Entre o inesperado e o inusitado

0
0
0
s2sdefault

 

As atuais realidades brasileira e internacional parecem tão inesperadas e inusitadas, principalmente se as compararmos com aquelas vividas há 20 ou 30 anos atrás, que interpretações desencontradas se tornaram de uso corrente.

 

Por exemplo, ainda hoje, apesar das experiências da China e do Vietnã, ainda há muitos socialistas que culpam a natureza supostamente antidemocrática do socialismo científico proposto por Marx e Engels pelo fracasso do socialismo soviético. A conclusão óbvia é que não leram Marx e Engels com atenção. Ou não examinaram o que realmente ocorreu com a experiência soviética. Ou ambas as coisas.

 

O socialismo científico de Marx e Engels referia-se a países desenvolvidos do ponto de vista capitalista, nos quais as contradições sociais estivessem no grau em que hoje estão ingressando os Estados Unidos, Japão, Alemanha, Inglaterra e França. Não estava na previsão deles que a história se adiantaria e criaria condições para revoluções, dirigidas por comunistas e socialistas, em países de capitalismo muito pouco desenvolvido, originando situações inesperadas e inusitadas, que merecem uma análise mais profunda.

 

Outro exemplo é o daqueles socialistas que, embora achem que a superação do atraso, da exploração e da opressão não passe pela adoção estrita do modelo capitalista de produção, acreditam que tal superação pode ser resolvida por experiências socialistas supostamente já testadas com sucesso, como o cooperativismo. Neste, a posse dos meios de produção seria de todos, haveria democracia na gestão, através de assembléias, e os ganhos seriam distribuídos por critérios justos.

 

O cooperativismo é realmente uma invenção socialista, mas suas experiências de sucesso têm sido limitadas e, em geral, afogadas pela concorrência capitalista, tanto do ponto de vista econômico, quanto social, político e ideológico. A própria experiência cooperativista tem mostrado que, sem o apoio do poder público, e sem que ele se expanda para o conjunto da sociedade, sua existência estará sempre subordinada a fatores conjunturais de brechas no modelo capitalista de produção. Em geral, a preponderância capitalista costuma eliminar experiências cooperativistas com certa facilidade.

 

Em tais condições, o sucesso do cooperativismo depende da solução do problema político do conjunto de todo o poder de Estado. Pode-se dizer que taticamente, sob o capitalismo, o cooperativismo é uma boa escola de socialismo e deve ser promovido ao máximo. Mas, estrategicamente, para que se desenvolva por toda a sociedade, precisa ter o poder político orientado pelos interesses dos trabalhadores e não dos capitalistas.

 

É nesse contexto de predomínio ou domínio capitalista que se coloca a atual situação inesperada e inusitada, no Brasil e em outros países da América Latina, dos socialistas terem galgado o governo através de eleições com regras ditadas pelas próprias elites capitalistas. Embora Engels tenha vislumbrado essa situação, com base na experiência da antiga social-democracia alemã, ele morreu antes de poder examiná-la mais profundamente. De qualquer modo, foram necessários mais de 100 anos de lutas anti-coloniais e antiimperialistas para que experiência idêntica voltasse a repetir-se, num quadro internacional também totalmente diferente.

 

Portanto, da mesma forma que os socialistas e comunistas das revoluções russa, chinesa e outras ficaram confusos, dividindo-se entre os que acreditaram poder construir o socialismo sem passar pelas dores do desenvolvimento capitalista e os que achavam necessária uma aliança de longo prazo com a burguesia nacional para o desenvolvimento das forças produtivas, muitos socialistas brasileiros também estão confusos sobre essas possibilidades.

 

Alguns chegaram a romper com o PT porque supunham possível realizar reformas democráticas, populares e socialistas com a simples vitória eleitoral para o governo federal. Outros, pelo contrário, acham que Lula e Dilma estão tendo sucesso porque se aliaram ao sistema financeiro e ao latifúndio, o que lhes tem permitido governar com tranqüilidade.

 

Os que acham ser possível realizar reformas profundas, sem criar uma correlação de forças capaz de colocar a totalidade do aparato de Estado a serviço da maioria do povo, consideram verdadeira traição que os governos Lula e Dilma não tenham seguido aquele caminho. E tomam como demonstração dessa traição justamente as medidas que buscam desenvolver as forças produtivas através de empresas privadas.

 

Os que acham que, através das alianças com o latifúndio e o sistema financeiro, o PT estaria realizando transformações que sempre desejou, como o desenvolvimento com distribuição de renda, sentem-se realizados com a obtenção do equilíbrio da balança de pagamentos, propiciado pelas exportações do agronegócio, e com o fato de o sistema financeiro não estar utilizando seu poder para desarranjar a economia nacional e desequilibrar o governo.

 

Assim, entre o inesperado e o inusitado, as várias correntes socialistas procuram explicar e enfrentar uma situação que supunham impossível até poucos anos atrás. E, por inesperado e inusitado que possa parecer, talvez tenham que recorrer a Marx e a Engels, mesmo não gostando dessa idéia.

 

Afinal, quando o economista-chefe do banco suíço UBS descobre que somente estudando O Capital será possível entender os problemas atuais do modo de produção capitalista, isto sugere que os preconceitos socialistas contra o urso alemão não têm muita razão de ser.

 

Portanto, o abandono desses preconceitos permite justamente analisar e entender a situação concreta do capitalismo da atualidade, algo que tem interferência direta no contexto brasileiro e sul-americano. Depois, proporciona estabelecer estratégias que evitem o radicalismo estéril de um discurso que não leva em conta tal situação, mas não perca de vista o socialismo como necessidade criada pelo próprio desenvolvimento do capital.

 

Por fim, mas não o último, pode nos ajudar a praticar táticas de alianças com forças inimigas dos trabalhadores, na perspectiva de desenvolver as forças produtivas e a força social dos próprios trabalhadores, sem jamais perder de vista que tais inimigos não mudaram sua natureza, continuam predadores e, na primeira oportunidade, são capazes de apunhalar pelas costas.

 

Wladimir Pomar é escritor e analista político.

Comentários   

0 #10 RE: Entre o inesperado e o inusitadoJulio 19-11-2011 20:29
Leocir, a privatização de toda a economia e de todos os aspectos da vida humana não é opção viável ao que você chama de "socialismo" ou mesmo o capitalismo intervencionista. As teorias de Mises são só isso - teorias - porque nunca foram (e ouso dizer que nunca serão) implementadas em lugar algum.
Citar
0 #9 EquívocoAntônio Ferreira 18-11-2011 20:06
"o Brasil já é uma das maiores economias capitalista do mundo e, portanto, a discussão da necessidade de desenvolver as forças produtivas não se coloca para os socialistas brasileiros"

Essa é que é a premissa equivocada. A realidade o comprova.
Citar
0 #8 EquívocoAntonio Julio 18-11-2011 15:24
O texto de WP parte de uma premissa equivocada: o Brasil já é uma das maiores economias capitalista do mundo e, portanto, a discussão da necessidade de desenvolver as forças produtivas não se coloca para os socialistas brasileiros.
Citar
0 #7 sem utopia não há soluçãoEduardo de Barros 18-11-2011 11:57
Olá Wladimir e leitores,

Concordo com sua análise mas parece bem claro que o PT já desistiu há muito tempo de mobilizar a sociedade para alterar a correlação de forças existente e abrir caminho para reformas significativas, principalmente a agrária que esse país nunca sequer chegou perto de concretizar. Aí se localiza o nó da questão, a real burocratização do PT que impede e atravanca a luta pelo socialismo. A experiência recente do Chile só faz provar que os partidos sociais democratas são bem mais úteis na oposição.
Citar
0 #6 RE: Entre o inesperado e o inusitadoPatrick 14-11-2011 19:47
Os governos Lula e Dilma são populistas, tendo em vista que eles são interlocutores dos ricos e dos pobres. Segundo a visão deles, devemos fazer alianças com a burguesia para poder governar o Brasil. Por isso, defender propostas socialistas, por mínimas que sejam, são impossíveis. E para não desagradar as pessoas que estão na miséria, aumenta um pouco os seus rendimentos. Trata-se portanto de um capitalismo populista, em que a concepção de uma sociedade socialista está a milhas de distância.
Citar
0 #5 Se não fosse a Dulcinéia....Raymundo Araujo Filh 13-11-2011 11:27
Fico a pensar como pode um artigo repleto de incorreções e mesmo MENTIRAS históricas pode esclarecer alguém sobre alguma coisa....mas a vida é assim mesmo.

1) Se era "científico", o socialismo de Marx e Engels TERIA de ter previsto as situações que apareceram "à sua revelia", como as tentativas de experiências socialistas em países onde o capitalismo não estava consolidado. É o mal que pensamentos acadêmicos podem desenvolver letalmente nas autodenominadas "vanguardas intelectuais", que dizem saber de tudo, mas sabem de quase um nada, e vivem a ser surpreendidos pelo o que é trivial.

2)O Cooperatismo, sob o ponto de vista econômico, realmente não é "revolucionário", mas sim uma forma de resistência ao embretamento do povo trabalhador aos mandos do processo industrial centralizado, seja a mando de capitalistas ou "socialistas" do Aparelho de Estado tipo aqueles que WP preconiza, mas estando ele e os seus, fora do trabalho duro e braçal.

3)Sobre o ítem 2, acrescento que AUTOGESTÃO não é Cooperativismo, e sobre esta, WP não tem a coragem de escrever, tenho a certeza, e se escrever, acho que a Dulcinéia vai chorar de pena dele.

4)Os Psiquiatras do Nazi Fascismo diziam incessantemente às suas vítimas que "eles estavam confusos". Muitos acreditaram. Os que não acreditaram, viraram sabão, segundo consta...WP se tivesse se lembrado que nosotros temos muita atenção ao filme O Ovo da Serpente, de Ingmar Bergmann, não escreveria uma bobajada desta.

3) Se ele mesmo percebe que os capitalistas "sucumbiram" ao estudo de Marx e do Capital, poseria, ao menos, supor que o entenderam, mas não para ficarem bonzinhos e "socialistas", mas justamente para engendrarem aos antídotos que possam manter os seus privilégios de classe. A relações públicas das corporações privadas, a Mirian Leilão d'O Globo, outro dia escrevia sobre o capitalismo "ou muda ou acaba".

Vai acabar? Ha!Ha!Ha! Vai se transformar em Socialismo ou em Capitalismo Brando? KKKKKKK!!!!!!!

4) Dorme no ponto quem ainda achar que vamos trazer a redenção para o Trabalhador e Povo Brasileiro através de leituras ortodoxas e acadêmicas dos alfarrábios da velha esquerda européia e os xiliques da classe média desassistida e trabalhadores do primeiro mundo idem das grécias, inglaterras, japões e EUAs da vida. Na Grécia ninguém (quase ninguém)sabe que existe América Latina....

5)Olhem em volta, senhores e senhoras! Não confundam Linho com Linholene!
Citar
0 #4 hãn?Rodrigo Choinski 11-11-2011 10:39
Socialistas galgaram o poder no Brasil? Onde? O que eu vejo é um governto totalmente comprometido com todos os fetiches e a alienação do capital. O critério da verdade é a práxis. O artigo é fundamentalmente desorientador, as suas alternativas são falsas e coloca o socialismo num longinquo futuro para que possa ser eternamente adiado.
Citar
0 #3 Quem galgou?Wendell Setubal 10-11-2011 19:04
Dizer que os socialistas chegaram ao poder, via eleições, dando o exemplo do PT, em 2002, é equivocado. Na época, dizia-se, na esquerda petista, que o governo estava "em disputa". Com o predomínio de Pallocci e Dirceu (ou será que o Pomar acha que Dirceu ainda é socialista?), o PT no governo, com o pragmatismo lulista, foi guinando para posições mais conservadoras, aliando-se aos setores tradicionais e EVITANDO mobilizar as massas. Viramos o país de todos, inclusive do grande capital, principalmente dele. Fala-se na distribuição de renda, na melhoria da renda dos mais pobres, e cala-se ante a transferência brutal de recursos para os mais ricos, via megaobras, juros da dívida pública etc. O governo Dilma é hoje um governo que gere o capital. Não nego que Pomar seja socialista, mas sua impotência em transformar o PT já indica que a batalha foi perdida. Hoje, a maioria dos filiados chegou ao partido nos últimos anos, visando conquistar benesses materiais. Alguns, nos momentos eleitorais, brandem e atacam a grande imprensa,o PSDB, o DEM, mas nada de criticar os banqueiros, o grande capital, as empreiteiras, ou seja, os grandes financiadores das campanhas. Que esse populismo possa ser mais generoso com os pobres que a direita clássica é o que pretende nos convencer Pomar. A esquerda no Brasil precisa se contentar com tão pouco?

Wendell
Citar
0 #2 EsclarecedorDulcinéa 09-11-2011 23:04
Wladimir, para mim o seu artigo foi bastante esclarecedor. Seria bom se você pudesse voltar ao tema, aprofundando-o mais, ou apontando novas nuances. Obrigada.
Citar
0 #1 Socialismo x CapitalismoLeocir Luiz Rosa 08-11-2011 16:57
O autor precisaria conhecer a Escola austríaca de Economia, certamente teria uma visão diferente do socialismo e do Marxismo. Marx esqueceu o fundamental em sua obra, "a preferencia dos consumidores" e por isso não chegou a terminar o "Das Capital". Ludwig Von Mises brilhantemente esclareceu a diferença entre socialismo e capitalismo e a superioridade deste.
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados