os desmatamentos na Amazônia. O grande problema é que, com a construção de Belo Monte e das outras dezenas de hidrelétricas planejadas para as próximas décadas, teríamos a destruição de metade da floresta amazônica devido às profundas transformações causadas pela imigração de centenas de milhares de pessoas para o centro de áreas remotas de floresta. Além da perda de biodiversidade, que seria uma tragédia imensa para toda a humanidade, essa devastação já está causando profundas mudanças climáticas no nosso país. Isso sim nos trará um prejuízo em dinheiro enorme.

 

A revista Veja, que consegue sempre se superar em seu baixo nível, publicou na edição de 7 de dezembro uma reportagem odiosa sobre o assunto: “Nocauteados pela lógica”, de André Eler e Laura Diniz, em que os atores globais que fizeram o vídeo-protesto contra Belo Monte são chamados de “celebridades-desmioladas-que-abraçam-qualquer-causa-politicamente-correta”.

 

Dentre uma série de informações distorcidas para defender, a todo custo, a construção da barragem, há um quadro explicativo com citações do vídeo dos artistas e comentários dos vídeos dos estudantes favoráveis à barragem, em que eles supostamente “nocauteariam” os atores no que seria, segundo eles, “o primeiro debate sério da internet brasileira”. O curioso é que, com a exceção do equívoco de Ingrid Guimarães sobre a posição do Parque do Xingu em relação à barragem, não há o que se recriminar nas falas dos artistas.

 

O primeiro suposto nocaute seria em Marcos Palmeira. O ator diz “Se não fizer a hidrelétrica de Belo Monte, não vai ter energia. Se não tiver energia, como é que eu vou ver televisão pra assistir minha novela?”. Um estudante da UnB responde “Após passarmos por ameaça de apagão, reduzir a questão da demanda de energia no Brasil para assistir novela parece até piada”. Só que era realmente piada. Nesse ponto do vídeo, Marcos Palmeira e os outros atores, para introduzir o assunto e chamar a atenção, claramente imitam o consumidor de energia elétrica desinformado e preocupado com o simples funcionamento da sua televisão. Assim como os atores do vídeo americano diziam don’t vote, who cares? (não vote, quem se importa) antes de dizer vote. “Gente, não dá para ficar sem luz. Eu sou a pessoa mais conectada. Sem luz, sem celular, sem iPad, sem iPhone, sem iTudo?”, também falou Guilhermina Guinle nessa linha. E uma vez que Marcos Palmeira trabalha fazendo novelas, a piada se justifica totalmente e a observação do estudante, ao invés de ser um “nocaute”, foi apenas uma grosseria de quem não entendeu, ou fingiu não entender o vídeo dos artistas.

 

A atriz Elisângela falou: “Durante oito meses do ano, aquela região praticamente seca”. E teria sido nocauteada pela observação “Dizer que praticamente seca é um pouquinho exagerado, não acham?”, feita com o rio Xingu ao fundo, que em seu leito é mundo de água, mesmo na época da seca (ainda que a água estivesse praticamente parada). Só que a atriz, em sua pertinente observação, não disse que “o rio” praticamente seca. É claro que o rio permanece com água! O Xingu praticamente pára de correr e não tem condições de mover uma turbina sequer em boa parte do período seco. A região de fato praticamente seca. Estamos na metade de dezembro e, enquanto chove no país quase todo, a seca que começou em maio continua forte por aqui. Isso é uma novidade dos últimos anos nessa região da Amazônia, devido à progressão dos desmatamentos. Os imigrantes que chegaram por aqui na década de 1970 com a abertura da Transamazônica vivem comentando essa drástica redução nas chuvas da região em relação ao que se via naquele tempo. O que traz graves ameaças à conservação da floresta e ao próprio potencial hidrelétrico de Belo Monte. Fato que já foi devidamente estudado através de projeções climáticas que já antevêem uma profunda redução do fluxo do Xingu devido às mudanças climáticas globais. Por que a Veja não trata deste assunto seriamente?

 

A atriz Claudia Ohana perguntou: “Quem se importa se os índios não vão ter onde morar?”. O suposto nocaute vem de um estudante da UnB que diz: “Eu me importo. Foi por isso que pesquisei e descobri que nenhuma das dez terras indígenas da região será alagada”. Se o garoto tivesse pesquisado direito veria que não há aldeias alagadas, mas, com o desvio da maior parte do fluxo do rio Xingu em trecho de 100 km, várias aldeias terão um rio morto a sua frente, sem peixes e cheio de lagos de pedra abandonados que se transformariam em criadouros de mosquitos, causando a proliferação de doenças. Isso, o desvio do fluxo natural do rio, pode ser até pior do que seria o alagamento de suas terras. Dizem que o leito do Xingu também tem muito ouro. Então se formarão garimpos sobre o leito seco do rio, que sempre trazem uma série de problemas sociais desastrosos para qualquer povo indígena que conviva com a proximidade dos garimpeiros. A imensa imigração também vai aumentar em muito a tensão entre índios e colonos em toda a região do Xingu, multiplicando as invasões às suas terras. Então, a observação de Claudia Ohana é pertinente.

 

Maitê Proença pergunta: “De onde tiraram essa idéia de que hidrelétrica é energia limpa?”. Como resposta vem a observação de um aluno da Unicamp que diz: “Energia hidrelétrica é energia  limpa. Vamos ver a usina como uma fábrica. Ela usa água como matéria-prima. Mas e como resíduo? Água. Sai tão limpa quanto entrou. A diferença é que ela entra em um lugar alto, usa sua energia para movimentar as turbinas e sai em um lugar baixo. Sai a mesmíssima água, do jeito que entrou”. O estudante está enganado. Além da água, os lagos das hidrelétricas também produzem grande quantidade de metano, que é um gás, proveniente da degradação de matéria orgânica em condições anaeróbicas, extremamente potente sob o ponto de vista do efeito estufa. Graças a ele as hidrelétricas na Amazônia muitas vezes contribuem mais para aquecimento global do que termelétricas de potência equivalente. Além disso, os desmatamentos, direta ou indiretamente causados pela construção das barragens, acabam por torná-las um desastre completo sob o ponto de vista da poluição ambiental. “Seria energia limpa se fosse no deserto, mas na floresta...?”, perguntou muito bem Letícia Sabatella.

 

Outra crítica ao vídeo dos atores globais, mais velada, seria quanto a uma suposta “prostituição” do grupo. Explico: no filme original “Don’t Vote”, dos Estados Unidos, depois de muita insistência para que o internauta encaminhe para cinco amigos a mensagem sobre a importância de se comparecer às urnas nas eleições presidenciais, a comediante de stand up, atriz e escritora Sarah Silverman, em um dado momento, parece estar realmente cansada da espera para que o internauta tome uma atitude. Então, aparentemente por uma questão de conforto, tira o sutiã por baixo da camisa comprida.

 

Na versão brasileira, que infeliz e diferentemente daquela não contou com a direção de Steven Spielberg, Maitê Proença é bem mais sedutora. Como que pedindo a clicada em troca da sua nudez. Abriu-se assim espaço para a maior tirada do vídeo da Unicamp, que foi colocar uma aluna fazendo que tiraria a camiseta, mas cortando com um “não”, como quem diz “não sou deste tipo, sou superior”. Só que a realidade é justamente o contrário. Parte deste grupo de atores, especialmente os veteranos, tem um longo histórico de preocupação com o problema da destruição da Amazônia e eles sabem sim do que estão falando. Não são apenas os atores globais, tem gente em todas as profissões preocupada com o que se passa atualmente na Amazônia, mas há uma “cortina-de-fumaça” sobre o debate de Belo Monte. Esta obra desastrosa está “blindada”, para usar um termo da moda. O diferencial deste grupo dos atores envolvidos com o projeto Gota D’água é que eles têm, principalmente agora com a independência da Internet, como furar esse bloqueio.

 

Aqueles alunos das faculdades de Engenharia Civil e Economia da Unicamp, por outro lado, estavam apenas lendo cegamente um texto do Prof. Sebastião Amorin, engenheiro eletrônico formado no ITA, que não deve conhecer nada da região e diz que a “conversão hidrelétrica não é limpa , é limpíssima...”. Alienados são os estudantes que compraram essa bobagem cegamente. Segundo o vídeo dos estudantes paraenses (“Resistência contra Belo Monte - Vídeo dos estudantes amazônidas”), são “uns estudantes bundões, que são a favor de Belo Monte, que querem meter o bedelho, mas com um texto encomendado, é claro”.

 

Uma excelente tréplica é o vídeo “O belo monstro e o belo castelo (uma resposta a "Tempestade em copo d'àgua?")”, de Gabriel Barcelos. Este mostra como Belo Monte é um projeto da ditadura, revela a coalizão de Dilma Rousseff com a turma do Sarney e traz um trecho de uma entrevista do professor do Departamento de Energia da Faculdade de Engenharia Mecânica, também da Unicamp (mas historicamente contra os desastrosos projetos das hidrelétricas do Xingu), Oswaldo Sevá, explicando como Belo Monte atende a principalmente a interesses internacionais, não dos brasileiros (a íntegra da entrevista do professor para o programa Ação Nacional da TV Século XXI segue nos links 1, 2, 3 e 4).

 

Tudo isso está sendo feito com o dinheiro público, sem que a sociedade tenha a chance de debater o assunto clara e informadamente e com a possibilidade real de rejeitar o projeto. Essencialmente, é isso o que os atores tentaram dizer com o seu vídeo. Excelente! Parabéns para eles. Claro que teria sido melhor se eles tivessem consultado os pesquisadores que há vários anos estudam os previsíveis impactos desastrosos de Belo Monte. Mas o importante é que deram o primeiro passo. E sempre se pode fazer um novo vídeo melhor.

 

 

Rodolfo Salm, PhD em Ciências Ambientais pela Universidade de East Anglia, é professor da UFPA (Universidade Federal do Pará) em Altamira, e faz parte do Painel de Especialistas para a Avaliação Independente dos Estudos de Impacto Ambiental de Belo Monte.

Recomendar
Última atualização em Sexta, 16 de Dezembro de 2011
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates