Muros que dividem

0
0
0
s2sdefault

 

 

Na semana passada, Tijuana, no México, foi sede do Congresso Eucarístico Nacional. Cidade situada no extremo noroeste do México, na divisa com os Estados Unidos, de fronte à cidade americana de San Diego, Tijuana tem diversos motivos para merecer um destaque especial.

 

A partir de agora, com certeza, pode acrescentar mais um, muito positivo, pela exímia organização deste Congresso, realizado com esmero, e agraciado por dias de clima agradável, que tornaram Tijuana ainda mais acolhedora e hospitaleira, além de mostrar a consistência da religiosidade do seu povo, que se revelou de maneira esplêndida no Congresso Eucarístico.

 

Mas o fato de estar às portas dos Estados Unidos faz com que a cidade se veja às voltas com a complexa problemática da migração, que nos últimos anos se agravou, aumentando o número de vítimas, muitas delas perdendo sua vida na tentativa justamente de buscar sua sobrevivência além fronteiras.

 

Se já para o México inteiro é um desafio conviver com a proximidade dos Estados Unidos, precisando ao mesmo tempo resguardar sua identidade nacional e manter um relacionamento adequado com a potência americana, muito mais tensão é vivida por uma cidade como Tijuana, que se defronta abertamente com a realidade do outro país, escancarada do outro lado da fronteira, tão próxima e ao mesmo tempo tão inacessível.

 

Desta maneira, a cidade acaba vivenciando uma problemática que não é só dela, mas de todo o país. E mais: uma cidade como Tijuana acaba, na verdade, carregando o fardo de explicitar problemas que são de todos os países, que fazem parte do desequilíbrio existente entre situações tão contrastantes, traduzidas em desigualdades gritantes, bem à vista em regiões fronteiriças.

 

Já ao sair do aeroporto de Tijuana, quem chega recebe logo um baque, mais violento do que um soco no rosto. Pois em frente ao aeroporto já começa a fronteira que separa os dois países. O muro parece ameaçar quem dele se aproxima. Como se não bastasse o muro antigo, já enferrujado, foi construído outro atrás dele, mais alto, mais resistente, encimado de espesso arame farpado. A mensagem é clara e contundente. É proibido passar, é perigoso se aproximar.

 

Com certeza, este muro não vai cair tão facilmente. Porque suas causas vão durar muito tempo. Elas não se encontram aí na fronteira. Estão inseridas na dinâmica interna da economia mundial, que produziu desigualdades tão gritantes, à vista em alguns pontos críticos, onde as diferenças se traduzem em tensões que precisam ser contidas com firmeza, facilmente descambando em violência.

 

Tal problemática levou a Igreja do México a escolher Tijuana como sede do Congresso Eucarístico. No meio desta problemática complicada e difícil, de separação e exclusão, era importante colocar, com serenidade e coragem, a mensagem de reconciliação e de paz que o sacramento da Eucaristia continua testemunhando, independentemente das situações em que nos encontramos. O lema do Congresso Eucarístico não deixava dúvidas: “Eucaristia, mesa fraterna para a reconciliação e a paz”.

 

Diante do muro, com sua prepotência de imposição e de fatalidade, era necessário abrir o horizonte da esperança, fundado na força diferente do Evangelho. As palavras de São Paulo aos Efésios pareciam endereçadas de propósito para o contexto vivido por este Congresso Eucarístico: “Cristo é a nossa paz. De ambos os povos, fez um só, tendo derrubado o muro de separação e suprimido em sua carne a inimizade” (Ef. 2,14).

 

Como conciliar a utopia cristã com a dura realidade dos muros que ainda permanecem de pé, é um desafio que Tijuana enfrentou neste Congresso e que certamente merece oportunamente outras reflexões.

 

Dom Luiz Demetrio Valentini é bispo da diocese de Jales-SP.

Comentários   

0 #1 RE: Muros que dividemM Cecilia R Amarante 26-10-2011 15:46
Felicitação a Dom Demetrio por suas palavras e à Igreja no México por sua lucidez na construção da paz, junto com o povo
em local dos mais significativos para essa luta em favor do BEM VIVER!
Citar

Para ajudar o Correio da Cidadania e a construção da mídia independente, você pode contribuir clicando abaixo.

Relacionados