topleft
topright
ISSN 1983-697X

Boletim Diário

Email:
Para assinar o boletim de
notícias preencha o
formulário abaixo:
Nome:

Brasil nas Ruas

Confira os artigos sobre manifestações e movimentos sociais no Brasil.

Arquivo - Artigos

Áudios

Correio da Cidadania, rádio Central 3 e Revista Vaidapé fazem “debate autônomo” sobre as eleições  

Leia mais...
Image

Plinio de Arruda

MEMÓRIA

Confira os textos em homenagem a Plinio


Leia Mais

Plinio em Imagens



Confira a vida de Plínio


Charge


Imagem




Artigos por data

 Nov   December 2016   Jan
SMTWTFS
   1  2  3
  4  5  6  7  8  910
11121314151617
18192021222324
25262728293031
Julianna Walker Willis Technology

Links RSS

Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania Correio da Cidadania

Áudios - Arquivo

O que quer Obama? Imprimir E-mail
Escrito por Atilio A. Boron   
Sexta, 11 de Novembro de 2011
Recomendar

 

Por que Barack Obama queria se reunir com a presidenta Cristina Fernández de Kirchner? Sobram elucubrações, mas as escassas – e também críticas – declarações procedentes de Washington remetem a uma agenda contendo temas como a suposta presença de grupos terroristas iranianos operando na América Latina e particularmente na Argentina, e a excessiva vulnerabilidade da legislação nacional em relação à lavagem de dinheiro, o que havia originado o bloqueio estadunidense a créditos concedidos pelo BID e o Banco Mundial.

 

Na verdade, tais assuntos carecem de substância: sobre os iranianos é em parte a clássica paranóia de Washington e em parte uma tática para pressionar nossos países e isolar, satanizando-o, o Irã.

 

Quanto à lavagem de dinheiro, é outra acusação que carece de fundamento, principalmente quando parte de quem tem a 100 quilômetros da Casa Branca um dos paraísos fiscais mais importantes do mundo: o estado de Delaware, que publica por todos os meios que qualquer empresa que instale ali sua matriz, mesmo um diminuto escritório, será eximida do pagamento de impostos por toda a renda produzida por suas subsidiárias que desenvolvam suas atividades fora dos pequenos limites deste estado, dentro ou fora dos EUA. Por isso, 60% das 500 maiores transnacionais listadas pela revista Fortune têm seus escritórios centrais neste estado, que além do mais se vangloria de ter uma legislação que “não coloca limites à usura”.

 

Dados esses antecedentes e tendo sempre em conta que jamais se pode confiar na mentirosa benevolência do imperialismo e seus porta-vozes (quem tiver dúvidas é melhor refletir sobre o ocorrido com Kadafi), a hipótese que se apresenta com mais força para compreender o sentido do convite de Obama dirá que foi motivado pelo desejo de sabotar, por ora diplomaticamente, o projeto integracionista representado pela Unasul e isolar os governos de esquerda da região, principalmente a Venezuela de Chávez.

 

O acordo do Pacífico, recentemente promovido pelos Estados Unidos e secundado pelo México e os sul-americanos Colômbia, Chile e Peru, equivale a colocar o Cavalo de Tróia dentro da Unasul. Não é casual que a inesperada solicitação para se reunir durante a Cúpula do G-20 em Cannes tenha chegado pouco depois de a presidenta pronunciar dois discursos enfaticamente ‘unasulistas’ na noite de domingo de sua retumbante vitória eleitoral. A doentia obsessão de Washington é acabar com a experiência bolivariana e se apoderar do petróleo da Venezuela, como já fez no Iraque e na Líbia. Para os falcões estadunidenses – dos quais Obama é um solícito mordomo – a estreita relação consolidada ao longo destes anos entre Argentina e Venezuela é um incômodo obstáculo que deve ser removido o quanto antes.

 

A estratégia para 2012, ano em que se celebrará a crucial eleição presidencial na Venezuela, é chegar a este momento com um Chávez debilitado por uma intensa campanha desestabilizadora – já começada! – que inclui desabastecimentos seletivos de artigos de primeira necessidade, assassinatos a esmo cometidos por paramilitares colombianos infiltrados ilegalmente no país ou lúmpens recrutados para instalar a sensação de absoluta insegurança cidadã e a permanente gritaria da “imprensa independente” (na verdade, a única instância organizacional que possui a direita, tendo em conta a fragilidade de suas expressões partidárias), denunciando supostas restrições à liberdade de imprensa. Isso tudo orquestrado por um país onde um jornal, uma rádio ou uma televisão pode fazer apologia ao genocídio ou incitar a violência com total impunidade.

 

Dentro dessa estratégia global, isolar a Argentina do projeto de integração sul-americano é um passo tático da maior importância. Avançar rumo a esse objetivo parece ser o único sentido possível do convite feito pelo mandatário estadunidense.

 

Atilio Borón é doutor em Ciência Política pela Harvard University, professor titular de Filosofia Política da Universidade de Buenos Aires e ex-secretário-executivo do Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais (CLACSO).

Traduzido por Gabriel Brito, jornalista do Correio da Cidadania.

Recomendar
 

A publicação deste texto é livre, desde que citada a fonte e o endereço eletrônico da página do Correio da Cidadania




Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.


Vídeos

Índios Munduruku: Tecendo a Resistência

Imagem

Documentário sobre as resistências indígenas às hidrelétricas do Tapajós
Leia mais...

A Ordem na Mídia

Eugênio Bucci: “precisamos de um marco regulatório democrático na comunicação”


Há uma falência nos modelos de negócios refletida nas relações trabalhistas, na concentração de propriedade, formação de monopólios e oligopólios e no aparelhamento por parte de igrejas e partidos. Entrevistamos Eugênio Bucci, jornalista e professor da ECA-USP, que afirmou a necessidade de um marco regulatório democrático para fortalecer a democracia no Brasil.
Leia mais...


Brasil_de_fato
Adital
Image
Image
Banner_observatorio
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image
Image

Diario Liberdade

Espaço Cult

Image
Image
Revista Forum
Joomla Templates by JoomlaShack Joomla Templates