topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
Ainda a USP e a Mídia – pequena nota Imprimir E-mail
Escrito por Valéria Nader, da Redação   
Qui, 24 de Novembro de 2011
Recomendar

 

Em meio à onda midiática de choque nada favorável às manifestações estudantis na USP nas últimas semanas, artigo de Olavo de Carvalho na Folha de S. Paulo de domingo, 13 de novembro, passou um tanto despercebido. Afinal, as frentes de desmerecimento das reivindicações estudantis são tantas e tamanhas que a mídia, mesmo a mais progressista, talvez não tenha podido gastar tempo com um dos ícones mais escancarados do conservadorismo - que seria até pitoresco, não fosse a tragédia de ser assimilado por parcelas significativas da sociedade.

 

O filósofo critica a orientação da USP desde o suicídio de Getulio Vargas e respectivo “recrudescimento espetacular do getulismo na década seguinte”, com seu “discurso nacional-progressista”, ao lado de um “intervencionismo estatal crescente”; o marxismo explícito após a década de 60, “com a adesão maciça do estudantado à revolução continental orquestrada em Cuba”; a “estratégia gramsciana”, especialmente após a derrota das “guerrilhas”, com a “apologia das drogas e a legitimação da criminalidade como expressão do ‘grito dos oprimidos’"; e, após o fracasso do modelo soviético, com seus “movimentos esquerdistas” patrocinados por “bilionários globalistas”, “de modo que rapidamente o discurso agora chamado ‘politicamente correto’ se erige em opinião dominante, inibindo e marginalizando toda oposição conservadora ou religiosa, que se refugia em grupos minoritários cada vez mais desnorteados ou entre as camadas sociais mais pobres, desprovidas de canais de expressão”.


“O jovem radical ególatra, presunçoso e insolente, a quem todos os crimes são permitidos sob pretextos cada vez mais charmosos, tornou-se o modelo e juiz da conduta humana, a autoridade moral suprema a quem o próprio consenso da mídia e do establishment não ousa contrariar de frente”. Tudo segundo o filósofo.

O mencionado texto está em destaque na Folha de S. Paulo, no alto da página A3, do primeiro caderno, na famosa seção de Tendências e Debates. Na mesma edição em que o diário dizia que “58% dos alunos da USP apóiam a PM no campus” em manchete de primeiríssima página – afirmação considerada pra lá de polêmica, a se considerarem o recorte, metodologia e interpretação utilizados para a pesquisa, segundo foi evidenciado por vários alunos e por outros órgãos de imprensa.

No texto, Carvalho ainda reclama, ao final, das críticas puramente quantitativas que estariam sendo feitas aos movimentos estudantis, sem questionar a ideologia de fundo destes alunos jovens. “Ideologia de pessoas chiques, a ideologia de todo o establishment”. Entre as pessoas chiques estaria inclusive a própria Folha, citada em negrito no artigo de Carvalho.

 

Ainda que o jornal não tenha se preocupado nem um pouco em esconder a sua postura ostensivamente contrária aos estudantes nos dias anteriores (ver A USP, a Tropa de Choque da Polícia e a Tropa de Choque da Mídia), curioso ter publicado um texto que faz  uma crítica tão frontal e direta, no caso até mesmo nominal, e que beira o estereótipo – algo do qual correm os veículos que, ao menos nas aparências, querem manter a aura de modernidade e progressismo. Pode ter gostado de ser chamado de chique. E, afinal, criticado por um dos representantes do pensamento conservador cabal e assumido, veiculando, ademais, tal crítica em sua edição, cria uma chancela bem oportuna para prosseguir com seu conservadorismo mais sorrateiro, sem correr o risco de ser equiparado às mídias já mais desacreditadas como Veja e associadas.

 

Pode assim seguir em paz, com ares de progressismo, e sempre em um cômodo caminho do meio, aquele que parece agradar a todos.

 

Valéria Nader, economista, é editora do Correio da Cidadania.

Recomendar
Última atualização em Sexta, 25 de Novembro de 2011
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates