topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Aug   September 2016   Oct
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
252627282930 
Julianna Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

AumentarDiminuirVoltar ao original
O preço do petróleo deve ser calculado em vidas Imprimir E-mail
Escrito por Wladmir Coelho   
Qui, 24 de Novembro de 2011
Recomendar

 

Os fundamentalistas do neoliberalismo insistem na tese do século 18 na qual a “mão invisível” seria a responsável por determinar os preços. Eliminam, estes fundamentalistas, de forma dogmática qualquer possibilidade de intervenção, na elaboração dos preços e dos fatores políticos, notadamente aqueles relativos à política econômica das empresas.

 

Os adeptos da crença neoliberal insistem em plantar na imprensa justificativas místicas para as variações observadas no preço do petróleo. Assim, o aumento ou queda nos valores deste importante mineral ficam restritos ao temor do “mercado”, apontado como entidade inocente, sem participação e interesses diretos nos eventos políticos – quase sempre militares.

 

O preço do petróleo, ao contrário da crença do século 18, é determinado por decisões políticas e, tratando-se de um recurso não renovável, o controle de eventuais reservas torna-se assunto de segurança nacional. Devemos aqui observar que a expressão “nacional” não implica na redução de sua aplicabilidade aos limites territoriais de um determinado país.

 

O consumo das maiores potências não é efetivado a partir de reservas próprias, daí a necessidade do controle de áreas produtivas em pontos diferentes do planeta, a partir de empresas cujo controle do capital está subordinado aos grandes grupos financeiros.

 

Observa-se deste modo a consubstanciação entre a política econômica nacional e política econômica dos grupos financeiros, sendo que os últimos submetem o mundo a seus interesses. A recente carnificina observada na Líbia, a ameaça de invasão do Irã, apenas para ficar nos mais recentes exemplos, revelam a face perversa desta realidade.

 

Controlar o petróleo representa a garantia de manutenção de um modelo econômico estruturado para funcionar a partir do uso dos combustíveis e matéria-prima derivados deste mineral, para todo tipo de indústria, cuja substituição ocorrerá cedo ou tarde, mas que ainda por muito tempo continuará predominante.

 

A evidente escassez do petróleo aguça a corrida por seu controle. Somando-se a estrutura militar e política necessárias para tal fim, seu preço tende a apresentar-se elevado e seus lucros repartidos entre os oligopólios financeiros.

 

Daí a acreditar que um simples comunicado foi o responsável pelo aumento na cotação do petróleo é algo no mínimo risível. As decisões são tomadas em nome da política econômica nacional e privada nos países-sedes e atuam para beneficiar os balanços de suas empresas.

 

A atual crise econômica criou a “necessidade” de aumentar a tributação dos mais pobres, e pagando preços ainda mais altos para as petrolíferas ficam garantidos os recursos para abastecer os bancos.

 

 

Wladmir Coelho é mestre em Direito, historiador e membro do Conselho Curador da Fundação Brasileira de Direito Econômico.

Web-Site: http://politicaeconomicadopetroleo.blogspot.com/

Recomendar
Última atualização em Qui, 24 de Novembro de 2011
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates